31 agosto 2013

2013: em 8 meses, consumo humano já excedeu a capacidade anual de regeneração do planeta

Transcrevo notícia publicada no site www.ecycle.com.br :

"Em pouco mais de oito meses, utilizamos todos os recursos naturais que o nosso planeta consegue regenerar durante o ano de 2013.

Em 20 de agosto de 2013, a humanidade esgotou o orçamento da natureza para este ano e começou a operar no vermelho. Os dados são da Global Footprint Network – GFN (Rede Global  Pegada Ecológica), instituição internacional que gera conhecimento sobre sustentabilidade e tem escritórios na Califórnia (EUA), Europa e Japão, e é parceira da rede WWF.

O Dia da Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot Day) é a data aproximada em que a demanda anual da humanidade sobre a natureza ultrapassa a capacidade de renovação possível do planeta no período de um ano.

Para chegar a esse dia, a GFN faz o rastreamento do que a humanidade demanda em termos de recursos ecológicos do planeta (tal como alimentos, matérias primas e absorção de gás carbônico) — ou seja, a Pegada Ecológica – e compara com a capacidade de reposição desses recursos pela natureza e de absorção de resíduos. Os dados da GFN demonstram que, em pouco mais de oito meses, utilizamos todos os recursos naturais que o nosso planeta consegue regenerar durante o ano de 2013.

O restante do ano corresponde ao que ficou descoberto em nossa conta. Esse nosso déficit ecológico continuará, devido à dilapidação dos estoques pesqueiros, das árvores e outros recursos naturais, bem como o CO2 jogado na atmosfera.

Em 1961, a humanidade utilizou somente cerca de dois terços dos recursos ecológicos disponíveis no planeta. Naquela época, a maior parte dos países possuía reservas ecológicas. No entanto, a demanda global, assim como a população mundial, estão em ascensão. No início da década de setenta (1970), o crescimento das emissões de carbono e da demanda humana por recursos naturais começou a ultrapassar a capacidade de produção renovável do planeta. Essa condição é conhecida como Ecological overshoot. E entramos no vermelho ecológico.

Segundo tendências atuais, os recursos disponíveis já não conseguem atender as necessidades da população do planeta, que está em 7 bilhões de pessoas e continua crescendo. Cerca de 2 bilhões de pessoas não têm acesso aos recursos necessários para satisfazer suas necessidades básicas.

Hoje, mais de 80% da população mundial vive em países que utilizam mais do que seus próprios ecossistemas conseguem renovar. Esses países “devedores ecológicos” esgotam seus próprios recursos ecológicos ou os obtêm de outros lugares.

Os devedores ecológicos utilizam mais do que possuem dentro de suas próprias fronteiras. Os moradores do Japão consomem os recursos ecológicos equivalentes a 7,1 Japões.  Seriam necessárias três Itálias para prover a Itália. O Egito utiliza os recursos ecológicos de 2,4 Egitos."

30 agosto 2013

Soneto aos Últimos Momentos de Schubert

surgiste dos solares das auroras
já pronto para ocasos iminentes
anoiteceu em tudo o que tu sentes
cavalos pisam pelas tuas horas...

um sonho de mais vida te devora
que é o oposto de em sublime ir em frente
há um alto nos avisos que pressentes
segredos que ameaçam ao ir embora...

que deus que morre em teu gênio profético?
quem é que escuta teus sopros fatais?
que traz de oculto teu cântico hermético?

as fúnebres marchas são teus sinais...
quem me dera um catastrófico épico:
para entender-te os anúncios finais...

28 agosto 2013

no Horror e no Crime

palavra Sublime
para onde foste?
perdeste tanto teu ser
que talvez eu tenha
que te explicar
para um alguém
quer for me ler

se eu te usasse
como adjetivo
soaria pomposo e antigo
e não valeria de nada...

e ainda alguém pensaria:
“mas que babaca!”

morreste
de algum novo vírus sanguíneo
ou suíno
ou apenas
abandonaste a casa
por nojo
de ver tantas baratas
moscatonteando pela mesa?

seja como for
que assim seja...

palavra Sublime
estás agora em segredo
e no inadmissível
da eternidade do medo

e ainda encontras rima
no que há de sublime
em haver esperança
no Horror e no Crime


26 agosto 2013

Os médicos cubanos são mais médicos

O texto abaixo foi retirado do jornal digital Sul21 (clicar aqui) e foi escrito por Vinicius Galeazzi:

"Santiago de Cuba, em 26 de julho, exatamente durante a cerimônia de comemoração dos 60 anos da invasão dos quartéis de Moncada naquela cidade, início da revolução cubana. Ouvimos os discursos dos vários presidentes e representantes de países caribenhos e da América Latina, entre eles do presidente Mujica do Uruguai. A maior parte das falas vinha carregada de agradecimentos à solidariedade que Cuba presta à saúde e à educação de diferentes países, especialmente daqueles que mais precisam. Assim agindo, Cuba cumpre um preceito previsto em sua Lei Maior, uma vez que prestar solidariedade a outros países é norma da Constituição do país.

No Haiti, depois do terremoto que assolou aquele país, os médicos cubanos lá estiveram e permanecem até hoje, porque ainda existe muito o que fazer na área da saúde. Os nossos médicos ficaram lá somente dois ou três meses. No rico Panamá, soubemos em nosso retorno, os médicos cubanos fizeram um mutirão de mil cirurgias de olhos, em pagamento à ajuda que tiveram daquele país. Esta semana, aqui, um médico do Uruguai, me relatou que tal mutirão de cirurgias de olhos por médicos cubanos também aconteceu no seu país e atingiu a cifra de 45 mil cirurgias grátis, 30.000 de cataratas, em cinco anos. Além de muitas ilhas do Caribe, eles estão presentes na Venezuela, Equador, Bolívia, Portugal, vários países da África, sendo 47 ao todo. Em Chernobyl, atenderam, em 20 anos, mais de 25.000 pessoas, priorizando crianças. A Arábia Saudita, americanófila, recentemente contratou médicos cubanos para, além de clinicar, atuarem como professores dos médicos locais.

Desde a revolução, a saúde e a educação são as grandes prioridades em Cuba. Há 25 faculdades públicas de medicina, além da ELAM (Escola Latina Americana de Medicina) dedicada só a estrangeiros (conta com estudantes de 118 países, inclusive do Brasil). Há 6,4 médicos para cada 1000 pessoas. Como na Inglaterra, lá a medicina é comunitária: o médico conhece todos os seus pacientes e trata as pessoas para que não adoeçam e levem vida saudável. Em Cienfuegos, nosso companheiro de viagem teve sério problema estomacal, foi numa Clínica Internacional foi atendido e saiu de lá com a medicação que precisava, sem pagar nada.

Há, em Cuba, muitos problemas, é verdade. O bloqueio econômico e midiático, em 50 anos, comandado pelos Estados Unidos, obrigou e ainda obriga o país e a população toda a sacrifícios imensos. Mas, apesar dessa imposição internacional, ninguém pode afirmar que Cuba não tem uma das melhores medicinas e saúde pública, educação pública de qualidade e gratuita, uma música extraordinária e sorriso aberto das pessoas exibindo dentes sadios.

No Brasil, há 1,8 médicos para cada 1.000 habitantes. Na Argentina, 3,2. O programa Mais Médicos visa elevar nosso índice para 2,5 médicos para mil habitantes: um incremento de mais de 170.000 médicos, quando nossas escolas de medicina formam cerca de 18.000 médicos por ano.Nesse contexto, não é aceitável que a corporação dos médicos brasileiros não concorde que se chame médicos de outros países para os postos carentes, onde eles não querem ir. Alegam que não há infraestrutura e, sem ela, os médicos não podem trabalhar, mas não lhes importa, parece, que pessoas adoeçam durante essa espera de infraestrutura. Como é que os médicos cubanos realizam curas onde não há nada? O que é que os médicos cubanos têm, que os nossos não têm?

Leio no blog Tijolaço: “Em Portugal, médicos cubanos são um problema. Ninguém quer que eles se vão”, uma vez findo o contrato. Parece que os interesses econômicos da medicina empresarial daqui temem, exatamente, que situação semelhante, também, aqui aconteça: outro conceito de medicina seja conhecido e experimentado e comecem a exigir outra política de saúde pública no Brasil. É evidente que a indústria farmacêutica e de equipamentos, que lucra com a doença, não tem o menor interesse que a medicina preventiva, com foco na saúde, se estabeleça"

25 agosto 2013

Sobre a Justa Greve do Magistério

O Magistério gaúcho deflagrou greve a partir desta segunda-feira, dia 26/08. O motivo principal é que o governo do RS não paga o piso estipulado por lei. Concedeu aumento, é verdade, ainda não de todo efetivado, mas o piso, o básico, está bem abaixo do que diz a lei. E continuará após a concessão total do aumento. 

O problema é que o governo acha que piso é teto. Se for considerar pelo teto, claro que a maioria dos professores que trabalham 40h ganham mais do que o piso. Porém, piso é piso. É o básico, sem acréscimo de nenhuma vantagem ou gratificação. Enfim, o governo está fora da lei. E deve cumpri-la. É muito simples. Nem se precisava fazer greve. Ter que se fazer greve para se fazer cumprir a lei que deve ser naturalmente cumprida, chega a ser um absurdo kafkiano. E o governo deve ser o primeiro a cumpri-la, para dar o exemplo. Ponto final. Só esse argumento, é o suficiente. O governo gaúcho não tem argumento nenhum. Só fala besteiras e desculpas vergonhosamente esfarrapadas.

E não é só pelo pagamento do piso a greve. Há outros motivos, como a reforma do Ensino Médio, a meu ver, precipitada, mal elaborada, mal refletida e apresentada de forma autoritária, sem um verdadeiro debate com a classe dos professores, comunidade escolar e população em geral. Enfim, a greve é justa, mais do que justa. Aproveito para republicar trechos de um texto que escrevi ainda em junho, a propósito das manifestações que se espalharam pelo país:

A sociedade brasileira em geral não apoia greves. Quase sempre fica contra os grevistas e a favor dos governantes, e exige que os grevistas voltem a trabalhar e negociem sem paralisações. É que a greve não é um protesto festivo e descompromissado. A greve, quando bem feita e organizada, fere profundamente o seio da sociedade. Porque é só neste momento, no da greve, é só nesse momento que todos sentem na pele como determinada categoria trabalhadora faz falta às pessoas.

Mas então, o que ocorre? Por que quase sempre as greves não dão resultado no Brasil? Porque os governos ficam na situação cômoda de ter a sociedade a seu favor. As pessoas, sentindo-se prejudicadas com as paralisações do serviços, não são capazes de se solidarizar com as reivindicações autênticas dos grevistas, daqueles trabalhadores oprimidos pelo mecanismo injusto do sistema. Não saem para as ruas com cartazes e palavras de ordem. Não exigem que o Brasil "acorde". Não saem trancar o trânsito e invadir congressos. Assim, ao invés de pressionar os políticos, pressionam os grevistas e acabam por tirar toda a força do movimento. 

É o que tem acontecido com as greves do magistério. A hipocrisia que reina na sociedade brasileira quando o assunto é educação é gritante. Todos garantem estar a favor da educação, porém, na hora do "pega pra capar", quando a classe dos professores quer se manifestar de forma real e efetiva, não com protestos inofensivos, o que é que faz a sociedade? Indigna-se contra os professores, afirma que estão reclamando de "barriga cheia", que estão prejudicando inocentes, que são os seus filhos, que terão que recuperar aulas, e que não poderão aproveitar direito as férias de verão indo para a praia.




23 agosto 2013

Sacanagem

dizem que agora
somos mais livres...
talvez sejamos...
ou talvez sejamos
melhores manipulados

não falo só de brasileiros
falo também de universais
e do meu vizinho ao lado

mais livres
é o que parecemos
porque parecer é o tudo
na era da aparência

de que importa
que não tenhamos consciência?

o que vale é a impressão
de que podemos
escolher o sabor do pão...

o homem é uma peça presa
de uma branca engrenagem
cujo maior objetivo
é não se mostrar engrenagem

nos acharmos livres
é a maior sacanagem...

muitos não concordarão:
são livres para discordar
ou são condicionados
a dizer que o são

22 agosto 2013

Sobre a Hipocrisia

I – da História

existem escrituras apócrifas
(que não se aceita
porque são falsas)
que dizem que todos
erguendo suas calças
são hipócritas

II – do Demônio

nós não somos nós
quando o galho desfolha...
o diabo é diabo
porque não é diabo
para quem olha

III – do Lado Oculto da Lua

se nós fôssemos sempre
aquilo que somos
(e tu aquilo que és)
nós não nos olharíamos nos olhos
mas nos pisaríamos nos pés


20 agosto 2013

O Político (Ou Dos Justos Motivos de um Político)

Agora, estão dizendo que não sou honesto. Nada sabem sobre os desígnios de um grande político. Queria que os que me criticam estivessem em meu lugar. Eu também já fui um grande idealista. Em minha juventude, queria mudar, não, mais que isso, queria revolucionar minha cidade, meu Estado, minha Pátria, e, por que não? o mundo. Eu me sentia capaz das maiores realizações, dos feitos mais nobres e grandiosos, dos atos de heroísmo, do sacrifício pela nação... E eu me via, em meu magnânimo futuro, rodeado de todas as glórias, adorado pelo povo, um símbolo do que é correto, justo, enfim, um grande homem, o maior dos políticos.

Mas não pensem, meus senhores, minhas senhoras, não pensem que eu abri mão de todos esses ideais sublimes. Não, eu apenas os adaptei aos nossos tempos, às necessidades da sobrevivência. Ao contexto de nossa sociedade. De nossa civilização moderna, onde não há espaço para ingenuidades. Os ideais de um grande homem continuam vivos e ativos em meu interior, em minhas atitudes, sempre arraigadas na honra e na dignidade. Isso é que é ser honesto, honesto em manter a minha palavra de homem, qual seja, a que um dia prometeu lutar pelo bem-estar e pelo progresso do povo e da nação. Isso, eu estou certo que realizo com todos os méritos.

E nos meus discursos, qualquer um poderá comprovar a verdade intrínseca do que afirmo. Vejam, percebam como o meu verbo é forte, intenso, inflamado! Quem poderá duvidar da veracidade das minhas palavras? Quando discurso para o meu povo, eu encarno o espírito dos grandes estadistas, dos paladinos do passado, dos benfeitores da humanidade. Muitas vezes, já chorei, derramei as minhas lágrimas, lágrimas sinceras, profundas, sentidas, quando me dirigia àquelas pessoas, vendo-as ali, com os olhos brilhantes de esperança, crentes no meu poder de melhorar suas vidas. Ah, como isso é belo, como é emocionante! E eu nunca as decepcionei!

Mas agora, agora vêm esses inimigos do povo, inimigos dos batalhadores da Pátria, atirar pedras na minha vida exemplar, acusar-me de corrupção, de tráfico de influência, de crime de responsabilidade, de desvio de verbas... É como sempre digo: quem não está no poder, não sabe como deve agir quando se está no poder. Acreditam que podem ser um grande político sendo um reles santinho. Assim, serão esmagados. Devem entender, esses ingênuos, que estamos no meio de lobos. Entre feras. Já dizia o poeta que quem vive entre feras sente necessidade de também ser fera. Isso não é ser corrupto. É apenas ter consciência do lugar em que nos encontramos. Já que estou aqui e que cumpro com o meu dever, por que não? É justo que eu seja muito bem pago pelo meu serviço, que é fruto de anos, anos! de esforço, de dedicação, de reflexão sobre a vida, de criação de laços de amizade, de enfrentamento de inimigos, de sacrifícios voluntários, de dias e dias longe da família, da esposa, dos amigos, para ficar ali, em meio a homens sórdidos, raposas ardilosas, criando pactos, alianças, sabendo a hora certa de apoiar um lado ou o outro. E aí, então, depois disso, eu sou uma pessoa inconfiável? Mas o que é isso? Onde é que estamos?

Meus amigos, tudo depende do ponto de vista. O que é, por exemplo, desviar uma verba? O que é uma verba? Entendo que a verba pública, e os senhores hão de concordar comigo, é para o bem-estar do povo. Então, digamos que eu tenha  desviado alguma verba pública . Se o fiz, foi porque considero que foi para o bem-estar de todas aquelas pessoas as quais represento. Exatamente. Compreendo perfeitamente a importância da minha pessoa para a nação. Deixemos de falsa modéstia. Eu merecia ter o controle daquele dinheiro e usá-lo conforme as minhas determinações. Merecia, primeiro porque batalhei muito para estar onde estou. E cumpro as obrigações de um homem eleito pelo povo. Estou dia e noite preocupado com o bem-estar da população, com o desenvolvimento do país. O que mais desejo nesta vida é contemplar a felicidade do meu povo. E estou trabalhando para isso. E quero trabalhar ainda mais. Então, agora, entendam este ponto fundamental: para isso eu preciso de dinheiro.

Sim, eu sei que dirão que vereadores, deputados e senadores já ganham muito. Mas dizem apenas por ignorância.  Por absoluto desconhecimento das inúmeras funções e atribuições de um bom político. Nosso salário não dá para nada, no que se refere ao exercício de nossas funções. Se eu não fosse um grande político tão cheio de responsabilidades, se não necessitasse de tantos assessores, de tantas pessoas de confiança, de tantas amizades imprescindíveis para o devido desempenho do meu cargo, tudo bem, o salário seria ótimo. Porém, infelizmente, não é assim. Eu preciso comprar pessoas. Digam o que quiserem, mas é assim. Se eu não comprar pessoas, que político serei? Quem estará do meu lado? Quem apoiará minhas ideias? Quem divulgará o meu nome, as minhas promessas, as minhas inúmeras realizações? Quem alardeará para toda a nação o grande homem, o genial político que sou?

Percebam, eu precisava daquele dinheiro, daquela pequena, exígua, parcela daquela verba para continuar a realizar o bem para o povo. Foi uma necessidade que somente os grandes homens compreendem. Eu tenho que fazer favores para aqueles que me auxiliam nesta dificílima empreitada que é engrandecer a nação e tirar o povo da miséria. Ou será que não sabem que ninguém faz nada de graça? Aqueles homens e mulheres que me auxiliam, que possibilitam a minha atuação pelo povo, também necessitam da sua parte. Do seu pagamento. Claro que esse pagamento nem sempre se refere a uma soma em dinheiro. Às vezes, é alguma outra necessidade dessas pobres pessoas, tão serviçais, que dão suor e sangue pelo nosso Brasil. Eu, como o homem justo que sou, devo atender justamente às reivindicações dessa gente que vende os seus prestimosos serviços, os serviços de suas empresas, de seus jornais, de seus blogs, que vendem as suas valiosas opiniões, enfim, que vendem a si próprias! Observem o gigantismo de tamanhos sacrifícios! E isso nem sempre sai barato, naturalmente.

Claro, às vezes, apenas pedem como pagamento um empreguinho aqui, uma informaçãozinha ali, uma participaçãozinha acolá, um patrociniozinho mixuruca, enfim, essas coisas simples, nada de mais. Porém como que vou possibilitar tais coisas a essas pessoas tão úteis, que são tantas, se eu não tiver dinheiro, poder econômico, influência política? E vou tirar dinheiro de onde? Ora, claro que das verbas públicas, exatamente pelo motivo de que eu as usarei para o bem da nação, e isso é algo inquestionável, indubitável, irrebatível, conforme atestam meus argumentos. Não é um desvio de dinheiro, é um emprego inteligente de uma verba que seria desperdiçada em alguma obra desnecessária. E que depois ainda acabaria abandonada. E esse dinheiro indevidamente definido como “desviado” nem ficou em minhas mãos. Foi para quem mais necessitava: aqueles que estão sempre do meu lado (e, por conseguinte, do lado do povo), auxiliando-me na minha divina missão.

Ah, irão dizer que isso a lei não permite? Ora, os grandes homens, os gênios devem estar acima da parca lei humana. Quantos feitos grandiosos nunca teriam sido realizados se não houvesse os corajosos que enfrentam todas as leis, nem sempre justas, os padrões estabelecidos, o senso comum, que vão contra todos os preconceitos e julgamentos ofensivos? Sei que este é o meu caso. Sim, podem me classificar como um ladrão, um salafrário, um cafajeste, seja o que for, eu aceito, em nome da nação pela qual sofro e me sacrifico. A minha consciência resplandece em absoluta tranquilidade. A tranquilidade do dever cumprido.


18 agosto 2013

Jantar entre Amigos*

o Horror veio 
e jantou comigo
e em nele eram
os todos em que já não
(apesar de antipático
era meu melhor amigo)
e falamos como se insanos
entre um trago de água quente
(daquela, água ardente)
e um prato de feijão

e alguma coisa
não estava bem
(era como se um algo
me olhasse além
ou de frente)
e gritei
- oh Ser do que me era
para onde foi o teu sempre?

e agora
qual dos sete é que me é?
entre uma e outra ironia
era forte e vasto
o cheiro de café
quando uma voz
me sorriu estranha
(e o Caos me servia
outro gole de canha)

era o Horror
que me perguntava
se (r)indo:
“mas por que mesmo
amar
não está mais na moda?”

- ah, sei lá, é que...

ah, é foda!

*Poema reelaborado e republicado

16 agosto 2013

Misto-Quente, de Bukowski, o melhor romance norte-americano

Hoje, 16 de agosto, é aniversário de Henry Charles Bukowski, ou Heinrich Karl Bukowski, nascido na Alemanha em 1924, mas que viveu praticamente toda sua vida nos EUA, onde escreveu toda sua obra. Há tempos conheço a obra de Bukowski, um dos últimos escritores malditos, mas havia lido mais seus impiedosos contos e poemas. Conheci há pouco seus romances. E arrependo-me de não os ter conhecido antes. São devastadores. Principalmente Misto-Quente, o quarto dos seus seis romances. 

Não vou hesitar: Misto-Quente é o melhor romance escrito nos EUA que já li. E não li poucos. Melhor até que qualquer romance do Hemingway tomado isoladamente. Não direi que Bukowski é o maior romancista, ou o maior prosador. O maior prosador é e sempre será Edgar Allan Poe, o maior gênio nascido em terras norte-americanas. Mas o melhor romance é Misto-Quente do bêbado Bukowski. Muitos não concordarão. Estão no seu direito. E eu, no meu. 

Misto-Quente é tão bom que farei algo que nunca faço aqui no blog. Recomendá-lo. Raramente recomendo um livro sem que me peçam. Em toda recomendação, principalmente na de livros, há algo de presunção e arrogância. É como dizer: "leia o que eu li, porque o que eu leio é bom e você deverá gostar disso. Talvez o que você leia não seja tão bom..."  Recomendações são quase sempre uma chatice. Mas abrirei uma exceção e recomendarei Misto-Quente. E um dos motivos é porque nunca vi ninguém recomendando abertamente este livro.

É que o livro é foda. Um romance de formação dos mais sinceros e corajosos. Sem a mínima pena da sociedade. Não poupa nada nem ninguém. Aliás, sinceridade e coragem é o que não faltam em Bukowski. O cara diz o que tem de ser dito, sem enrolação, sem meias-palavras, sem intelectualismos, sem literatice, sem hipocrisias. Bukowski coloca no chinelo praticamente todos os aspectos da sociedade contemporânea. Principalmente, o estilo de vida americano. 

Destrói, por exemplo, a babaquice do patriotismo e da vida "correta", produtiva e consumista. Suas ironias e sarcasmos chegam à crueldade. Seu cinismo é insano. É um chute na bunda geral. E o mais importante é que, assim como Poe em seu estilo, Bukowski realmente viveu o que escreveu. Misto-Quente conta a formação do menino Henry Chinaski, ou seja, do alter-ego de Bukowski, em meio à pobreza e às injustiças da Grande Depressão americana.É quase um romance autobiográfico. E sem aquelas insuportáveis análises intelectuais pretensamente filosóficas tão comuns em alguns escritores famosos. É vida escrita. Não há espaço para teorias ou hipóteses. É o ser humano sem nenhuma máscara. O trecho a seguir não está em Misto-Quente, mas em um dos seus contos, Grite Quando se Queimar: 

"Camus falava de angústia, terror e da miserável condição humana, mas falava disso de uma forma tão cômoda e floreada... Em outras palavras, era como se tudo fosse ótimo. Camus escrevia como alguém que acabou de concluir um lauto jantar de bife com batatas e salada, e depois enxaguou com uma garrafa de bom vinho francês". 

É exatamente o que não ocorre em Misto-Quente. Bukowski sentiu na pele o que escreveu. Fosse bom ou ruim. E Bukowski não tira a máscara da humanidade. Ele a arranca com uma bofetada, estando de frente para ela.  E não bate só nos outros, também bate em si mesmo, sem piedade. Confessa sua miséria e retira a coberta da miséria dos outros. Que não gostam de se admitir miseráveis. Bukowski não é de meio-termos. Impossível ficar indiferente à sua obra. Alguns terão nojo. Finalizo com um trecho de Misto-Quente:

"Era como se meu destino fosse ser um assassino, um ladrão de banco, um santo, um estuprador, um monge, um ermitão. Precisava de um lugar isolado para me esconder. A vida das pessoas sãs, dos homens comuns, era uma estupidez pior do que a morte. Parecia não haver alternativa possível. A educação também parecia uma armadilha. O que eram médicos, advogados, cientistas? Apenas homens que tinham permitido que sua liberdade de pensamento e a capacidade de agir como indivíduos lhes fosse retirada".

15 agosto 2013

da Escolha

tu podes dar à ave
um ave!
ou um bah!
ver no ser
o absoluto todo
ou absolutamente nada:
há na moeda
uma coroa
e uma cara
e há a escolha
se escreverás
de um lado
ou de outro
da folha

só não podes julgar
que
escolhido um lado
o outro deixa
de ter estado

13 agosto 2013

e sem Ressaca

garoa de névoa
tu cais como a verdade:
um nunca inundar
para jamais vir à tona
mas em umidade constante

a alma é úmida
como a pele de um sapo
que não pode
ser ressecado:
o que há de mais chato
que uma vida certa e seca
e sem Ressaca?

almas secas
rastejam pelo claro
na segurança
de ver-se enxutas
e nulas
e nuas...

viver
é tocar o que dor
sem a segurança da luva
e reconhecendo
a probabilidade da chuva...

11 agosto 2013

Os Sextetos de Brahms e a Paixão por Agathe

Os dois sextetos para cordas que Brahms escreveu, o Op. 18 e o Op.36, são os melhores sextetos da história da música. Tudo bem, está certo que sempre sou suspeito quando falo de Brahms, mas não conheço nenhum outro sexteto que se compare aos do gênio de Hamburgo. Não entre os compositores mais conhecidos (que não fizeram muitos sextetos, diga-se de passagem) e alguns menos conhecidos. E duvido que exista algum compositor entre os que não conheço que tenha feito algo melhor que essas maravilhas de Brahms.

Os sextetos não estão entre as obras mais conhecidas do compositor, o que é uma grande injustiça. São composições com o típico lirismo carregado de Brahms. Por um lado, trazem suas características melancolia e densidade, com alguns toques trágicos entre a renúncia e o pessimismo. Por outro, são de grande força vital, ternura, colorido e sensualidade, atingindo a rústica alegria campestre em alguns pontos. Escritos para dois violinos, duas violas e dois violoncelos, exigem muita técnica dos executantes.

Difícil decidir qual gosto mais. O Sexteto n°2 talvez seja mais consistente e mais bem acabado, porém o n°1 traz melodias de intensa inspiração, sem falar que o seu andante é uma das páginas mais marcantes da obra de câmara de Brahms. Há também uma versão para piano do andante.

Composto entre 1864 e 1865, o Sexteto n°2 foi escrito após o rompimento de Brahms com Agathe von Siebold, com quem manteve uma relação apaixonada. Entende-se a paixão de Brahms por Agathe, pois conta-se que era uma mulher de grande inteligência, espírito e sensibilidade. Bem, talvez não fosse tão bela quanto a Clara Schumann (a foto acima é de Agathe). Mas nem tudo é beleza. E nem todas são a Clara. Aliás, também se conta que Clara Schumann viu Brahms e Agathe em uma cena de beijinhos e ficou puta de ciúmes.

Brahms quase se  casou com Agathe. Mas ele tinha dúvidas quanto ao casamento. Expressou-se assim: "Te amo! Necessito ver-te novamente, porém não posso me colocar ataduras. Escreva-me para dizer se posso voltar e estreitar-te em meus braços, beijar-te e dizer que te quero". Bem, dizer a uma mulher sensível que "não posso me colocar ataduras"? É óbvio, que magoada e ferida, Agathe rompeu com o Johannes e nunca mais voltaram a encontrar-se.

O que restou foi que no primeiro movimento do Sexteto n°2, os violinos executam as notas A-G-A-D-H-E, que correspondem a lá-sol-lá-re-mi-si. Brahms teria dito sobre o seu segundo sexteto: "Nesta obra, libertei-me de meu último amor". E Agathe von Siebold foi eternizada em um dos maiores sextetos de todos os tempos.

10 agosto 2013

Soneto de um Outro Tempo

não, agora que soam tempos outros
eu falarei como te sendo o ausente
ou um nada que nem sequer se sente
um vazio pelas mentes dos doutos

pesteado bicho pelos campos solto
pingo de sangue na vagina quente
a poeira de um meteoro incidente
um palavrão na boca de um louco

serás o assalto de uma velha astuta
gosto insentido de cianureto
os pedaços de carniça em disputa

a navalha que num fígado eu meto
saliva morna de um beijo de puta
e a tua presença entre meu soneto

08 agosto 2013

de Patriotismo, Justiça e Política

I

sermos patriotas?
é o que querem as patotas:
que sejamos patos
tapados
patetas

II

a justiça
age cega surda e muda
e sem nenhum alarde:
para ela
antes nunca
do que tarde

III

político
é uma palavra esdrúxula
que quando em minúscula
rima com ridículo

06 agosto 2013

de Regras, Ironia e Equilíbrio

I

para que sigam
todos na estrada
fizeram as regras
e a sinalização:
para que se conheça
o que há mais além
há que se sair do caminho
e quebrar a barreira do “não”

II

o bom da ironia
(e isso não é uma ironia)
é que ela faz graça
sem trazer alegria.

III

percebo que o mundo
está em perfeito equilíbrio:
há um lado áspero
e outro liso...
o planeta me causa choro
a humanidade me causa riso


04 agosto 2013

Fragmento Absurdo de uma Existência Futura n°3 – Aquele Sorriso Estúpido

Eles instalaram câmeras na frente da minha casa, uma delas vigiava a minha porta, outras, minhas janelas. Queriam saber como eu estava me comportando. Não bastavam as que já existiam na minha rua. Não estavam gostando do meu comportamento, diziam que estava se tornando ofensivo, absurdo, inadmissível, e que se eu continuasse rumo ao “caminho negro” acabaria por ser preso ou levado para um sanatório. Estavam desconfiados de que eu era na verdade retrógrado desaforado, um estúpido insensato que insistia em viver uma vida não “saudável”, não “luminosa”, não “feliz”. Havia regras a serem seguidas. Como eu ousava, por exemplo, não sair sorrindo nas ruas, alegre e contente?

De vez em quando, testavam-me, tiravam fotos minhas em alguns lugares públicos. Exigiam que eu posasse para as fotos. Não poderia me negar, ou seria carregado para um tribunal. Havia uma lei que proibia as pessoas de se negarem a pousar para fotos. Queriam ver se eu sorriria ou não nas fotos. Eu nunca sorria. Isso era um sinal, para eles, de que eu me considerava um infeliz. E que eu ousava, o que era o pior de tudo, a ostentar publicamente a minha infelicidade. Eu não era um infeliz. Nem um feliz. Apenas não gostava de fingir. O problema é que todos fingiam, para os outros e para si mesmos. E acreditavam fielmente nos seus próprios fingimentos.

Mas eu não fingia. Então, xingavam-me, alguns jogavam-me pedaços de objetos, lixos de todos os tipos, facilmente encontrado nas ruas imundas. Às vezes, havia uns filhos da puta mais esquentados que queriam me bater. Eu fugia, ou, não podendo, enfrentava-os. Batia e apanhava. Comecei a andar armado, carregava comigo sempre punhais e um revólver.

Eu já era quase um criminoso por não sorrir nas fotos, carregar armas não faria muita diferença. Estavam para aprovar uma lei que obrigaria as pessoas a sempre sorrir quando posassem para fotos. Eles me gritavam, quando eu não sorria: “Tu vai ver, não perde por esperar, vamos te prender, seu desgraçado!” Outra lei, também incluída no pacote a ser aprovado pelo Congresso Nacional, obrigaria todos a frequentarem academias, correrem nos parques, vestirem roupas modernas e “felizes” e a tomar suplementos vitamínicos. Tudo com o obrigatório acompanhamento médico. Fazer exercício ou comer frutas por conta própria, por exemplo, sem a supervisão médica, não seria permitido. Existia ainda uma outra lei que obrigaria as pessoas a ouvir o que chamavam de “música divertida” e assistir a algum “programa divertido” ao menos uma vez por semana. Diziam que era para o nosso próprio bem-estar físico e psíquico. Ou seja, músicas de merda e programas de merda, imbecis, idiotizantes. Para a fiscalização de tais leis, instalariam câmeras dentro de nossas casas.

Sentiam também meu cheiro de cigarro. Desconfiavam que eu fumasse em público. O que não era permitido, por lei, já há tempos. Aliás, não era permitido fumar ao ar livre. Somente dentro de nossas casas. Se fôssemos flagrados fumando ao ar livre, mesmo que dentro de nossos pátios, poderíamos ser processados por crime contra a saúde pública. Certo dia estava fumando, escondido das câmeras, na frente de minha casa. Surgiu um cara do nada, com uma espécie de porrete de madeira na mão. Gritou:

- Agora tu vai aprender a não fumar mais, espalhando essa porra de fumaça venenosa, seu monte de bosta, maldito fracassado fodido de merda, vou arrebentar tua cabeça burra e teus pulmões pretos!

- Ah, vai tomar no cu! eu disse.

Tive que matá-lo. Dois tiros no peito. Era ele ou eu. O problema é que eu não poderia alegar legítima defesa, pois estava cometendo um crime imperdoável, o de fumar ao ar livre.  Mas se o cara tivesse me matado, ele ficaria livre, afinal, ele teria agido com ética. Seria um herói.

Tive sorte de as ruas estarem deserta naquela hora. Coloquei seu cadáver no carro e levei para uma rua barrenta e imunda no fim do meu bairro, um dos lugares horríveis para onde os marginalizados eram jogados para não ofender o centro da cidade com sua miséria e feiura. A polícia praticamente nunca aparecia por lá.  A não ser quando era para espancar ou matar algum coitado ladrão de laranjas. Eles nunca prendiam as pessoas que viviam ali. O governo dizia que não valia a pena. De vez em quando, mandava a polícia ou o exército para matar alguns dos miseráveis, para evitar que se proliferassem muito. A lei permitia, e todos achavam justo, exceto os miseráveis, que, obviamente, nunca eram ouvidos.  O cadáver do cara que eu tinha matado lá seria rapidamente comido pelos cachorros famintos. Creio que até algumas pessoas cortariam alguns pedaços para assar em seus barracos.

Outra coisa que o governo obrigava as pessoas a fazer era, ao mesmo uma vez por mês, realizar, nos fóruns de justiça, uma declaração sobre o que nós pensávamos acerca do governo, da cidade, do país, da nossa vida, da civilização como um todo. Se nossas visões eram negativas, se declarávamos que haviam graves problemas com a nossa vida e com a dos outros, se ousássemos proferir que a civilização não valia coisa nenhuma, que a humanidade estava definitivamente perdida, que os governos estavam errados e eram apenas corruptos tentando levar a sua parte, que não existiam nações, mas apenas corporações sugando povos, que o planeta agonizava, enfim, se não estampássemos uma imagem de completa felicidade, satisfação e bem-estar, com tudo e com todos, de alegria e alto astral, seríamos imediatamente algemados, colocados numa camisa de força e levados para uma espécie de sanatório onde  passaríamos por um “sessão de tratamento”, que nada mais era do que uma lavagem cerebral.

Conheci várias pessoas que passaram pelo “tratamento”. Pessoas inteligentes que se tornaram completos imbecis. Legítimos bobos alegres. Eu sentia uma desolação insuportável quando os via. Alguns eram meus amigos. Tive que me afastar deles, era impossível conviver com tamanha vacuidade e babaquice.

            Eu sempre fiz um grande esforço para mentir e ser um ator convincente nas minhas declarações. Eram as únicas vezes da minha vida em que realmente fingia. Era isso ou o sanatório. Não era fácil. Eles sabiam como nos provocar, irritar, para que saíssemos do sério, indignados, e disséssemos alguma verdade indesejada. Tanto para eles quanto para mim, que seria levado, sem qualquer chance de reação, para a lavagem cerebral.

            Amanhã é o dia em que devo me apresentar naquele fórum imundo. Tenho náuseas só de pensar que deverei pisar aquelas camisinhas usadas que sempre estão jogadas na entrada do fórum. Já estou de saco cheio dessa farsa estúpida. Mas terei que continuá-la.

            Guardei o carro, limpei o sangue, e fui dar uma caminhada. As ruas fediam. Sentei em uma praça de árvores quase secas e sem pássaros. Enquanto contemplava o horizonte poluído da cidade e cantava mentalmente melodias de Brahms, surgiu uma daquelas moças imbecis que abundam nos parques. Até que era bonita. Parou, olhou-me com seus olhos vazios e, sem parar de sorrir bondosa e estupidamente um só segundo, disse:

- Moço, por que tanta tristeza, no que você está pensando? Aposto que não são coisas boas, não é mesmo? Quem sabe você levanta, dá uma volta no parque, aproveita o sol e sai pra curtir a vida? Hein?

- E tu, por que não tira esse sorriso estúpido da tua cara?

- O quê? Disse ela ainda sorrindo daquele jeito.


Eu não aguentava mais aquele sorriso idiota. Levantei-me rapidamente, agarrei de súbito o seu corpo, que era bonito, e dei um beijo na sua boca. Era a única forma de ela acabar com aquele sorriso estúpido.

02 agosto 2013

12 Dicas (Melhoradas) para ser Odiado


Hoje, um textinho de autoajuda. Ajude-se a ser odiado:

I - Seja independente. Não se prenda a nada nem a ninguém. Você será chamado de egoísta, arrogante e ressentido.

II - Pense. Isso é difícil, e quem faz coisas difíceis é odiado por inveja.

III - E cometa o delito de dizer o que pensa. De preferência, argumentando. Se souber argumentar e sustentar suas ideias, tanto maior será o ódio.

IV - Não submeta suas opiniões às opiniões dos outros. Isso é muito antipático e todos odiarão você.

V - Procure não seguir o que está na moda. Você será considerado um esnobe.

VI - Contrarie os gostos populares, rejeitando e/ou questionando tudo o que for considerado bom pelo povo em geral. Isso é insuportável.

VII - Desenvolva uma personalidade forte, firme e corajosa. Ninguém gosta de pessoas assim.

VIII - Jamais adule, ou puxe o saco, ou se venda. Os outros pensarão: “Mas que merda, como que esse filho da puta consegue resistir?”

IX - Procure dizer a verdade sobre aquilo que nos cerca. Se der, ironize, para doer um pouquinho mais. A ironia desperta o ódio mais profundo do ironizado porque é um deboche contra o qual não se pode reagir. Se se reage, é porque serviu o chapéu.

X - Julgue o que for medíocre como sendo o que é: medíocre. Ninguém gosta de ser medíocre, e ninguém acha que é. Mas a maioria das pessoas é medíocre, ou seja, as pessoas são médias, nem realmente boas nem totalmente ruins no que fazem. Se bem que há muitos totalmente ruins.

XI - Tenha talento em alguma coisa. Ou o desenvolva, se der. E quanto mais talento tiver, maior será o ódio. O talento é imperdoável.

XII - Por fim, faça algumas coisas que os outros não aprovam que você faça. Se fizer de forma espontânea, tanto melhor. Mas fazer por gosto de vez em quando também é foda.

(Na imagem, detalhe do quadro "Os Sete Pecados Capitais", (A Ira) de Hieronymus Bosch.)