Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



31 outubro 2014

Desmatamento, Seca e o Fim da Água

Já escrevi aqui sobre a relação direta entre desmatamento e seca. Agora, um estudo do cientista Antônio Nobre (mesmo nome do grande poeta português) do INPE indica que o desmatamento na Amazônia é responsável não só por secas na região, mas em todo o país. Claro que não só isso, muitos fatores entrariam nas causas da estiagem, como a falta de conscientização da população e a incompetência dos governos (como no caso da seca em São Paulo). Mas é ostensível que o desmatamento de florestas tropicais causa acentuada redução das chuvas, entre outras alterações climáticas graves.

"O pesquisador Antônio Nobre, do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST), braço do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) analisou mais de 200 artigos científicos sobre a Amazônia e sua relação com o clima e as chuvas no Brasil, e concluiu que o desmatamento dessa região influencia a falta de água sentida nas regiões mais populosas do país, incluindo o Sudeste.


A diminuição da quantidade de árvores no bioma impede o fluxo de umidade entre o Norte e o Sul do país, aponta o estudo divulgado nesta quinta-feira (30).

O relatório “O Futuro Climático da Amazônia”, encomendado pela Articulação Regional Amazônia, rede composta por várias associações sul-americanas, tenta explicar as possíveis causas e efeitos da bagunça climática recente e apresenta soluções que minimizariam os impactos negativos dessas alterações.


De acordo com o pesquisador, a falta de precipitação, sentida principalmente no Sudeste, em especial no estado de São Paulo, seria consequência indireta do desflorestamento amazônico. Desde o início da década de 1970 até 2013, a exploração madeireira e o desmatamento gradual retiraram do bioma 762.979 km² de floresta, área equivalente a duas Alemanhas. Os dados referem-se ao desmate total (chamado de corte raso)."
  Fonte: clique aquiEm 2009, escrevi o poema abaixo. Agora, reelaborado, republico:

Águas do Fim

águas em marcha
fúnebre
águas de março
raso
em ocaso
águas alvas
brancas
águas claras
de espuma: de ter gente
águas belas...
águas plásticas
águas sólidas
chuvas ácidas
gotas trágicas
terras áridas

a humanidade
e a água:
esvaziada
perdida
acabada
e o que tu fazes?
fezes,
sem mágica...
e que água que resta?
a Lágrima.

28 outubro 2014

Há Algo a ser Temido

as pessoas
não sabem o que temem
mas sentem que temem algo
e que há algo a ser temido...

e quando sabem
ou quando dizem que não temem
é porque não sabem
que não sabem
ou não sabem o porquê
de temer o que é temido
em secreto de si
em segredo dos outros

tememos aquilo
que julgamos acima de nós
aquilo com que não podemos
aquilo de que não sabemos

em todo olhar que olho
há um temor oculto
uma sombra não-vista
um vago receio...

e isso que a Tempestade
ainda nem veio

26 outubro 2014

do Ato de Ser Odiado

ser odiado
e durante o almoço
pôr o garfo na ferida
é o ato mais difícil
desta vida

ser odiado
como quem ousa
sair do trilho
e pôr em frente
a todos
(inclusive a si)
a verdade de um espelho
e mostrar que não há dentes
para a crueza do milho

ser odiado
dizer a quem ama
que em geral este amor
vai pouco além
de prazer na cama
e lembrar que ele morre
assim como anoitece o dia
adoece o corpo
envelhece a pele
e a alegria

lembrar-lhes que a realidade
asfixia qualquer utopia

ser odiado
lembrar-lhes que os finais vêm
e um outro algo
ainda mais além
e que tudo passa e se degenera
sejam gregos sejam romanos
lembrar-lhes que cavalga a morte
no temporal dos anos
e que a bela
se torna velha

ser odiado
mostrar ao menos um sinal
que quem pensa
o melhor de si ou de todos
não sabe
do próprio mal

dar a César o que é de César
e a Bruto o que é de Bruto:
seja odiado
seja justo

24 outubro 2014

Quer Propostas? Vai na Tumelero.


Impressiona, e assusta, o fato de o candidato Sartori não ter absolutamente nenhuma proposta nova e concreta, e qualquer um percebe.  É um oceano de vazio, de fuga e de enrolação. Tudo ele vai analisar depois que ser governador. Vai ficar 4 anos analisando? 

O problema é que muitos eleitores estão tão cegos pelo desejo de mudança mecânico (às vezes somente pela "onda", pelo condicionamento de que só se muda votando em outro, sem nem ao menos saber o que exatamente mudará com a entrada de Sartori, ou se essa mudança será para melhor) que irão votar no candidato de propaganda mais "bonitinha", no "bom-moço", naquele cara "simpático", que não "briga", não discute, não DEBATE. Ou seja, estão votando numa jogada de marketing, não em novas propostas. E nem é em um partido novo que estão votando, é no velho PMDB de sempre, o partido melancia, sem personalidade, sem ideologias, que em Brasília apoia Dilma e aqui apoia Aécio. Estão votando no velho PMDB, que já foi governo várias vezes no RS e não melhorou o estado em nada, que sucateou a educação, que oprimiu os servidores, que endividou o estado e relegou as questões sociais a segundo plano.

Já ouvi eleitores comentarem: "melhor não ter propostas do que ter e não cumprir", querendo dizer que o Tarso prometeu e não cumpriu na última eleição. Como assim? Melhor não ter propostas? Que tipo de eleitor é esse? Vai cobrar o quê depois que seu candidato se eleger? E é óbvio que nenhum candidato cumpre todas as suas promessas. NENHUM. O Tarso cumpriu muitas e outras não, ficou devendo. Agora, ele tendo propostas, pode-se cobrá-lo. Não tendo, de que argumentos nos valeremos depois das eleições? Ah, Sartori, votei em ti devido àquela proposta... Peraí, qual???

Mas seja como for, parece que o tombo do Sartori no debate de ontem foi mais feio que "tombo de porco em PISO molhado.


22 outubro 2014

Dia 20 de Outubro foi o Dia do Poeta. Nada a Comemorar.


É, nada. Num mundo cuja humanidade é cada vez menos humana, cada vez mais robótica, mecânica e desprovida de senso crítico e de sensibilidade, a poesia aos vai ocupando um lugar cada vez mais restrito. Deixo dois poemas abaixo que abordam essa temática. Antes, um trecho de Mário Pederneiras:

"É minha poesia que me isola do rastejo vulgar de toda gente...
Na sua estranha calma é que minha Alma se eleva
E purifica."

o homem que não muda

com a muda
de árvore
nas mãos miúdas
espera o homem
(que nunca muda)
mudar o mundo

o homem que não-muda
entre a merda e o medo

e a poesia muda
como quem observa
um morto
como sendo grave
a poesia em silêncio
como sendo árvore


Adeus, Poesia

I
adeus, Poesia

não vês
que o fim te bate a porta?
só os raros ainda vivos
não pensam
que tu estás morta

II
Poesia
não serves para nada
sempre foste muito
para ser (f)útil

sábia demais
para os sermões

e alta
entre os anões

 III
da tua última carta
mais ninguém
abrirá o selo.
melhor assim...
o que verdade
(agora)
antes morrer
do que dizê-lo

IV
adeus, Poesia
abandonas o mundo
para ir com a alma
que abandona os homens

e isto ficará escrito
em sangue
e espírito

21 outubro 2014

Sartori quer que professores comprem seu piso na Tumelero. Vai criar o Cartão Sartori.


Assistindo ao vídeo abaixo postado, deparamo-nos com uma pérola daquelas monumentais, estilo Heinze, ou seja, digna de figurar nos anais da política brasileira. O sr. Sartori do PMDB proferiu uma declaração de dar inveja a Bolsonaros, Malafaias e Felicianos, Fidelixes da vida, enfim, toda essa gente boa, gente que presta, os seres superiores do nosso país, dos quais muito me orgulho: 

"Eu fui lá no CPERS e não assinei o documento exigindo o compromisso de pagar ooooooo... (como que é?...) o piso! Sim, o piso eu vou lá no Tumelero e eles te dão um piso melhor (risos) ali tem piso bom."

Eu acho uma ótima ideia do candidato Sartori. Absolutamente original. Vou votar nele. Mas claro, ele tem que criar o Cartão de Descontos Sartori Cumelero, digo, Tumelero, para que possam não só os professores, mas todos os servidores do estado, comprar com desconto nas lojas Tumelero. Pisos com desconto, tubos com desconto, canos com desconto, brocas com desconto. Bem, não sei o que faria com esses tubos, canos, brocas... Talvez o Sartori tivesse um melhor uso para eles, poderia, por exemplo, pôr na sua porta, no seu ralo do banheiro, bom, isso é com ele. 

É de homens assim que o RS precisa. Sinceros, francos, inteligentes, bons-moços, pacíficos, que não gostam de discussões, de debates, que não prometem o que não irão cumprir. Não sei se o Sartori conseguirá ser melhor que o magnífico Rigotto, outro bom-moço do PMDB, em cujo governo deu para o magistério os titânicos, estratosféricos, cósmicos 19% de aumento em 4 anos e obteve o recorde inesquecível de não chamar ninguém no único concurso para a área que promoveu. Mesmo assim, voto no Sartori. Um "sarto" para a mudança!

Assista ao fantástico vídeo aqui.

20 outubro 2014

Alfredo Bosi, um dos maiores mestres da Literatura Brasileira, NÃO vota em Aécio. Eu também não.

No primeiro turno votei em Luciana Genro, candidata de coragem e de rara inteligência. No segundo, voto em Dilma. Existem três partidos que jamais votarei, por representarem claramente, a partir de suas bases e origens, os interesses das elites, dos mais abastados, dos defensores do autoritarismo e da ditadura militar... São eles: PP, DEM e PSDB. O governo do PSDB de Fernando Henrique, foi, na área da educação, por exemplo, um oceano de absolutamente nada. Aqui no RS, o PSDB de Yeda foi um dos piores governos gaúchos dos últimos tempos, sendo um verdadeiro inferno para os servidores públicos e de uma negligência total nas questões sociais. 

Por isso, e por vários outros motivos, não voto no playboy almofadinha do Aécio Neves. Estou, por exemplo, com um dos maiores estudiosos, críticos e historiadores da Literatura Brasileira: Alfredo Bosi. 
Bosi deixa seus motivos (retirados daqui):

O professor Alfredo Bosi, autor de clássicos como “A Dialética da Colonização”, “Ideologia e Contra Ideologia”, e o best-seller “História Concisa da Literatura Brasileira”, além de editor da publicação “Estudos Avançados”, do Instituto de Estudos Avançados, da USP, formulou onze motivos para votar em Dilma:

POR QUE VOTO EM DILMA PARA PRESIDENTE:
– Porque Dilma já destinou 75% dos recursos do pré-sal para a Educação

- Porque Dilma já destinou 25% dos recursos do pré-sal para a Saúde

- Porque Dilma está desativando o programa de construção de usinas nucleares

- Porque Dilma cuidou do setor energético para impedir um novo apagão

- Porque , apesar das dificuldades econômicas, Dilma aumentou o número de empregos formais e está evitando os males do desemprego

- Porque Dilma criou o programa Mais Médicos, que já está atendendo cerca de 50 milhões de cidadãos, a maioria de baixa renda

- Porque Dilma apoiou grandes programas de acesso de milhões de jovens aos cursos superiores

- Porque Dilma manteve o programa Bolsa Família e criou o projeto Minha Casa Minha Vida

- Porque a política internacional do seu governo é corajosa, independente, amiga da paz e aberta aos países em desenvolvimento e aos subdesenvolvidos.

- Porque a sua personalidade é firme, coerente e equilibrada, como se espera de uma presidente da República.

- Porque Dilma respeita a liberdade de imprensa.

Alfredo Bosi
(Professor Emérito de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo - USP)

Aliás, praticamente toda a USP está com a Dilma, como se pode conferir aqui.

Outra questão importante de comparação é a da questão ambiental. Retiro as informações do site Ponto e Contraponto:

"Enquanto em oito anos de governo FHC o desmatamento cresceu 45%, em sete anos de governo Lula houve redução de 66%. Os números são gritantes e mostram como as políticas dos dois governos em relação ao meio-ambiente são absolutamente diferentes, uma eficiente a outra não." E os índices de desmatamento no governo Dilma é o menor da história brasileira, conforme demonstra os gráfico abaixo:



Ainda há outros pontos e questões para se comparar entre os governos PT e PSDB:

Risco Brasil: FHC 2.700 pontos – LULA 200 pontos

Salário Mínimo: FHC 78 dólares – LULA 210 dólares

Dólar: FHC R$ 3,00 – LULA R$ 1,78
Dívida FMI: FHC Não mexeu – LULA Pagou e emprestou
Indústria naval: FHC Não mexeu – LULA Reconstruiu
Universidades Federais Novas: FHC Nenhuma – LULA 10
Extensões Universitárias: FHC Nenhuma – LULA 45
Escolas Técnicas: FHC Nenhuma – LULA 214
Valores e Reservas do Tesouro Nacional: FHC -185 Bilhões de Dólares Negativos – LULA 230 Bilhões de Dólares Positivos
Créditos para o povo/PIB: FHC 14% – LULA 34%
Estradas de Ferro: FHC Nenhuma – LULA 3 em andamento
Estradas Rodoviárias: FHC 90% danificadas – LULA 70% recuperadas
Industria Automobilística: FHC Em baixa, 20% – LULA Em alta, 30%
Crises internacionais: FHC 4, arrasando o país – LULA Nenhuma, pelas reservas acumuladas
Cambio: FHC Fixo, estourando o Tesouro Nacional – LULA Flutuante: com
ligeiras intervenções do Banco Central

Taxas de Juros SELIC: FHC 27% – LULA 11%
Mobilidade Social: FHC 2 milhões de pessoas saíram da linha de pobreza -
LULA 23 milhões de pessoas saíram da linha de pobreza

Empregos: FHC 780 mil – LULA 11 milhões
Investimentos em infraestrutura: FHC Nenhum – LULA 504 Bilhões de reais
previstos até 2010

Mercado internacional: FHC Brasil sem crédito – LULA Brasil reconhecido
como investment grade.
Eu ainda pensei em incluir nesta postagem a atuação CONTRA O POVO de Aécio Neves quando foi deputado federal. Mas ficaria extensa em demasia esta postagem, já extensa. Fica para outra ocasião.

17 outubro 2014

ao Arcanjo Samael*

Tu, que há vastos dias cósmicos
alcançaste ser teu Ser
sem tecer o teu si mesmo
e agora estás na glória das batalhas...

que ergues a chave do abismo
levantas tua Força em verbo
sublimas teu olho em flamas
e triunfas no sangue das espadas...

Tu, que empunhas sol e morte,
massacras temor e medo,
enfrentas o tempo e o mundo,
e és em todas as sendas das estradas...

que pulsas entre a tormenta,
assomas entre Beethoven,
assombras no som das almas
e te ergues entre as marchas infindadas...

ouve a sombra da minha arte,
ó Tu, Deus Marte!

(Na imagem, o quadro "Marte e Vênus", de Gerard de Lairesse.)
El mundo, a juzgar por lo que creían los antiguos, está gobernado por siete causas secundarias, como las llama Trithemo, y son las fuerzas universales, por el nombre plural de Elohim, los dioses. Estas fuerzas análogas y contrarias entre sí, producen el equilibrio por sus contrastes y regulan el movimiento de las esferas:

Michael, Gabriel, Raphael, Anael, Samael, Zadkiel y Oriphiel." 

Eliphas Levi

15 outubro 2014

Reflexão Rítmica e Rápida sobre o Destino

o decurso dos destinos
as delongas das demoras
os despistes das desgraças
a desforra das derrotas
o descuido das demências
os dizeres dos distantes
o deságue dos desejos
o divino dos desígnios

13 outubro 2014

da Verdade Nenhuma

todos dizem:
“as pessoas devem conhecer
a verdade”.
melhor seria se dissessem:
“as pessoas devem conhecer
aquilo que eu acho
que é a verdade”.
ou ainda:
“as pessoas devem conhecer
aquilo que eu quero
que seja a verdade”.

é interessante
como as pessoas admitem
que não sabem tudo
mas estão certos
de que sabem a verdade...

todos têm a verdade
como sua área de conhecimento
todos estão certos de que estão certos
todos creem que têm toda a razão
na razão que têm

mas
por que a verdade
(também e além)
não pode ser o oposto
do que é para ti?
o que garante a tua garantia?

o lado para o qual foste
era o lado da verdade?
os teus caminhos
te levaram até a verdade?
as tuas preferências
preferiram a verdade?
os teus gostos
gostaram da verdade?
só os teus aprendizados
aprenderam algo?

e todos os outros
que fizeram o oposto
não têm verdade alguma?

talvez a verdade
seja um todo disperso
que está ao mesmo tempo em tudo
mas as partes desse tudo
não sabem de verdade nenhuma


10 outubro 2014

Dois Dentes de Esperança

I

hoje
tudo é comprado
(até virgindades)
e tudo é vendido
há até
quem venda esperanças
(e até virgindades)
aos olhos vendados
do povo fodido

II

quem crava seus dentes
nas veias cavas macias
das nações indefesas?
o lucro vampírico
(de chupacabras)
das grandes
em
presas


07 outubro 2014

de Força e Ser

I

se há um Deus(es)
ou não
(seja o que/como/quando/onde...)
não vem agora ao caso
nem é essa a questão...
seja como for
Ele(s) está
onde os covardes não estão

II

ter força
não é tentar a tudo forçar
mas a tudo poder não temer

III

o melhor
é ser temido
ou ser amado?
nenhum.
o melhor é apenas Ser
pois Ser
quase ninguém é:
raros se conhecem
a ponto de ser seu Ser

(Na imagem, o quadro "Perseu e Andrômeda" de Joachim Wtewael)