14 dezembro 2017

Para Sophie

todos os computadores notebooks celulares 
todos os aviões foguetes helicópteros 
todos as naves satélites estações 
todos os porsches ferraris bmws
todos os microscópios autômatos robôs
e todas as quinquilharias tecnológicas
com que esta civilização vazia
possa ainda atulhar o mundo
tudo isso
não passa de absolutamente nada
e jamais alcançará a trilionésima parte
da vida que pulsa no olhar da minha gata

11 dezembro 2017

Destino

a minha parte do que é
é a que estará depois do que já não estiver:
tenho a última máxima extrema
como o canto de um cavalo
que se levantasse ensanguentado
nos horizontes de outro planeta

o meu objetivo será alcançado
quando se tiver tornado vento
e se transtornado em tornado de pó

e nas (re)voltas e retornos do tempo
entre os pedaços do meu pleno fracasso...

do ser: um raio romperá
o limiar da consciência
do cosmos: uma garra
rasgará o destino do espaço

09 dezembro 2017

Eu Confesso

confesso que não presto
que não estou no que me esperam
que não sou pelo que é certo:
não sou homem de bem
sou homem de mal

confesso que não faço
confesso que nem tento
essa coisa de progresso
de construir carreira sólida
de me assegurar para a velhice
de me ser reconhecido
e coisas e tal

confesso minha angústia
admito que ainda sinto
que não tornei-me “descolado”
que não fingi felicidade
ou mentiras de alto-astral

mas confesso que me finjo
que me bebo escracho e minto
a suportar o insuportável
da convivência entre gentes
e a necessidade social

e confesso que escrevo:
escrever é isso
e ponto final

06 dezembro 2017

Dignidade

começa a ser um grande homem
quem não reconhece como grande
os que se acham grandes

só os fortes
não ficam do lado dos mais fortes:
a força está
em não se dobrar à força
há poder
em quem não se curva ao poder

de modo
que não convém a um poeta
estar do lado dos ricos

04 dezembro 2017

Aos Otimistas

I - os otimistas
dizem que a vida
assim como é vista
nem é tão pouca
e que a humanidade
apesar do que há-de
não é tão louca
para sair dos seus trilhos

mas é a isso que me refiro:
o meu pessimismo está no fato
de que acham que essa vida é tanto
que me encho de espanto
e que a humanidade
não sairá desses trilhos
que a levam ao abismo

II - o meu pessimismo 
não é um desejo de Fim:
é um desejo de Novo
algo semelhante-análogo
ao que o planeta viu
lá nos tempos áureos
após o fim dos dinossauros

02 dezembro 2017

Sobre o Sangue

construí meu verso sobre o sangue
era tudo que me restava
derramado duro pela terra aberta
coagulado seco pelo pó da enxada
que deserticamente escorre

construí meu verso sobre o sangue
era uma força que me obrigava
de água morta derramada escura
sangue visco-negro pela areia
que poluidamente escorre

construí meu verso sobre o sangue
era um destino que me amaldiçoava
de seiva-lágrima em derramada queda
verde sangue de imensidão tombada
que devastadamente escorre

construí meu verso sobre o sangue
era todo um cosmos que me massacrava
do guará atropelado ao horizonte
sangue vivo-lago derramado das estradas
que extintamente escorre

construí meu verso sobre o sangue
era o meu sangue o que continuava...

30 novembro 2017

Adagietto para Brahms

a vós que sois
a voz de sóis 
e a vós que a sós
das sombras sons
que assombros são 
e assombrações

27 novembro 2017

Não-Mensagem

quando digo o que digo
não há alguma coisa dita
não me procure razões
naquilo que nem me soube
não me procure lições
naquilo que nem me sonha 
ainda que se diga coisa alguma
tudo do que é humano
permanecerá sendo o que nunca foi
pela miséria de coisa nenhuma

que este verso não seja nada
uma realidade fora além inexistente
distante de tudo o que é
(como se fosse...)
nem dito para
nem feito por
(seja lá o que for)
por que aqui alguma verdade
alguma filosofia alguma fé 
no que nem é?

não procure aqui uma mensagem
não queira saber se estou certo
há tanto outro tanto
eu mesmo sou outra imagem
do que nunca nem me vi
então que isso não passe
de um canto sem letra
ou de um cansaço que se lança
pelo lago alado do ar
pelo lado amargo da dança

deixa este verso bem longe
de tudo que se aproxima 
da vida
isso é só um aumento da dosagem
um longe rubro no horizonte 
não passa de passagem
ao lá do que me esconde
e deixo aqui minha alma
abismada
mas erguida

25 novembro 2017

do Gênio

sempre é pior do que dizem
sempre há mais do que é dito:
a humanidade tem por princípio e precipício 
não saber
ou não deixar que se saiba

governo empresas trabalho
são apenas controle:
controlar é decidir
o que se pode saber

o que é o povo
além de ignorância agradada?
para que o povo não saiba
o que não pode
às vezes 
se passa a mão na sua cabeça
e dá-se um leitinho quente
para que ele durma e sonhe 
enquanto range os dentes

o que é o gênio
além de develador de verdades
seja em letra em nota em cor?

gênio é saber que há mais
onde não se suspeita de nada
e extrair desse nada 
o que há de mais
ser gênio
não é ser grande 
na humanidade:
é NÃO ser a humanidade

22 novembro 2017

Riso

I - o bom da ironia
(e isso não é uma ironia)
é que ela faz graça
sem trazer alegria

II - percebo que o mundo
está em perfeito equilíbrio:
há um lado áspero
e outro liso...
o planeta me causa choro
a humanidade me causa riso

III - poeta é aceitar a curvatura do espinho
para não ter que praticar 
a curvatura da espinha

20 novembro 2017

Há Música

a música é um mistério
(mas só quando sendo música)
e como tal não se pode
podê-lo ou sabê-lo

há princípio precipício
a sete notas acima na escala
ou sete palmos abaixo na terra
ou qualquer além que seja a mais 
verbo não-verbalizado
sem (des)entendimentos
equivocados:
é o que se é
para cada ser que o seja

à música
não há necessidade de selo
ela não se carta
não se mensagem:
quem ouve é que deve sê-la
e só a si cabe o vale
quer seja um algo ou um vago

ainda que a música
diga dizeres
não se pode dizer
que foi sendo como dito.
o que vale é o que som
infinital e arquetípico
absoluto
desanalítico

desde o canto do galo
ao galopar do cavalo
é um elevado alto
escrito de não-dizer
que é mister misteriá-lo

18 novembro 2017

Trump e Bolsonaro: Dois Palhaços

Para mim, o pior crime que a humanidade pode cometer é causar a extinção de uma espécie. Tenho um desprezo absoluto por idiotas que apreciam matar animais em vias de extinção. Eu já considerava esse abostado doTrump um completo imbecil, um porco da ganância, capacho rastejante do que há de pior no capitalismo.

Agora, com seu decreto que permite nos EUA a ostentação ridícula de "troféus" de caça, para agradar seus filhinhos de papai tão imbecis quanto ele, minha abominação por esse palhaço atingiu o grau máximo. 


A população de elefantes está diminuindo drasticamente. DEZENAS DE MILHARES desses majestosos, inocentes e sensíveis animais são massacrados com requintes de crueldade todos os anos por caçadores legais e ilegais, tudo para levar e vender, para outros idiotas, riquinhos do capitalismo,  seus "trofeuzinhos de caça" , como o marfim. E agora esse palhaço do Trump pretendia liberar aquilo que Obama havia proibido. Felizmente, a pressão sobre mais essa decisão desastrosa desse presidente de merda foi enorme, inclusive vinda do próprio Partido Republicano, e Trump voltou atrás. Pelo menos por enquanto.

Muito bem disse o Robert De Niro, quando afirmou que "gostaria de socar a sua cara", referindo-se ao filho da puta do Trump.


E, sim, eu não vou deixar de lembrar que o outro imbecil, o outro palhaço, o Bolsonaro, há pouco, foi lá nos EUA fazer suas patetadas de costume, puxar o saco do Trump, baixar as calças e mostrar seu rabo para o "chefinho", lamber suas botas, e passar por mais outro papel de ridículo, como já é seu hábito. Depois ainda vem posar de patriota, e os trouxas caem, aos montes, na sua conversa de fanfarrão demagogo. E esse retardado completo, pior que o Temer, ainda pode vir a ser presidente do Brasil.

Os idiotas estão no poder, e o mundo está definitivamente perdido.


15 novembro 2017

Carniça

“confia nos homens 
e em sua justiça...” 

dizia-me um mísero 
catando seu dízimo 
em meio à imundícia 

dizia-me um “justo” 
fazendo seu busto 
em meio à cobiça 

dizia-me um “santo” 
babando seu canto 
em meio à malícia 

“espera dos homens 
só sua carniça...” 

dizia-me um Corvo 
na carne de um morto 
fazendo justiça