19 janeiro 2018

Eu sou Doente

a maneira dos que controlam a sociedade
poder controlar aquilo que não controlam
é determinar tudo que foge ao controle
como doença:
se eu bebo além do social, eu sou doente
se eu fumo, eu sou doente
se eu não como o que é propagandeado
que deve ser comido, eu sou doente
se eu não ando de acordo com o padrão estabelecido
eu sou doente
se eu não faço exames regulares com um médico
eu sou doente
se não me interessa ser alguém 
com um bom emprego e bem sucedido
eu sou doente (mental)
se eu tenho pensamentos gostos e comportamentos incomuns
eu sou doente (mental) 
se eu não seguir a regra geral
de estudar se formar trabalhar
constituir família
ser um pilar da sociedade
ter boa casa bom carro
acumular bens
e morrer
eu serei doente (total)
enfim
se eu não me sentir vitorioso feliz alto astral sorridente
eu sou doente

para eles
eu só não serei doente
se eu estiver morto como eles

17 janeiro 2018

Sobremortos

I - na vida temos a ilusão da escolha
mas tudo nos é imposto:
desde os impostos
até nossos postos
até nossos gostos

II – porque nossa vida está condicionada de uma maneira
que não haja maneira de haver vida
e de tal forma
que não se saia da fôrma

III – viver tornou-se apenas sobre:
sobretudo uma sobrevida
de sobremortos
na busca de um sem sentido
sobrenada

15 janeiro 2018

O Mal sou Eu

se eu escrever otimismos e autoajudas
não terei escrito coisa nenhuma
se eu disser que passarei a mão na cabeça do leitor
nem terei sido escritor
literatura não se faz com sorrisos e gestos de coraçãozinho
não se escreve sob céu azul
não se pensa sobre a vida assistindo a comédias românticas
literatura é o incômodo o soco no estômago
o ácido do limão o punhal revirando a ferida
a provocação para que se reaja

quero literatura que não me iluda com esperanças
mas que me jogue na cara a minha merda
que não me fale do meu sucesso ou qualidades
mas que me escancare meu verme e arranque minha máscara
a humanidade caminha para o abismo
porque ninguém quer enxergar o seu abismo particular
as pessoas reprimem sua dor suas debilidades seus erros
ao invés de aprender com eles

a literatura tem que me mostrar que o mal do mundo sou eu
que não é o meu vizinho mas sou eu quem destrói o planeta
quero literatura que me diga que estou morto
para que eu perceba que não vivo

13 janeiro 2018

Abaixo de Tempestades

I - o sofrimento dos animais me condói mais 
que o sofrimento dos humanos adultos
porque os humanos em geral
sabem da culpa que têm (seja no que for),
os animais não só não sabem
como não a têm.

II
- se necessito ouvir verdades
me vou à beira dos banhados
sentar atento junto aos sapos
por entre a lentidão dos cágados
e só abaixo de tempestades
se necessito ouvir verdades

III
- alguém me colocou em meu devido lugar:
foram as minhas gatas
elas vivem a vida delas em plenitude
sem precisar que alguém lhes diga coisa alguma.
a vida... e eu mal sei que tenho uma

11 janeiro 2018

Beiras de Abismo

você sabe quantos metros de suas próprias tripas
um compositor um escritor um poeta um pintor teve que arrancar
para conseguir criar a sua obra?
mas esta atual civilização de bosta
só reconhece o intérprete e ignora o criador:
é que o intérprete é quem aparece

não te importas com quanta solidão e amargura
quanta angústia e lama na cara
quanta ansiedade e noites em claro
quanto desespero e passos na merda
quanta beira de abismo
quanto suicídio
foram necessários para quem criou
a obra que tu vês como bela

só te importa a aparência



09 janeiro 2018

Eu Não sei Dançar

não tenho  nenhum talento  para ir mostrar que tenho algum talento
não consigo me relacionar com as pessoas 
para dizer que faço alguma coisa
ou mendigar admiração
não tenho o dom das relações públicas
não tenho a habilidade de entrar em contato para me divulgar
sou um orgulhoso fechado antipático: detesto pedir favores
não consigo exibir sorrisos e ser legal
para que as pessoas gostem de mim
não tenho o jogo de cintura nem a flexibilidade
para me inserir nos meios sócio-culturais
jamais faria alguma concessão para ser aceito
não consigo me enfiar no meio de onde estão os outros
não sei sair do que sou e não ser eu.

eu só escrevo. e deu.

07 janeiro 2018

A Quinta Sinfonia de Beethoven

nas quatro notas iniciais
da 5º Sinfonia de Beethoven
(o famoso "tan tan tan taaannnn")
há uma verdade
e essa verdade é única e intransferível
de cada um que a sinta.
há uma verdade em toda outra grande música
ou mesmo em uma música nem tão grande
e há verdade no "Fausto" de Goethe
e há verdade na "Mona Lisa" de Da Vinci
verdades que não se impõem
mas que nos falam direto ao coração
sem necessitar do labirinto da mente

a verdade que há nas artes
é a mais verdadeira das verdades
porque permite ao homem ser verdadeiro
e não forçado a aceitar verdades
e nem obrigado a transmitir verdades

a verdade que há nas artes
é a que está no ser de cada ser

06 janeiro 2018

Soneto a Schubert

surgiste dos solares das auroras
já pronto para ocasos iminentes
anoiteceu em tudo o que tu sentes
e cavalos galopam tuas horas

um sonho de mais vida te devora
que é o oposto de sublime ir em frente
há um alto nos avisos que pressentes
segredos que ameaçam ao ir embora

que deus que morre em teu gênio profético?
quem é que escuta teus sopros fatais?
que traz de oculto teu cântico hermético?

as fúnebres marchas são teus sinais...
quem me dera um catastrófico épico
para entender-te os anúncios finais

(No vídeo, o 2ª movimento da Sonata para Piano nº20 de Schubert, com Alfred Brendel ao piano.)

03 janeiro 2018

Trombeta

a céu que não descia
pairava um mas
aquém do verde negro
loucura em vão
um álcool lento a lento
do que mais fiz
um vento em som de adeus
do que não vou
caída aquela estrela
quando me vi
desejo insana a vida
fracasso e luz
sangrar venena a rosa
tristeza o sim
a noite sinto em ser
o que não sou

01 janeiro 2018

Novos-Anos

nos Anos-Novos as pessoas falam em mudanças
mas durante os Novos-Anos
fazem o que estão certas
que devem fazer:
não há mudança
se não se põe em dúvida o que se faz.
sempre achamos
que devemos fazer as mesmas coisas
e que somos o que fazemos
e que cumprimos nossos deveres
e os deveres são sempre os mesmos
e cumpridos sempre da mesma forma

mudança seria
admitir que não mudaremos 
que cometeremos os mesmos erros
que continuaremos hipócritas 
e que cultivaremos as aparências

ninguém nunca se questiona nada
e no fim das contas
o banquete de virada
sempre termina em marmelada

29 dezembro 2017

Imagem Criada Após uma Melodia de Brahms

imagem que vejo o que tu não foste 
em teu não-ser é que estou: 
a felicide é o que imagino 
no que não posso ver em ti 
sou-me no reflexo de mim 
que reflexiono em tua ausência: 
tu só podes ser 
se te sinto na minha consciência  

imagem que vejo o que te projeto 
o meu sonho é o real que tu não és 
 eu que sinto o teu além-sentir 
e tu vives por sentires em mim 
e tu sonhas quando vivo em ti 
sou rio quando povoo a tua ausência 
tu só podes ser 
se eu te sou a tua essência 

imagem que vejo o que desejo 
há outro mundo em ti que não habitas: 
sou eu que astro o teu éter 
eu que violino o teu canto 
uma lágrima ao que em ti silência 
imagem do meu alto 
a minha alma 
compensa a tua ausência

27 dezembro 2017

Frio

fazia geada fora
e dentro de mim...
isso foi há séculos
agora sou frio.

mas há séculos
passei pela floresta
e na floresta havia um rio
e no rio uma cachoeira
e ao lado uma grande pedra
e sobre a pedra caía ao eterno
um tênue fio de água
do lado esquerdo do rio...
isso foi há séculos
agora sou frio.

há dias
fui ver a grande pedra
não passava de um pequeno cascalho
o tênue fio de água
ao cair por séculos e séculos
a consumiu...
isso foi há dias
agora sou frio.

mas quem ali passou
durante esses séculos
não percebeu que a pedra 
aos poucos agonizava
sob a água sem nenhum compromisso...

o Fim é isso.

24 dezembro 2017

Mensagem de Natal 2017

as pessoas querem de mensagem de natal
qualquer texto banal que fale de amor felicidade esperança 
um amontoado pré-determinado mecânico automático robótico de palavras positivas
votos vazios vazados de (in)verdades vagas
algo que fale em paz perdão jesus
a ser esquecido antes de ser lido
pretensas espiritualidades a serem estouradas com champanhes foguetes e peidos pós-ceia...

hoje quando acordei um sabiá cantava na janela
e eu prestei atenção no seu canto:
essa foi a minha mensagem de natal
e não poderia haver melhor