26 agosto 2016

O Momento Crítico

um dia tudo que vive
será cíclico
um dia tudo que é calma
será sísmico
um dia tudo que é nada
será épico

um dia tudo que é seca
será cáustico
um dia tudo que é sangue
será crístico
um dia tudo que é morte
será mítico

um dia tudo que cala
será grítico
um dia tudo que grita
será trágico
um dia tudo que morre
será cíclico



24 agosto 2016

do Teor Alcoólico

I- Chopin 
vê com os ouvidos
e faz-nos ver coisas que há
naquilo que não vemos
e quando vem-nos
só na visão
aquilo que vemos
vemos que não há
aquilo que  há
quando vemos quando ouvimos

II - a piadinha infame
de Chopin com chopp
é fraca, nada a ver.
teria a ver
se fosse com ab-sinto

21 agosto 2016

Os Três Podreres

nestes dias há
no Brasil três
podreres:

o pudê exe-CU-tivo
o purê legelatino
e o phoder judifalho



19 agosto 2016

Duas Injustiças nos jogos Olímpicos

Quando se trata de Olimpíadas, e acompanhei todas desde 1988, algo sempre me pareceu, de algum modo, injusto: as formas de premiação e a contabilização das medalhas. 

No caso das premiações, o que julgo como injusto é que as modalidades individuais têm o mesmo peso das de duplas e das coletivas. Isso parece significar que o esforço de um só ser humano tem o mesmo valor do de vários. Por outro lado, quem disputa modalidades individuais tem a possibilidade de ganhar medalhas em diversas variações de um mesmo esporte, o que não ocorre nos esportes coletivos. Um exemplo: o norte-americano Michael Phelps é um fenômeno da natação. Arrebatou dezenas de medalhas nas últimas olimpíadas, tantas, que SÓ ele possui mais medalhas que muitos países em TODA a história das Olimpíadas. Um deles é o próprio Brasil. Chega a ser vergonhoso. 

Mas no fato está embutida, na minha opinião, uma injustiça. Ele é um nadador excepcional. E a natação tem muitas modalidades. Phelps, naturalmente, é fora de série em quase todas elas. Acaba ganhando medalhas em várias modalidades de um mesmo esporte. Mas e no vôlei, por exemplo? Por melhores que sejam os jogadores de um time, eles nunca vão contabilizar mais que uma medalha no seu esporte. Seria o caso de contabilizar as medalhas de todos os jogadores da seleção vencedora. Não sei, talvez seja exagero, mas também é exagero que um só nadador tenha a possibilidade de contabilizar 3 medalhas, por exemplo, nos 50, nos 100 e nos 200m de um só esporte com várias modalidades de poucas diferenças, como é a natação. 

Outro fato que me parece injusto é  a forma como se contabilizam as medalhas. Por exemplo: nas Olimpíadas de Sydney, na Austrália, em 2000, o Brasil não conquistou nenhuma medalha de ouro, mas 6 de prata e 6 de bronze. No quadro de medalhas acabou atrás de Moçambique e Colômbia, que conquistaram apenas uma de ouro cada. Isso porque não importa quantas medalhas de prata ou bronze um país conquiste, uma só de ouro valerá mais que todas as outras. É ostensível que algo aí não é totalmente justo. 

Mas dificilmente haverá um reavaliação dessas questões, pelo menos não enquanto os EUA estiverem sempre na ponta do quadro de medalhas.  

17 agosto 2016

Ave Caesar Invintus

és mortto o silêncio in darmores
e os olhoos ocasam as tormares
nem céu mais lhe ditas alfontes
e os sonhos são finis e sânguines:
aos nuncas te iguais me encontrares...

mas

se destem os rithus del montes
se álcoois os teus lábios altares
no quando eu ser não-existires
improvo que sou-me no dantes:
meu rei torno é questão de acabes

15 agosto 2016

Peste Negra Mecânica

I – da Lógica Mecanicista

as pessoas
com mais nada se chocam.
não por estarem conscientes
mas porque já foram chocadas
pelas galinhas
da produção em série

II – da Peste dos Nossos Dias

o rodar derradeiro
do radar da Morte
a render seres humanos
e a rondar a humanidade

III – Só um Risco

as formas de vida
em risco
no risco ascendente dos lucros:
e em breve na vida
um risco



13 agosto 2016

Prepare-se

o homem não vive:
só se prepara.
nasce
e se prepara para crescer
depois é estudar para se preparar
e se preparar para o que vem depois

o depois
é se preparar para trabalhar
que o trabalho é uma preparação
para outras coisas mais
que ou são nada
ou quando vêm não bastam
e então se prepara para o que falta
que nunca deixa de faltar

e por fim se prepara para
quando se ficar velho
e...

a Morte

pois ao fim de tudo
nunca estamos preparados





11 agosto 2016

de melhor em mim?

o que não fiz
é que é meu autêntico fim

sou-me
um inaudito
nendito

não sei de mim
mais que o poema sabe de si
o melhor que faço
é o que escuto
e quando digo que não estou-me
é nada
em absoluto

só escrevo
porque escorre:
o melhor que (des)faço
é o meu porre


08 agosto 2016

Indecência

ser feliz...
como alguém pode ser feliz?
ou julgar-se ser feliz
(que, em tudo, é mais fácil julgar-se
do que ser)
enquanto crianças e suas inocências
agonizam de miséria e nada?
enquanto animais e suas inocências
se extinguem em crueldade e dor?

somente quem não sente
(que sentir é perceber)
não vê também sua culpa
ao passar satisfeito
pela família que no lixo
disputa os nojos e os podres
com as moscas e as baratas

somente quem não sente
(que raros sabem sentir)
não capta o horror
que é sorrir pelas estradas
enquanto passamos rápidos absortos
pelos animais atropelados
estrebuchados (des)encarneados
com a sagrada intimidade de suas vísceras
de sua carne de seu sangue
exposta
à indecência da alegria humana





06 agosto 2016

As Olimpíadas e Vinicius de Moraes


Estamos em época de Olimpíadas. E no Brasil. Independente se éramos contra ou favor da sua realização em nosso país, o evento está acontecendo, e, como brasileiros, é momento de torcer para que as Olimpíadas do Brasil sejam grandes, e que nossos atletas tenham o melhor desempenho da história. Não assisti à abertura, mas segundo a imprensa, inclusive a estrangeira, ela foi belíssima, unindo simplicidade, bom gosto e criatividade. No entanto, li no "Blog do Barão", de Zatonio Lahud, que, no momento da música "Garota de Ipanema", apenas o autor da música, Tom Jobim, foi homenageado. Mas e o autor da letra? Vinicius de Moraes, um de nossos maiores poetas modernistas, também merecia sua homenagem. Por que nossos escritores são esquecidos?


Pensando nisso, selecionei trechos do poema "Pátria Minha" do Vinicius. Acredito que seja bastante adequado ao momento:

Pátria Minha (Trechos) Vinicius de Moraes

A minha pátria é como se não fosse, é íntima
Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
É minha pátria. Por isso, no exílio
Assistindo dormir meu filho
Choro de saudades de minha pátria.

Se me perguntarem o que é a minha pátria direi:
Não sei. De fato, não sei
Como, por que e quando a minha pátria
Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
Em longas lágrimas amargas.

Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos…
Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha!

Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho
Pátria, eu semente que nasci do vento
Eu que não vou e não venho, eu que permaneço
Em contato com a dor do tempo, eu elemento
De ligação entre a ação e o pensamento
Eu fio invisível no espaço de todo adeus
Eu, o sem Deus!

Pátria minha… A minha pátria não é florão, nem ostenta
Lábaro não; a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca; a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
E urina mar.

Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura: a Ilha
Brasil, talvez.

04 agosto 2016

Ninguém melhora Ninguém*

I - não escrevo
para que os outros me leiam
me entendam
me decifrem

escrevo
para eu fazê-lo
com os outros

II - não escrevo
para melhorar ninguém

(só o si
melhora a si
quando cai em si)

escrevo a meu ser
que saindo da miséria que sou
se vá além do que sei

III - ser poeta
é perceber
que não se percebe
é dar-se conta
de que não se dão conta

*Poema reelaborado e republicado.


02 agosto 2016

Robótico e Espacial

no mundo atual
(robótico e espacial)
não há espaço
para o desespaço
do mundo interior

por isso
não mais falo
do que sinto:
a qual alguém pode interessar
o que um outro sente
se o alguém nem sente
por si mesmo
nem quer saber
se o outro sente
e nem que outro é o outro?

só há sentido no ser
do sentimento expresso
quando o outro
o reflete e o encontra
expresso no seu ser
e então se conhece
do que de si mal sabia

mas ninguém
nem se encontra no seu ser
nem reflete por si mesmo
nem se expressa o que não sente
e por Fim
nem mal sabe de si
nem sentido há algum
em se saber o que nem há


31 julho 2016

Bebida Forte*

I - a poesia
(pelos olhos)
é pouco lida
porque exige
(pela alma) 
muita lida

II
- em termos de poesia
as pessoas
preferem os eventos
já eu               
ao termo da poesia
prefiro os ao ventos

III - a poesia é vida
e onde há vida
há morte

poesia
também pode ser festa
mas com bebida forte

*Poema reelaborado e republicado