11 novembro 2018

Maldição vem de berço

Maldição vem de berço.
não é pra qualquer um.
quem é maldito nunca perde a maldição:
ser maldito é um estado de espírito
um existir de alma
uma forma de vida
não há filosofia que seja melhor

poeta não é quem tem inspiração
até um político pode se inspirar às vezes
poeta é quem tem maldição

nem a luz nem a escuridão
estão sempre presentes
mas a maldição está:
tu olhas e lá está ela
sempre ali a te olhar de volta

tem que ser muito maldito
pra aguentar ter alma
há que se viver muito horror
pra se tocar no coração
tem que se conhecer muito bem o mal
para se saber o que é amor

maldição não é para melhorar ninguém:
maldição é para se criar Arte.
arte de verdade e ausência de maldição
são termos irreconciliáveis

Maldição vem de berço
ou antes.

09 novembro 2018

Dois Noturnos

I - é a lua que nasce para todos
bem mais que o sol: 
não é para todos que o sol brilha 
mas não há quem não tenha noite 
e não há quem não sinta sono 

II - o teu canto 
coruja hermética 
de olhos autônomos 
equivale a um tratado de filósofos 

e há mais sabedoria no teu pio 
do que em todo os autômatos 
do povo do Brasil

07 novembro 2018

Rastro de Ser Humano

por onde quer que o ser humano passe
deixa um rastro de destruição e morte
tudo para poder manter sua bunda rica
sobre o banco de couro do seu carrão do ano
matas devastadas campos miseráveis
paisagens desoladas rios apodrecidos
tudo em nome da ostentação do sucesso
por onde quer que o ser humano cruze
deixa um banho de horror e sangue
animais caçados torturados massacrados
atropelados queimados extintos
tribos perdidas escravizadas dizimadas 
tudo em nome da enganação do progresso
o rastro do ser humano
é um rastro de fedor e doença
o homem cospe em tudo mija em tudo caga em tudo
a tudo estraga a tudo acaba
desconstrói sonhos afunda paraísos
enegrece as águas enfumaça os céus
o rastro do ser humano é de óleo e de injustiça
de agrotóxicos e de lágrimas
de horrores e de aço
tudo para que uns se afoguem em moedas
e outros mergulhem em restos
e o que me resta de mim ser humano
é um rastro de cansaço

05 novembro 2018

Há Mordaças no Canto dos Pássaros

olho para o azul do céu azul
mas não há nenhum azul a ser olhado
o sol que brilha queima sem brilhar
quilômetros e quilômetros de matas amarelas como ouro
há mordaças no canto dos pássaros
o som das águas que correm
paira em névoas de barulhos negros
e eu afundo meus pés
em cadáveres de felinos

levo minhas mãos ao rosto
e elas estão sujas de barro e veneno
mas eu ainda acredito
acredito no Horror
em tudo que rasteja e afunda

um bando de porcos berra com gosto de gordura e sangue
ao longe eu vejo um prédio de 16 andares
e do seu alto pessoas se atiram
e caem com o pescoço quebrado
sobre um verde lago de merdas
como se não houvesse esperança
mas há esperança por entre os vermes

eu acredito no Fim
em tudo que agoniza e morre
e a minha crença se derrama
como sangue quente
de golfinhos mortos pelas praias
357 cavalos brancos se atiram em poços
quebram as patas e caem de ponta cabeça
quando de repente vejo um espelho
e ali estou eu:
zumbi acreditando no futuro


04 novembro 2018

De uma Influência de Edgar Allan Poe

quem garante
que o real não é sonho
e que o sonho é o que é?
há lagos em que o fundo
nunca alcança a existência de nosso pé

o que existe existe
ou existe
porque eu penso que existe?
dependendo de como
e quando
se vê
a mesma flor
pode ser alegre
ou pode ser triste

só se sente
que o sonho é sonho
quando o sonho chega ao fim
e mesmo quando sinto
não domino o que vem-me aos sentidos
e até mesmo o vinho tinto
só é tinto
porque meus olhos humanos
o percebem assim

e mesmo quando penso 
quantos pensam ao mesmo tempo
dentro de mim?
e mesmo quando escrevo
um verso que diz não 
quem garante
que ele dizendo não
não disse sim?

01 novembro 2018

Desaforadas (Ou Após ouvir Shostakovich)

porque há risos gargalhadas
em cascatas cataratas
sanguinadas pelas pragas

são cantatas de gargalhas
das risadas alastradas
zombarias pelas águas

são compassos de risadas
entre asas garras brasas
pelas rubras russas geadas

o deboche dos abutres
o gaguejo de macacos
gorgolejo de galinhas

graves línguas de lagartos
entre o sarcástico dos asnos
pelas gárgulas e cabras

ironias desbocadas
em metralhas e sarcasmos
em grotescos e catarras

há danças valsas facas
essa desgraça de engraçada
a lembrar que a humanidade

é só uma piada

31 outubro 2018

Governo Bolsonárico

piadas
cagadas
desgraças
desertos
caçadas

riquinhos
tirinhos
milicos
patentes
pinicos

usura
censura
tortura
tragédia
amargura

acéfalos
hipócritas
suásticas
patéticas
dos trópicos

e os três Phoderes:

o Cômico
o Estúpido
e o Catastrófico


29 outubro 2018

A Era da Maldade

Trump e Bolsonaro venceram. Isso, para ficar nos casos mais representativos nas Américas. Bolsonaro é um Trump piorado. Ou uma caricatura tosca de Trump. Mas apesar das diferenças pró Trump (tem mais história, mais feitos, é mais culto e mais inteligente, traz uma base muito mais sólida que a de Bolsonaro), ambos têm algo em comum: a maldade.

Vivemos um outro momento na humanidade. Ou o retorno de um outro momento que se configurava há cerca de 100 anos atrás. Momento em que o egoísmo e o desumano prevalecem. O egoísmo fala em um pseudo-nacionalismo de ódio ao diferente, o qual é visto como ameaça, utilizando-se de falsos conceitos de família, pátria e Deus, que se tornam apenas eficientes instrumentos de controle.

O desumano nos fala de uma ordem, na realidade impossível e de fachada, mas que seria necessário  se implantar a todo custo através da opressão, da repressão, da redução dos direitos individuais, do controle da liberdade de muitos para o benefício de poucos. É ostensível que o discurso de fachada desses novos governantes é um, e seus atos, são outros. Falam através da liberdade e da democracia, mas tentam convencer que para se "manter a liberdade e a democracia", é necessário que se "reduza a liberdade e a democracia". Exatamente como fez Hitler nas primeiras décadas do século XX.

O egoísmo também  nos fala do lucro a qualquer custo. O custo é mais e mais destruição ambiental e exploração do trabalho humano. Vivemos uma nova era da impiedade e do medo, da ausência de compaixão e de solidariedade. Nosso coração morre a cada dia. Voltamos à era da redução das áreas de preservação ambiental, do massacre dos povos nativos, da liberação da caça e da aniquilação da vida selvagem, pois isso não tem valor para o neoliberalismo, a não ser o valor financeiro. A poluição desenfreada não terá limites, a vida será cada vez mais subjugada pelos meios de produção. Vivemos a era em que os recursos naturais, desde campos, florestas, até a água ficarão nas mãos de muito poucos, assustadoramente poucos. 

O capitalismo agonizante tenta sobreviver através da morte, sugando a última gota de sangue que restar em nosso planeta. Vivemos a era em que o trabalho humano voltará a perder valor. Direitos trabalhistas são e serão retirados ao limite máximo. Com a justificativa de que é para gerar empregos e pelo excesso de mão de obra. Mas é apenas para gerar mais lucros. E não se poderá se pronunciar contra essa "ordem" estabelecida. Como previram Aldous Huxley e George Orwell, uma falsa necessidade de ordem criada artificialmente trará o autoritarismo disfarçado de democracia. 

Vivemos a era da insensibilidade. A era em que a inteligência, a cultura e a arte serão vistas como um perigo por ameaçarem a farsa da necessidade da "ordem". Vivemos a era do ódio ao próximo, se o próximo não vive ou não pensa ou não concorda com o que é tido como "correto". Mas tudo encharcado da hipocrisia dos papinhos moles e dos melosos sorrisos de falsa amizade, nos discursos de fingimento religiosos, naquela velha coisa de "isso vai ser bom pra você". 

É a era das sentenças arbitrárias e dos julgamentos por interesse. Dos bodes expiatórios. A era em que o culpado de tudo é sempre o outro. Principalmente, se o outro for diferente. E, portanto, o outro deve ser eliminado ou excluído. Caminhamos para uma 3ª Guerra Mundial. Vivemos a Era da Pós-Humanidade. A Era do Fim.

24 outubro 2018

Sem Fundamento

as pessoas se habituaram
a viver a vida que vivem
como se a vida fosse isso que vivem

a vida?
por que assim?
quem levanta de sua cama
levanta para quê?
o trabalho
é um trabalho para qual objetivo?
e alcançado o objetivo
o que é que resta do que fica?

quem dorme
descansa de qual cansaço?
e para que se cansou?

saímos todos os dias
para viver a vida
dentro do mundo
e estamos convencidos
de que a vida é essa que se vive
e de que o mundo é esse que se tem
e de que o que fazemos
é o que deve ser feito

saímos todos os dias
para a morrer a vida
e ninguém se pergunta nada
e não se faz nenhum questionamento

mas errado sou eu
quando digo que tudo isso
não tem nenhum fundamento

23 outubro 2018

Da Mediocridade

I - a humanidade é a soma geométrica
de todas as merdas de cada um de nós:
progredimos pelo bueiro avante.
mas não é esse o problema
o problema é que os humanos
tomaram laxante

II - as pessoas dizem:
“a humanidade é medíocre”
mas a humanidade
é formada pelas pessoas
logo
as pessoas são medíocres.
mas alguém diz:
"eu sou uma pessoa
logo
eu sou medíocre..."
?
o medíocre começa
em não se perceber que o é.

20 outubro 2018

O Meu Lado

eu sempre estarei do lado dos que não têm lado
dos oprimidos dos esquecidos dos explorados
dos combalidos dos excluídos dos exilados
eu nunca serei pelos lucros das empresas
eu nunca serei pelas lavouras dos latifúndios
eu nunca serei pelos produtos das indústrias
eu nunca serei pelo ouro das mineradoras
eu nunca serei pelos tanques dos exércitos

eu estou do lado de quem paga a conta
e não de quem cobra o juro
eu estou do lado de quem cuida a planta pra crescer
e não de quem a enche de veneno
eu estou do lado do animal que é caçado
e não de quem dá o tiro
eu estou do lado dos que sofrem pela vida
e não dos que vivem para a morte

eu sempre estarei do lado 
dos que não têm vez:
é o único lado
que representa um poeta

17 outubro 2018

Tempos - Sombra

não há esperança pra vida ou pra massa
nosso Horror nos domina a fogo e a ferro
Shostakovich sangra ácido berro
e Beethoven se ergue além da fumaça

tempos-sombra assomam atrás das desgraças
homens tropeçam no seu desespero
tudo o que é luz desmorona no erro:
nos restam o vinho o whisky a cachaça

mundos de caos nos espreitam na lama
tudo o que somos não passa de falha
máquinas pisam por todas as gramas

resta-me a arte por som e navalha
resta-me um algo que é mais do que chama
que chama o que fúria: triunfo e mortalha

15 outubro 2018

Sangue de Porco

a humanidade
está acabada.
(é, eu sei, alguns  irão protestar,
o que não muda nada)

então que estas levas 
de palavras em lavas
larvas de palavras não-livres
livros não lavrados mal-lidos
me deixam mais leve

estas palavras
largarei letra a letra
pingos de vela
granos de areia
e uma cabeça de ovelha

a humanidade acabada:
aquele jorro
de sangue de porco
da garganta esfaqueada

que estas levas
de palavras em lama
me deixem mais breve:
que o diabo as carregue
e o sangue as te leve