Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



21 abril 2014

O Seio

a Noite
é uma flâmula do Fim:
um símbolo do que se finda
com o  brasão do que retorna

há na noite
o sonho  dos românticos
a dúvida dos barrocos
o mistério dos simbolistas
e o corrosivo dos pós-modernos:
a noite e seus medos são eternos

não se pode impedir
que a noite sempre seja
e nem se pode ver além
do que ela traz em seu (v)entre

por mais sol
que brilhe nos olhos da bela
seu olhares hão de sempre fechar
que anoitece a vida
o ideal anoitece
e anoitece amar

em tudo e em todos
a mão da noite (re)pousa:
das alegrias desbotam as camisas
dos sorrisos despencam os dentes
e do poder brocha o cetro

o adeus aguarda
no trono do tempo
e o seu aceno de réquiem
nos sempre alcança:
tudo se cansa...

a própria Luz
foi da Noite que veio
que a noite é a origem e o destino
e tudo descansa
em seu fêmino seio

19 abril 2014

Aos Babacas que Acreditam em Progresso

"Eu poderia ficar em casa. Poderia trancar a porta e brincar com tintas ou qualquer coisa assim. Mas, de alguma forma, tenho que sair, e ter a certeza que toda a humanidade é uma grande merda. Como se fosse mudar…"

Charles Bukowski


quando saio nas ruas pelas manhãs
percebo o quanto as ruas pelas manhãs
são um porre
(ah, quem dera fossem um porre):
aqueles montes de gente amontoada
que nem percebem que não passam de montes
aquelas gentes
apressadas
atarefadas
estressadas
esvaziadas
mecanizadas
pouco mais que nada

pra lá e pra cá como moscas tontas
a comprar merdas e pagar contas
seguindo aquela vida (f)útil
arrastando suas mori bundas
e afundando seus cus
nos seus carros do ânus
com aquele sorriso estúpido
de quem contribui para o progresso
(ainda há babacas que acreditam em progresso)
da sua cidade do seu país da civilização
certas de que estão certas
de que existe papai noel
desenvolvimento
e evolução...

quando saio nas ruas pelas manhãs
me deploro com o que há-de:
que é o lembrar de que o que vejo
trará o futuro da humanidade...

17 abril 2014

Sexta-Feira Sânscrita

tristeza de não-antídoto
e sorriso de fundo trágico:
há um hálito  que seja válido?
entendo teu gesto lânguido
e o que sonha teu rosto sânguino:
que o resto se arrasta rápido...

a todos há uma forma de símbolo
há horizontes que  talvez sejam pórticos
há a agonia da vela e da lâmpada
a chama escarlate cálida e tântrica
e halos na lua alando em céu tríptico

há o longínquo-não-ser de um ósculo
e a mim...
algo de Fim no teu olhar crístico

(Na imagem, parte do Retábulo de Isenheim, de Grünewald)

15 abril 2014

da Insatisfação

o sofrimento
deveria ser mensurado
não pela espécie de sofrimento
mas pela relação
sofrimento – anseio

sofre a pessoa
não exatamente
pelo que ela é
ou deixa de ser
não pelo que lhe acontece
ou deixa de lhe acontecer
não pelo que ela vive
ou deixa de viver
mas pelo que ela gostaria
de ser
ou que lhe acontecesse
ou que fosse a sua vida
sofrimento
é alguma coisa
não vinda...

o tamanho do sofrimento
é o tamanho da insatisfação

uma vida com tudo
ou uma vida com nada
pode dar no mesmo:
o sofrimento
se mede pelo desejo


13 abril 2014

O Vazio Absoluto da Política em Santiago

Algumas pessoas já me questionaram, e há tempos, e continuam fazendo, entre amigos e conhecidos, a respeito de por que eu não participo mais da política de Santiago, atuando mais diretamente e até mesmo me filiando a um partido. Minha resposta sempre foi: não é a minha função e não gosto desse tipo de atuação. Mas posso esclarecer mais sobre o assunto. 

Na verdade, o melhor a se fazer com a política santiaguense é largá-la de mão, definitivamente, porque não há nada em que se segurar, enfim, não há nada de jeito nenhum nessa política: não há verdadeira preocupação social nem cultural, não há real preocupação com o povo, não há conteúdo, não há substância ou sensibilidade política, não há ideologia ou ideais, não há bom senso, não há união entre os que poderiam ser opositores, não há coragem, não há vergonha na cara, não há atitude, não há dignidade...

Porém, pensando por outro lado, até  que há muitas coisas, e até em demasia, na política santiaguense: há coxilhas de  incoerência, há montanhas de puxa-saquismo, há total ausência do senso do ridículo, há pessoas cabresteadas, submissas e ignorantes, há quilos de maquiagem, há monumentos de futilidade, há grandiosas fachadas, há quilômetros de aparência, há toneladas de gordos churrascos, astros de vergonha, galáxias de vazio, cosmos de mediocridade e universos de hipocrisia.

Esse texto é minha contribuição definitiva para a política de Santiago. 

10 abril 2014

Tu, Tempo

Tu, Tempo, és Deus...
teu é o trono
que traga
ao que  te trago
e a que me entrego
além de ti
a treva
a que não ninguém
se atreve

todo trovão que tange
e todo troar martelo
vêm todos do teu trajeto
no torvo do que tememos

desde os tridentes
de tuas serpentes e tigres
às trombetas
que trompam na tua tocha
desde a tormenta
que taça entre teu trágico
até a traça
entre as turbas arrastada
às tampas das tuas tumbas

ave Tempo!
águia Tempo!
e o pulo preciso do teu puma
e o punho de peso do teu pulso...

desde os passos do teu compasso
à pressa do teu presságio
e à presa da tua praga
ninguém pisa o teu punhal
e nada te apaga

é a ti que se paga
em que se prepara o pesar
da tempestade

do templo de teu temporal
é que Tu, Tempo
(que a vida abraça)
trazes entre as torres
um raio
do que Verdade
de força e de fúria
de glória e vitória

(que o tempo passa...)

08 abril 2014

de Merda e Mediocridade

I

a humanidade
é a soma geométrica
de todas as merdas
de cada um de nós:
progredimos
pelo bueiro avante...
mas não é esse o problema
o problema
é que os humanos
tomaram laxante

II

as pessoas dizem:
“a humanidade é medíocre”
mas a humanidade
é formada pelas pessoas
logo
as pessoas são medíocres
eu sou uma pessoa
logo
“eu sou medíocre”
bem, isso
as pessoas não dizem

05 abril 2014

da Grave Falta da Água

qual água preencherá
o vazio de se não-ser?

mais seco
que qualquer leito
(de qualquer rio
em qualquer seca
pela terra agoniante)
é o vácuo esvaziado em pó
(e varrido de horror
sempre mais adiante)

...mais seco
que qualquer leito...
é a terra árida
do humano peito

todo o esgoto
das águas do mundo
não é páreo
ao seu coração esgotado
esgotado
como quem cortasse
sua própria artéria
de cima abaixo
e de lado a lado

nenhuma semente germinará
nem das mais reles ervas
nem das mais tênues palmas
na esterilidade esfarelenta
disto que chamam de
 “humanas almas”

e, meu Deus, que Sede...

quando é que chove
no que é trágica?
vou ver se (sobre)vivo
com a minha última gota
de lágrima

03 abril 2014

Nenhum Fundamento

as pessoas se habituaram
a viver a vida que vivem
como se a vida
fosse só isso que vivem

a vida
por que assim?
quem levanta de sua cama
levanta para quê?
o trabalho
é um trabalho
para qual objetivo?
e alcançado o objetivo
o que é que resta
do que fica?

quem dorme
descansa de qual cansaço?
e para que se cansou?

saímos todos os dias
para viver a vida
dentro do mundo
e estamos convencidos
de que a vida é essa
e de que o mundo é esse
e de que o que fazemos
é o que deve ser feito

ninguém se pergunta nada
e não se faz
nenhum questionamento

e eu até seria apedrejado
se dissesse que tudo isso
da forma como é visto
não tem nenhum fundamento

01 abril 2014

Imagem sobre Brahms em Pragmatha

O poema "Imagem Sobre uma Melodia de Brahms" foi publicado na edição 55 do Caderno Literário Pragmatha, de Porto Alegre, que trouxe como tema "Música". Para ler o poema, clique sobre a imagem abaixo.




30 março 2014

Como se eu não soubesse...*

como se houvesse tempo
estão lá com sede de progresso
como se evoluíssem
ceifando paraísos
para semear infernos
como se fossem eternos
como se fossem espertos
em transformar os campos
em desertos
como se não bastasse...

contando como se fosse
para matar a fome
como se dessa forma
distribuíssem renda
como se fosse em nome
do que fosse justo
e como se a mim
ainda convencessem

como se não fosse
para colher ganâncias
como se fossem heróis
e não tivessem ânsias
de se enriquecer à custa
do que tenha vida...

como se para eles
não chegasse a morte...

e ainda se dizem fortes
ao não sofrer
pelo que tenha vida
mas são mais fracos do que cacos
e são mais fiascos que palhaços
como se não viesse a volta
como se não tivesse preço
e como se não viesse o Tempo
trazer sua carta
no seu exato endereço

fazem tudo
como se o tudo fosse o mesmo assim
como se a Terra não se vingasse
e como se não houvesse o Fim.

*Poema reelaborado e republicado.

29 março 2014

Universidades Públicas para estudantes de Escolas Públicas

Deveria ser assim. Somente quem cursou o Ensino Médio todo em escola pública poderia ter ingresso em uma universidade pública. Seria a melhor forma de equilibrar a completamente desequilibrada competição de acesso à uma universidade pública. "Ah, mas isso não é justo!" berrarão os filhos dos ricos. Claro que não.
Justo é que uma universidade pública que é custeada e mantida com o dinheiro dos impostos de toda a população brasileira, principalmente dos pobres, esteja sendo frequentada principalmente pelos mais abastados. 

Justo é que os menos favorecidos economicamente tenham que trabalhar para se sustentar e estudar ao mesmo tempo para disputar uma vaga em uma universidade pública, enquanto um filho de rico apenas estuda despreocupadamente. 

Justo é que os ricos possam pagar as melhores escolas particulares do país, os melhores cursinhos, adquirir qualquer livro ou material diverso, enquanto os pobres só têm a escola pública, para a qual os governantes, deputados, senadores não dão atenção, não investem, não destinam verbas, afinal, os SEUS FILHOS NÃO ESTÃO LÁ.

Por isso, que defendo: universidade pública deve ser para estudante de escola pública. Só então os politicuzinhos riquinhos começariam a se preocupar com educação, afinal, teriam que colocar seus filhos em escolas públicas também, para poderem ter acesso às universidades. E então investiriam na educação básica, não por decência ou consciência, que eles não as têm, mas por necessidade mesmo.

Aos poucos, o nível da educação pública básica cresceria e acabaríamos com muitos mercadores da educação, em suas escolas particulares e cursinhos.

27 março 2014

Poema de Ocaso a uma Sonata de Schubert

é quando ouço
aquela sonata de Schubert
que um cavalo
vem bater na minha porta:

então estranho o peso
dos olhares dos sapos
e escrevo poemas (que) não-sãos
há algo de Poe nunca-lido
e uma desolação de silêncio
de não-flauta na mata

é uma sentença
de um quadro de Bosch
que não me sai
do que pesadelo
é um sonho de um sol
cada vez mais ao norte
um vento do antes
grande ave
que plana em correntes
carta
com selos vermelhos
planeta
por trás dos espaços
e a ponta de um dedo em um dedo
como se fosse um sinal...

há algo do que já é tarde
e a iminência de um vasto final...