Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



01 setembro 2014

ao Fim da Rosa*

rosa que paira pelo não-vindo
quem foi que sagrou-te à tormenta
quem foi que matou-te em meu sangue
rosa que vaga pelo meu grave?

quem foi que falou-nos de amor-te
daquilo que pulsa mas sempre te parte
o alguém que arrancou-te da noite
rosa que doente pelo meu sempre?

quem te avassala pelas espadas
em vasto martelo firme na morte
e arrasta teu lago vazando-me o rastro
rosa que morre pela minha veia?

onde deixaram o teu passo na lama
rosa que afoga em tudo que chove
no medo que corta do que te consomes
rosa que vai-te em tudo que corre?

quem é que te lança na faca que mata
rosa que afunda em tudo que é podre
rosa que finda em todo meu nada...?
rosa esmagada.

*Poema reelaborado e republicado
 (Na imagem, o quadro "Vaso com Cinco Girassóis", de Van Gogh)

31 agosto 2014

Homem Fraco, no site do Pragmatha

O Caderno Literário Pragmatha, de Porto Alegre, tem agora seu site. Os poemas de cada edição do caderno podem ser conferidos isoladamente e compartilhados nas redes sociais. Meu poema "Homem Fraco", publicado na edição 57 do Caderno, pode ser lido aqui. Outro poema, Soneto de Retorno, da edição 58, está aqui.

29 agosto 2014

Derrame meu Sangue

não diferente de todos os homens
sou um homem pós-moderno:
o que sobrou de humano
após o pós-tudo

sou um marco do que-não-foi
no pico do fim da história

sou o resto
da contemplação ininterrupta
do Horror
o resto
da devastação impassível
do Caos

sou o resultado de séculos
de esmagamento da alma

mas no resto que me resta
subiu-me algo de vasto
que ainda não está
em nada do que faço
mas que cresce como crise
ou crime:

um dia tu o verás
no que ainda não te disse

25 agosto 2014

Três Frases

I - quando se Olha
(se quem olha
tem olhar)
se fala
que há um além
da fala

II - já disseram
(Maupassant)
que a alma
está no olhar...
acrescento
que é a alma
quem olha:
quem não a tem
não vê

III
- o Olhar
é o palco possível
do impossível

23 agosto 2014

Na Casa da Ana Amélia em Santiago, o vazio dos discursos e mais uma pérola do deputado Luís Carlos Heinze

Na inauguração da  casa da candidata do PP ao governo do RS, Ana Amélia Lemos, que foi quase em frente à minha casa, tive a infelicidade de ter que ouvir todos os discursos demagógicos, previsíveis e vazios daqueles políticos que de 4 em 4 anos vêm pedir votos aos santiaguenses. Depois esquecem do povo, mas não podemos condená-los, afinal, são seres humanos como todos nós e podem, como qualquer um, sofrer de amnésia, que é um problema fisiológico. Sem falar em suas agendas lotadíssimas, as quais incluem encontros com os ricos e influentes, churrascos exagerados, apertos de mão infindáveis e esticamento de boca para sorrirem constantemente etc. Não há, e nem pode haver tempo para o povo, um mero detalhe.

Afinal, não é o povo que dá sustentação ao partido, são os grandes latifundiários, os empresários do agronegócio, o lucro das grandes empresas,

Nem mesmo o discurso da já intitulada "governadora", tamanha é a humildade dos progressistas, escapou do vácuo do lugar comum, falando por cerca de 10 minutos sem dizer absolutamente nada que servisse para alguma coisa. O que é compreensível, afinal, agora, o que importa é elevar o moral dos militantes dizendo que a vitória é garantida.

Mas fiquei preocupado quando a candidata do PP afirmou que Santiago serve de exemplo de administração. Meu Deus! pensei, se a Aninha ganha estamos fodidos! Se Santiago é exemplo, teremos no RS uma prefeitura de Santiago gigante? Mas acredito que a afirmação da Ana Amélia foi por ignorância, ela, certamente, não teve tempo de conhecer os bairros, as ruas da periferia, o desemprego, as "fachadas", os apadrinhamentos, a estagnação, enfim, toda a Política da Aparência tão em voga em nosso município. Eu a desculpo.

Mas o ponto alto mesmo da inauguração foi o discurso do deputado Luís Carlos Heinze, e não podia ser diferente, o cara é um showman. Depois de dizer, há alguns meses, que "quilombolas, índios e gays" são "tudo o que não presta", agora o Heinze saiu com esta: "há 54 anos a família progressista COMANDA e MANDA em Santiago". O Heinze deixou escrachado o coronelismo do PP. 

Bom, o deputado não mentiu, é um cara sincero, mas alguém tem que avisar o Heinze que política é a arte da dissimulação, do fingimento,  ele não pode ficar dizendo abertamente esses absurdos. Vai estragar a campanha. Porque um governo, um partido, não deve, ou não deveria, comandar e mandar, deve governar DEMOCRATICAMENTE para o povo. Políticos são funcionários do povo, empregados, servidores dele, não aqueles que "mandam". Mas parece que "comandar e mandar" é o jeito PP de fazer política. Parece exército, ditadura... Ah, esqueci que eles sustentavam a ditadura há muitos anos, já esquecidos, uma vez que o brasileiro tem memória curta.

Ainda bem que na inauguração da Casa da Aninha não tinha muita gente, e tudo acabou rápido, até porque não havia muito o que ser dito mesmo. Menos mal que a tortura durou pouco.

(Ah é, eu me enganei e coloquei uma foto da ex-governadora Yeda Crusius lá em cima. É que acho ela tão parecida com a Ana Amélia que me confundo.)


22 agosto 2014

Vagações de um Errado

quanto mais me tento acertar
mais me alongo do acerto
se me aproximo
me vejo entre o longe
e ao lado do sol me visto de frio
como o poço que é sempre mais poço
quanto mais está vazio...

talvez porque o certo
não seja o que é acerto
nem o que mais perto

falo para um além
que está num longe onde
e quando digo ao meu ouvido
é distante o que está comigo
é um sopro que ao não me responde

em que ego o meu eco ecoou pela Terra?

errando pelo caminho
tornei-me o deus em não ter nada
e matando-me  o espero
deixei minha morte
no alto do cerro:
acertei-me mais
quanto mais mirei no Erro...


20 agosto 2014

A Ironia na Política

I – Ana Amélia

a Dama das Camélias
de Hamlet a Ofélia
e do PP a Ana Amélia
nenhuma é do povo:
a primeira é da corte
a segunda da nobreza
a terceira das elites

II – Deputado

em termos sonoros
deputado
é um nome feio

tem puta
bem no meio

e se tirar a puta
fica o dedo

 III - da Campanha Gaúcha

a Música dA Campanha
enche o moral  do nosso povo

a música dE campanha
enche o escrotal do nosso povo

18 agosto 2014

A Metralhadora da Ironia e a fast foda

A arma mais eficiente nas mãos do escritor da atualidade é a Ironia.  Sim, Ironia com letra maiúscula, como os poetas do Renascimento e Barroco escreviam Amor. A Ironia, quando bem disparada, é impiedosa e não deixa possibilidades de reação. Vazia por um lado e vulgarizada e saturada de tudo por outro, a humanidade é como um paciente que consumiu tanto antibiótico contra sua doença que agora o medicamento já não faz nenhum efeito. Nada a sensibiliza.

A não ser a Ironia, a figura de linguagem do século XXI, uma das raras formas de mexer, de instigar as pessoas. Isso se explica porque hoje todo mundo quer tanto "parecer" que acaba temendo parecer ridículo. E a Ironia é temida porque comete esse crime: ridiculariza. E ridiculariza exatamente porque desvela as aparências. É como escreveu Fernando Pessoa: "A ironia é o primeiro indício de que a consciência se tornou consciente." De modo que encerro com algo irônico:

Instantâneo

agora
a comida é rápida
nos dois sentidos:

fast food
fast foda

16 agosto 2014

Chutes no Otimismo

a cada árvore plantada
há mil derrubadas
ou ainda mais
e tantas
quem nem mais deixam sinais

a cada água que é clara
há mil esgotadas
ou com fedor
e tantas
que nem se nota o horror

a cada balada composta
há mil baladas na testa
ou pauladas
e nem adianta
que é somente o que resta

a cada animal que é cuidado
há mil massacrados
ou sob tortura
e é como doença
que não tivesse cura

a cada beijo que é dado
há mil que são fingidos
e ainda mais outros mil
daqueles
que também são malditos

e tenho ditos

14 agosto 2014

Liberdade x Controle

há dois tipos de pessoas:
as que buscam a liberdade
e as que buscam o controle

buscam o controle
os que julgam que liberdade
é sinônimo de anarquia
e que podem e devem
decidir pelos outros
(e para outros)
o comportamento de todos

e para ter o controle
pensam ter a razão e o saber
e o direito de exercer o controle
e o como, o a quem e o para quê?
controlar

mas como estão certos
de que estão certos?
e que outros lhes deram o direito
de ter direitos sobre outros?

buscam a liberdade
não os que desejam
a ausência de controle
mas os que promovem ao homem
as condições de a si próprio
exercer a consciência
de saber quando ser livre
e de quando se controlar

12 agosto 2014

Assim funciona o sistema, de acordo com Mario Puzo e seu Don Corleone

Pode parecer simplificado demais, mais no fundo não é assim?

"- Você vai aos tribunais e espera meses. Gasta dinheiro com advogados que sabem muito bem que lhe farão de bobo. Aceita o julgamento de um juiz que se vende como a pior prostituta das ruas. Quando você precisa de dinheiro, vai aos bancos e paga juros exorbitantes, espera de chapéu na mão como um mendigo, enquanto eles farejam por aí, metem o dinheiro até onde não devem, para ter certeza de que você poderá pagar..."

" -  Você achava a América um paraíso. Você tinha um bom negócio, tinha uma vida boa, em que você achava que poderia obter o prazer que desejasse. A polícia o guardava, havia tribunais de justiça, você e os seus não podiam sofrer mal algum...
(...)
Então você não tem do que se queixar. O juiz decidiu. A América decidiu. Leve flores para sua filha e uma caixa de bombom quando fores visitá-la no hospital..."

Trechos da resposta de Vito Corleone , durante a conversa entre ele e Amerigo Bonasera, quando este vai pedir a Don Corleone que faça justiça pela tentativa de estupro e pelo espancamento que sofreu sua filha por parte de alguns filhos de políticos que foram libertados pela justiça do governo. (Livro "O Poderoso Chefão", de Mario Puzo, Parte I)

(Imagem de Amerigo Bonasera, interpretado por Salvatore Corsitto, no legendário filme "O Poderoso Chefão", baseado no romance de Mario Puzo e dirigido por Francis Ford Coppola)

11 agosto 2014

Pelo Outro Humano

os homens
com suas moedas
se acham vastos
mas não passam de vasos

os homens
com suas metas
se acham vultos
mas não passam de vulgos

os homens
com suas armas
se acham forças
mas não passam de farsas

os homens
com suas regras
se acham retos
mas não passam de ratos

os homens
com suas naves
se acham fogos
mas não passam de fátuos

estes homens
que se acham mundo
mas são apenas fato