22 janeiro 2017

Você não tem o direito de viver

você não tem direito a viver
tem direito a pagar:
seus pais pagam pelo hospital
quando você nasce
depois pagam por comida
roupa casa água luz
brinquedos livros lazer
remédios estudos transporte 
seja por imposto seja por escolha
(se eles puderem escolher)

então se paga por  mais estudo
e depois que se pagar para um trabalho
você pagará a partir desse trabalho
pela vida que começará a pagar:
é a sua vez de pagar
por aquilo que seus pais pagavam por você
(se é que você tinha pais para pagar)

você poderá começando
a pagar para morar
e você pagará para morar
mesmo que o lugar seja seu
depois você vai querer pagar por um carro
e você pagará para poder sair com o carro
e onde quer que você vá
para poder ter alguma graça onde você foi
terá que pagar por alguma coisa
para estar lá
enfim, você terá que pagar para sair
você terá que pagar para estar
pagar para fazer
pagar para ter
pagar para poder
talvez até para amar...

e você sabe que tudo pelo que pagar
uma boa parte você não pagará só o preço
mas pagará também a parte roubada
que fica pelos caminhos do mundo:
você pagará pela injustiça

e você também sabe que pagará para ficar velho
e, ao fim das contas, pagará para  morrer...

só pelo Ser que não:
o Ser não tem preço

20 janeiro 2017

Atualização dos Três Poderes Nacionais

Com os atuais governantes do Brasil, percebe-se uma leve alteração nas funções dos Três Poderes governamentais. Vamos às definições rápidas e atualizadas dos Três Poderes da Grande Nação Brasileira:

Poder Executivo: tem por função governar  contra o povo em todos os aspectos e administrar com mão de ferro os interesses diversos das grandes empresas nacionais e estrangeiras.

Poder Legislativo: são os representantes legítimos das grandes empresas nacionais e estrangeiras em todos seus campos de atuação, desde a construção civil até o agronegócio, passando pelas igrejas neopentecostais. Tem por função a criação e/ou modificação das leis, sempre com o objetivo de beneficiar as grandes empresas e os negócios que representam.

Poder Judiciário: atualmente, está reduzido a ser formado pelos lacaios e lambe-botas do Poder Executivo e das grandes empresas nacionais e estrangeiras. Não é necessário maiores explicações.  

Para executar tão fundamentais e difíceis funções, é ostensível que todos os membros dos três poderes são muito bem pagos, inclusive de forma "extra", e não só, é claro, em dinheiro.

18 janeiro 2017

da Tua Escolha

tu podes dar à ave
um ave!
ou um tiro.
ver no seu ser
o Absoluto todo
ou absolutamente nada:
só carne a ser massacrada

há na moeda
uma coroa
e uma cara
e há a escolha
se escreverás
de um lado
ou de outro
da folha

só não podes julgar
que
escolhido um lado
o outro deixa
de ter estado

16 janeiro 2017

Pouca Coisa

à história
restam poucas páginas
à ciência
restam poucas mágicas
à palavra
restam poucas sílabas
aos senhores
resta pouca lógica
ao dinheiro
restam poucas fábricas
ao futuro
restam poucas dúvidas
às catástrofes
resta muita música
aos homens
restam muitas lápides
à humanidade
restam poucas décadas

14 janeiro 2017

Resistência

sendo poeta trabalho
na desafirmação do trabalho:
crio inutilárias
retrogradarias
impraticidades...

todas essas algumas coisas
que não servem para coisa alguma

o que fariam os homens de bens
com esse uni-versos in versos
de desprodutos?

o problema
é que um poema
é um resto de resistência
e mais ninguém resiste

mas não há outro jeito:
o que importa
é que meu papel 
está no papel:
o poema está feito
e existe

12 janeiro 2017

Três Considerações sobre o Fim da Humanidade

I - o fim da humanidade
não será
no estrondo de uma catástrofe
mas no silêncio de uma ignorância

II – a morte de uma civilização
não é quando morrem todos
os que fazem parte dela
quando morre uma civilização
todos os que fazem parte dela
estavam mortos antes

III – quando pessoas
puderem decidir quem vive quem morre
para que a humanidade ainda exista
é porque chegou o momento
em que a humanidade deixou de existir

10 janeiro 2017

o que mata não é a morte

o que mata não é a morte.
o que mata é a vida
que não é vivida

o que mata não é o choque do trem.
o que mata é o passo do trilho
do qual nunca se sai

o que mata não é o erro.
o que mata é o certo
que sempre se faz igual

o que mata não é a dor.
o que mata é o ter que ser feliz
para se mostrar que se é

o que mata não é a vida.
o que mata é o que se acha que se precisa
para se viver

07 janeiro 2017

sábios que co-acham

eles sabem
o que outros 
souberam por eles
e acham
que são sábios
e co-acham
sobre tudo

sobretudo
coaxam
sem sotaque

embaixo
do sovaque
carregam eterna mente
suas (in)descobertas de eureca
e filosofias de araque

coçando o saco
e o imaginário cavanhaque
mantém a (im)potência
da sua dita dura
e o próprio umbigo
empinado em destaque
de com
e im
postura
de ataque
basbaque

lá vão eles
de matraque
badulaque
e fraque

não viveram
mas sabem tudo da vida
de almanaque

05 janeiro 2017

Benedetti e a Farsa do "Grande Homem" (do dinheiro)

No seu romance "Gracias por el fuego", publicado em 1965, Mario Benedetti (1920-2009), um dos maiores escritores uruguaios, e um dos maiores da América Latina, apresenta-nos, em seu personagem Edmundo Budiño, o arquétipo do magnata arrogante, hipócrita, egocêntrico, ganancioso e explorador confundido com um "grande homem". 

Trata-de de figurinha bastante conhecida entre nós, brasileiros: aquele ricaço, grande empresário predatório, cafajeste sem escrúpulos, opressor dos trabalhadores, que não mede nem meios nem consequências para obter mais lucros e mais poder, inclusive, é claro, sendo corrupto e corruptor, mas que construiu uma imagem de grande cidadão, de exemplo para a sociedade, muito bem inserido nos meios políticos, respeitado e admirado como um dos maiores homens do Uruguai. 


Em um trecho do livro, seu filho, Ramón Budiño, que sente ódio e desprezo pela grande hipocrisia que é a vida de seu pai, e planeja matá-lo, imagina a imensa farsa que publicaria o jornal de Edmundo no caso de sua morte por assassinato. E eu imagino, no caso de ocorrer o mesmo no Brasil com filhos-da-puta da laia de Edmundo Budiño, que há muitos, o que publicariam nossos jornais... A mesma coisa, logicamente. A seguir, o trecho de "Gracias por el fuego":


"Quando nada fazia prever um desenlace fatal, faleceu ontem o doutor Edmundo Budiño, nosso diretor, vítima de uma síncope cardíaca. Logo que transpirou a surpreendente notícia, uma onda de consternação ganhou nossa cidade. Ninguém podia acreditar que Edmundo Budiño, alma parens de todo o bem, de todo nobre que a nação construiu em cinco décadas de avassalador processo democrático; ninguém poderia acreditar que esse infatigável guia das causas justas, que esse pontífice da caridade, que esse grande coração uruguaio tivesse deixado de bater. E havia razão para essa incredulidade popular, porque o coração enorme, generoso, esplêndido de Edmundo Budiño, continuará batendo, não só em nossas páginas, que sempre invocarão a magistral tutela de sua inspiração política e moral, mas também no povo, que através dos anos constituiu a preocupação mais profunda e mais sincera do grande homem."


"Gracias por el fuego" é um daqueles livros extremamente indicados para ser lido neste momento pelo qual passa a nação brasileira. 

03 janeiro 2017

A Humanidade está Velha

a humanidade está velha:
foi um envelhecimento precoce
de quem não soube envelhecer:
sem sonhos
sem sentido sem ideais
(não se acredita mais em nada
e nem se pode acreditar)
está como quem olha para um futuro
e não o vê

a humanidade está velha: não consegue
trazer nada em verdade novo:
vive de passado
só recapitula
tudo o que fez na história
e hoje é um amontoado de temas usados
que se repetem em caos
que se retornam em farsas
e em escalas decandentais

a humanidade está velha: e não aceita:
tantas experiências
tão pouco aprendizado
não se tornou sábia
mas se empederniu na insensibilidade
hoje, doente e caduca
já nem pode aprender
nem se reconhece diante do espelho

a humanidade está velha: com sua bengala
de arrogância
sai às cegas
a dar bengaladas na própria casa
e no próprio destino

a humanidade está velha: agonizante
e na quase total inconsciência
por intuição sente a presença da morte

sua esperança
está no que vem depois....

01 janeiro 2017

Extinção em Massa na Terra em 100 anos?


Infelizmente, há muito tempo, não vejo motivos para otimismos. A 1ª postagem de 2017 do blog O Fim é um sinal do que nos aguarda, se a humanidade continuar sendo o que é.  Abaixo, republico trechos de matéria do site Hype Science.

"A próxima extinção em massa da Terra – a primeira causada pelos seres-humanos – está no horizonte. E as consequências são inacreditáveis: três quartos das espécies podem desaparecer. Isso só aconteceu cinco vezes na história do planeta – incluindo a extinção em massa que matou os dinossauros. O que é diferente agora é que os seres humanos estão causando essas mudanças.

"Estamos queimando combustíveis fósseis e consequentemente aquecendo o planeta; transformando pedaços maciços de terra em fazendas; causando a disseminação de espécies e doenças invasoras em todo o mundo; impulsionando nossa própria quantidade e consumindo mais e mais recursos; e causando todos os tipos de problemas para os oceanos, desde a sobrepesca até encher ele com plástico. (Você sabia que os pesquisadores esperam que o oceano contenha partes iguais de peixes e plástico, em peso, em 2050?)”, escreve o jornalista John D. Sutter, autor do projeto “2 degrees”, que traz matérias que alertam sobre o aquecimento global, na rede americana de TV CNN.


Anthony Barnosky, diretor executivo do Jasper Ridge Biological Preserve, da Universidade de Stanford, nos EUA, afirma: “Não é apenas que as espécies estão sendo extintas a uma taxa alarmante – pelo menos 100 vezes o que poderia ser considerado “normal”, e talvez muito mais do que isso -, mas que as populações de animais ainda comuns estão diminuindo muito rapidamente”, alerta.

Barnosky diz que temos talvez 10 ou 20 anos para impedir que a sexta extinção se torne uma inevitabilidade. Se não fizermos nada, devemos esperar que três quartos das espécies desapareçam ao longo do próximo século ou do seguinte. Em outras palavras, o que fizermos (ou não fizermos) agora irá moldar as próximas gerações do planeta.

“Sim, as espécies estão sendo extintas muito, muito mais rápido do que deveriam ser”, diz Pimm, “o que significa que estamos privando inúmeras gerações de ver a diversidade extremamente rica que herdamos de nossos pais”.

E outros especialistas, incluindo Paul Ehrlich, professor de estudos populacionais na Universidade de Stanford, dizem que a sexta extinção já está aqui.

Nós provavelmente perdemos, digamos, 200 espécies – de animais grandes – ao longo dos últimos cem anos, mas podemos muito bem ter perdido na ordem de um bilhão de populações diferentes”, disse ele. “Estamos basicamente aniquilando a vida em nosso planeta e essa é a única vida conhecida que conhecemos em todo o universo, e é a vida que moldou o planeta, que tornou possível para nós vivermos aqui e continua tornando possível que vivamos aqui. Se não tivermos a diversidade de outros organismos, estamos acabados”.


30 dezembro 2016

Banquete de Virada

nos Anos-Novos
as pessoas falam em mudanças
mas durante os Novos-Anos
fazem o que estão certas
que devem fazer
e sempre acham
que devem fazer as mesmas coisas
e que estão certas no que fazem
e que cumprem seus deveres
e os deveres são sempre os mesmos
e cumpridos sempre da mesma forma

mudança seria
admitir que não se mudará

ninguém nunca se questiona nada
e no fim das contas
anos-novos paz vitórias felicidades
parecem um banquete da virada
mas é só o de sempre:
marmelada

28 dezembro 2016

Merdaria

mostra-me uma gota d’água
ainda não contaminada
com a merdaria humana.

merdaria
vai desde
a merda do organismo
que é o preço que se paga
de se viver o dia a dia
até a merda do progresso
a que se chama
com pompa e baba
de tecnologia

mostra-me uma gota-mar
ainda não tocada
pela quinquilharia humana.

mostra-me uma gota-lágrima
ainda não tocada
pela hipocrisia humana