Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



03 março 2015

Desumanidade

em outros tempos
não havia RG
não havia CPF

hoje
sem um registro
nem existo
sem um cadastro
nem deixo rastro

não importa se sou humano
mas se estou fichado no plano...

somos apenas
registráveis
cadastráveis
numeráveis
incontáveis
miseráveis

28 fevereiro 2015

Destruição Ambiental, Terrorismo Ecológico, Expressionismo, Crise Hídrica em São Paulo...

     
  

     Existe em nosso país uma visão simplista  e cruel por parte de uma grande parcela de nossa população, a saber, a de que os países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento podem consumir sem medidas seus recursos naturais e ambientais,  porque os países ricos já o fizeram, e têm agora a intenção de se apossar das riquezas dos demais países, através do que chamam de "terrorismo ecológico", que consistiria em "inventar" possíveis catástrofes planetárias como o aquecimento global. 

    Primeiro, isso de que países desenvolvidos destruíram todo seu ambiente natural é uma meia verdade. É certo que alguns o fizeram, EUA, por exemplo, mas também temos países altamente desenvolvidos, como Suécia, Finlândia, Noruega, Canadá, que mantém sua natureza em altos níveis de preservação. Até mesmo a Costa Rica, um pequeno e humilde país da América Central, vem sendo um exemplo digno de desenvolvimento sustentado e preservação ambiental, investindo no turismo controlado e tendo elevados ganhos financeiros com a preservação de suas belas florestas e praias. Na Costa Rica, mais de 80% de seu território  é ocupados por florestas, quase todas em parques protegidos. 

    Não entrarei agora no mérito de que são ou não causadas pelo homens as mudanças ambientais, se há ou não terrorismo ecológico.Já escrevi sobre o assunto em outras ocasiões.  Entrarei agora no mérito do que VEJO na minha região: rios que tinham vida, hoje mortos ou contaminados, o desaparecimento de animais que eu via com facilidade na minha infância, matas exuberantes hoje dando lugares a lavouras de soja infestadas de venenos, ou reduzidas a capões ridículos, campos deteriorados, desertificados. Isso não é teoria, não são projeções, são FATOS que vejo com meus próprios olhos. Isso é desenvolvimento? Não, é imbecilidade, crueldade, um descaso absurdo e injustificável com a vida, inclusive com a vida humana, que depende das demais vidas e dos recursos naturais preservados para continuar existindo.

Mesmo assim, os otimistas incorrigíveis estão certos de que tudo não passa de acidente de percurso, e que pessoas como eu somos uns "alarmistas".  Lembro-me, então,  e associo o que agora ocorre com o que ocorria nas últimas décadas do Séc. XIX e nas primeiras do Séc.XX. Naquela época, a humanidade se dividia em duas grandes correntes. A primeira, e a maior, eram os otimistas, os fascinados com o progresso científico e invenções tecnológicas, que achavam que durante a primeira metade do Séc. XX viveríamos um período de prosperidade econômica, social, humana, nunca antes visto, devido às descobertas científicas. Acreditavam que as doenças seriam banidas, que não haveria mais pobreza, miséria, que não haveria mais guerras, enfim, que todos ou quase todos nossos problemas seriam solucionados.


Do outro lado, estavam os que eram classificados como os pessimistas, os do contra, basicamente artistas (escritores, músicos, pintores) que, na forma do Expressionismo, captavam e expressavam um mundo bem diferente, um mundo sombrio e ameaçador, permeado de angústia, desumanização e descrença no homem. Percebiam que algo não estava bem e que isso explodiria nas próximas décadas. 


O resultado todos sabemos: em 1945 tínhamos uma Europa devastada pela 2ª Guerra Mundial, duas bombas nucleares detonadas em solo japonês, o mundo mergulhado em caos, medo e miséria, dentro do temor insano da Guerra Fria... E olhem que naquela época NEM SE COGITAVA na ameaça ambiental.


Um exemplo da corrosiva ação humana  atual no planeta pode estar na histórica crise hídrica em São Paulo. Sobre o assunto retiro trecho de uma esclarecedora postagem do blogueiro Ivanhoé Eggler Ferreira:



"O Brasil é um dos países mais ricos em água do mundo. Com cerca de 13% de toda água doce do planeta. Mas o maior consumidor de água no país é o agronegócio (72%), que tem a produção voltada para exportação de soja, carne bovina e suína. Para se ter uma ideia, só em 2013, o agronegócio gastou 200 trilhões de litros de água, o equivalente a 200 Sistemas Canteira cheios. Indústrias consomem na ordem de 22% . O governo e a imprensa tentam colocar a culpa apenas na natureza pela falta de chuva para encher os reservatórios e tenta colocar sobre a população a responsabilidade de solucionar o problema da economia de água. Mas a verdade é que o uso doméstico equivale apenas a 6% do consumo de água no país."


A postagem de Ivanhoé pode ser conferida  na íntegra aqui.

(Na imagem, o sombrio e profético expressionismo de Munch em seu famoso quadro "O Grito",  de 1893.) 

26 fevereiro 2015

A Vida Humana está mais Curta

as pessoas agora
existem por mais anos
e vivem menos tempo

tudo é rápido
técnico
prático

já não se vive o momento
porque se está sempre
no momento seguinte:
a vida tornou-se
"o que se tem que fazer"

são tantos horários
que não há hora pra nada

as pessoas não mais contemplam:
quem não contempla
não reflete
quem não reflete
não percebe
se não se percebe
não se vive

enfim
(que já passei da hora)
alongamos nossos anos
encurtamos nossas vidas

(Na imagem, o quadro "A Persistência da Memória", de Salvador Dalí)

24 fevereiro 2015

Três Tiros

I – onde há mandantes
não há pensantes
e vice-versa

II – a humanidade combate
as grandes tiranias
mas alimenta
as pequenas

III – a melhor censura
não é proibir
as ideias surgidas

é convencer-se
de que elas nem devem surgir

22 fevereiro 2015

Sartori vai atrasar seu próprio salário, da primeira dama, vice, secretários, CCs, deputados...

Estou orgulhoso do nosso governador. Não votei no Sartori, mas hoje me arrependo. Declarou o "amigo da galera" que pode atrasar os salários dos servidores. Perfeito. O sacrifício pelo estado está acima de tudo. Que estadista! O estado está sem dinheiro. Não há dinheiro para a Saúde, para a Educação, para a Segurança, não há como pagar dívidas, não há como nomear ninguém, não há como investir em nada, e a população não paga mais impostos. Sim, porque se pagasse haveria dinheiro. 

Ah sim, ou então pagamos altos impostos para que sejam usados para pagar os justíssimos aumentos dos parcos salários da administração do estado, do seu sublime secretariado, dos ilustres deputados, nossos mártires, dos magistrados, enfim, de toda essa gente que trabalha muito, sem regalias, e ganha pouco. Se o dinheiro dos nossos impostos está sendo usado para isso, fico aliviado. Eu poderia até doar meu salário para ajudar essa gente abnegada que dá o sangue pelo estado.


Fiquei boquiaberto com as mentiras do ex-governador Tarso sobre o assunto, que afirmou:



"Não só não esgotamos como reduzimos a relação dívida-PIB, no Estado, abrimos novos espaços fiscais e fizemos novos financiamentos, separamos dinheiro para contrapartidas com a União e captamos volumosos recursos; reestruturamos a dívida do Estado com a União e já deixamos uma proposta de novos financiamentos, para utilização do novo espaço fiscal. Usamos os recursos dos depósitos judiciais, para ajudar a financiar o Estado. Não atrasamos salários e fizemos investimentos, melhoramos a máquina pública, porque soubemos manejar uma situação que foi difícil e continua difícil”. Tal absurdo pode ser conferido aqui. Como ele pode afirmar algo que vai contra um homem tão bom, tão simpático, tão amável, como nosso querido governador Sartorino???

Bom, mas deixem pra lá, porque o importante é que essa gente abnegada, governador, primeira dama, secretários, cargos de confiança, deputados... enfim, todos eles vão abrir mão de seus salários, pelo menos por um tempo, para que o estado volte ao rumo correto.  Sim, porque se os salários dos servidores irão atrasar, iniciará por quem? Lógica e naturalmente, por aqueles que mais recebem, e como estão lá PELO E PARA O POVO devem iniciar dando o exemplo e, sem dúvidas, atrasarão seus próprios salários, em prol do bem comum e do progresso geral de nossa terra.

Só falta virem me dizer agora que não será assim, que eles, os salários mais altos, não serão atrasados, mas apenas dos servidores que recebem menos, policiais, professores, agentes da saúde, bancários etc. Não, não pode haver alguém tão tolo que pense de maneira tão desumana.

20 fevereiro 2015

Twitter para Brahms

Como vivemos a era da velocidade (que também significa a era do imediatismo e da superficialidade) pensei, como um bom fanático por Brahms,  em mandar mensagens pelo twitter para meu compositor preferido, ou para o celular, por SMS. Afinal, se ele pode ter CPF, pode ter twitter também.


1º twitter

a vós que sois
a voz de sóis

2º twitter

a vós que a sós
das sombras sons
que assombros são
e assombrações

18 fevereiro 2015

Contradição

afirmam alguns
que a vida surgiu do nada

mas o que seria o nada?

de duas
uma:

I
– a toda vida que há
surgiu do nada que não é?
mas como
se até na matemática
qualquer número
vezes zero
é sempre zero?

ou o nada
é só um nome que damos
às causas
que não alcançamos
em nossos limites?

II – ou então o nada
é o nada mesmo
e ponto.

nesse caso
a vida que vemos
também é um nada

se é um nada
não existe

ou existem nadas
que existem?

e quem vê o que não existe
se só acredita vendo
acredita no que não existe

como pode o que não existe
existir?


16 fevereiro 2015

a uma Serpente

entre o sim e o som
silência o céu
e o segredo

a calma de alma
que nunca passa
teu sempre sábio
sol de sonata

adagio largo
a calma da água
que nada
(a)tinge

adagio lago
que pedra alguma
perturba (a)funda
infringe

tranquila alaga
nada em meu nada

a calma da adaga
que ninguém enfrenta
ou afaga

singra o teu sopro
sereno em sereno

sangra o teu sonho
de fogo e de inferno
a que tudo se rende

e és só um silvo
de serpente

que ascende

13 fevereiro 2015

Ninguém é Importante

as pessoas querem ser importantes...
ninguém é importante
não, não é
porque se passa

a não ser que se seja gênio
e mais ninguém é gênio
gênio é quem muda a forma
do mundo mudar
mudando as almas mudas...

e já não há o que ser mudado

as pessoas querem ser importantes...
se querem é porque não serão:
querer é não ter ser
e só o Ser permanece

gênio é quem tem o ser
sem ter que querer

as pessoas querem ser importantes
só porque querem alguns alguéns
que as amem

mas...

amém

11 fevereiro 2015

Aos Deslumbrados (ou O Puma)*

ter-se cuidado
com a sede de vida:
a sede da alma
maior ainda

impossível saciar ambas
pelas cordas bambas:
estrada é fio de navalha
e até mesmo há perigo
em comer pêssego
e soltar o caroço
dentro do poço

nem tudo é eu posso:
às vezes fica tarde
e noutras, tempestade
ou sol de seca

nem sempre há boa colheita
e a vida não é soprar
e fazer espuma:
atrás da mata com flores
se oculta o silêncio
do bote do puma

*Poema reelaborado e republicado.

09 fevereiro 2015

Outro Maldito: Lautréamont - "Eu, sozinho, contra a humanidade"


De vez em quando, comento alguma coisa e apresento algum trecho de uma obra daqueles autores malditos da literatura. Poe, Baudelaire, Rimbaud, Blake,  Fernando Pessoa (que tem seu lado maldito), Augusto dos Anjos, entre outros, já passaram por aqui. Hoje é a vez de Isidore Ducasse, ou Conde de Lautréamont, como ficou conhecido, autor de uma obra terrível, que prima pela lógica do absurdo, e mostra de forma impiedosa a verdadeira face da humanidade:  Os Cantos de Maldoror, uma das mais extremas obras da literatura universal.

Lautréamont nasceu em Montevidéu, no Uruguai, em 1846, mas em 1859 foi para a França estudar, onde morreu em 1870 com apenas 24 anos de idade. Tanto sua vida como sua morte ainda permanecem sob um manto de dúvida e mistério. No seu atestado de óbito consta que não há informações sobre sua morte. Foi um gênio precoce. Na França, escreveu quase toda sua obra, e, entre 1868 e 1869, Os Cantos de Maldoror, que só chegaram ao conhecimento do público em 1874, 4 anos após sua morte.



A obra, inclassificável, escrita num misto de narrativa e de poesia em prosa, tendendo para esta última, chocou a sociedade europeia da época pelas suas doses altíssimas de imaginação e absurdo e por, ao mesmo tempo, dentro de um ambiente de uma selvagem literatura fantástica, desnudar de forma cruel a realidade do negro (e mascarado) interior humano. Outros literatos ao conhecerem sua obra  tomaram-se de um completo entusiasmo, vendo em Lautréamont um gênio "acima das possibilidades humanas", um autêntico precursor do Surrealismo. Já outros, incomodados com a verdade e com os extremos de sua obra, diziam que Isidore Ducasse era apenas um desastre, um fracasso humano total. O que você acha? Alguns trechos de "Os Cantos de Maldoror":

"Tempestades irmãs dos furacões, céus azulados cuja beleza não aceito, mar, hipócrita imagem do meu coração, terra de seio misterioso, habitantes das esferas, universo inteiro, Deus que o criou com esplendor, a ti te invoco: mostra-me um homem bom... Mas nesse caso, que tua graça multiplique meu vigor natural, pois ante o espetáculo de um monstro tal, posso morrer de assombro..."


"Pois bem, que assim seja! Que minha guerra contra o homem se eternize, já que cada um de nós reconhece no outro sua própria degradação... já que somos ambos inimigos mortais. Quer deva eu conseguir uma vitória desastrosa ou sucumbir, o combate será belo; eu, sozinho contra a humanidade".


"Ó ser humano! Eis-te agora, nu como um verme, diante do meu gládio de diamante! Abandona teu método; passou o tempo de te fingires orgulhoso; lanço sobre ti minha oração, em atitude prosternada. Alguém observa os mínimos movimentos de tua vida criminosa; estás envolvido pelas malhas sutis da tua perspicácia encarniçada. Não confies nele quando vira as rédeas, pois te encara; não confies nele quando fecha os olhos, pois ainda te encara."

Para encerrar:


"Eu, como os cães, sinto a necessidade do infinito...Não posso, não posso satisfazer essa necessidade! Sou filho do homem e da mulher, ao que me dizem. Isso me espanta...acreditava ser mais! De resto, que me importa de onde venho? Se dependesse da minha vontade, teria preferido ser antes o filho da fêmea do tubarão, cuja fome é amiga das tempestades, e do tigre, cuja crueldade é reconhecida: eu não seria tão mau”.



07 fevereiro 2015

Quando já não fores o que (não) és*

tens certeza?
não, não tens certeza de nada.
ter certeza é ilusão
projeçao equivocada:
achar que o hoje é o amanhã
e que tu serás sempre
o mesmo de agora
é julgar que não muda o clima
ou que não passa a hora

amanhã serás outro:
e o teu outro eu
(que sempre foi teu)
te dirá: menti!
pensarás o que nem pensas
e o que hoje sentes
não estará mais em ti

amanhã negarás frio
o que já disseste com emoção
viverás planos que não tinhas
e felicidade já serão saudades

tens certeza?
não, não tens de nada.
o tempo confirma ou desmente:
viver é saber
com a alma enganada

nem a morte é certa:
ela pode estar longe
ou pode ser já.
certeza é só o Fim:
por mais sol que tenha o dia
é certo que anoitecerá


*Poema reelaborado e republicado