Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



14 setembro 2014

Criação

I

pouco
em real
faço:
crio
como a água
em paz ou fúria
desce o rio

II

se Deus
existe ou não
não cabe a mim
dizê-lo ou sabê-lo
sei
que a imaginação
(mas não que eu saiba)
é a continuação

III

poesia
(com ou sem rima)
é o que resta
do que faz a verdade
acima
da diária luz do dia

(Na imagem, detalhe de "A Criação", de Michelangelo)


12 setembro 2014

Não voto em Filho da Puta

Este poema escrevi quando das eleições de 2012. Reelaborei-o ano passado e agora o publico de novo. É sempre válido.


prezado
senhor candidato:
com todo respeito
vou pegar o meu voto
e enfiar no teu rabo
de rato

não me venhas
com apertadinhas de mão
podres imundas infectas
de bactérias vírus e fungos
de corrupção

no teu sorrisinho
de boca amarela e fingida
vou escarrar meu catarro
de muco sangue e saliva

não me venhas
perturbar meu sono
com tuas alegrezinhas
musiquinhas ridículas:
eu sei muito bem
quais são as alegrias
das campanhas políticas...

então queres
passeatas
carreatas
mamatas?

conchavos
conluios
canalhas?

tratados
tramoias
trapaças?

sobre a "auréola" do teu santinho
vou apagar o veneno
de um cigarro vadio...
senhor candidato
vai à puta que pariu!

09 setembro 2014

"Dar centavos com a mão esquerda, depois de tirar milhares com a direita, chama-se caridade." Google homenageia o grande Tolstói

O Google faz hoje uma bela e justa homenagem a um dos maiores gênios de todos os tempos, o escritor russo Liev Tolstói, nascido em 9 de setembro de 1828. Na homenagem do Google, aparecem cenas de três de suas principais obras: o gigante, monumental romance épico "Gerra e Paz", o ao mesmo tempo sublime e terrível, misto de idealismo romântico e de realismo impiedoso "Anna Karenina" e aquela que talvez seja a mais perfeita e mais reflexiva novela de todos os tempos: "A Morte de Ivan Ilitch", obra profundamente inquietante

A capacidade de Tolstói de nos fazer refletir sobre a sentido da existência, sobre a relação do homem consigo mesmo, com o próximo e com o seu destino é algo assombroso. Não há como se permanecer indiferente frente à suas ideias, seus ideiais, entre sublimes, sonhadores, grandiosos, verdadeiros e polêmicos. 


São trechos como os abaixo que nos fazem pensar, pensar e sentir:


"O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte. E quem não tem medo da morte possui tudo."


"O único fim dos tribunais é o de manter a sociedade no seu estado atual."

"O dinheiro representa uma nova forma de escravidão impessoal, em lugar da antiga escravidão pessoal."

"A mulher é uma substância tal, que, por mais que a estudes, sempre encontrarás nela alguma coisa totalmente nova."


"Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira."


"Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar-se a si mesmo."


"Governos precisam de exércitos para protegê-los de seus oprimidos e escravizados súditos."


Bom, eu ficaria eternamente colocando frases do eterno Tolstói. Paremos por aqui.


07 setembro 2014

um Homem não se queixa

um Homem
não se queixa
a não ser a si e ao seu ser

criancinhas
é que vão aos ouvidos dos pais
queixar-se do que não podem
enfrentar por si mesmos

um Homem
mantém firme sua angústia:
é ela que alimenta sua grandeza

um Homem não se queixa
não dá queixa
não pede para outros
darem um jeito na sua impotência
não reclama às autoridades
nem acredita nelas
não se caga dos desafios
não corre para os refúgios
das pregas da sociedade

um Homem
não se queixa
não chora no ombro de puta
ou de gueixa 

06 setembro 2014

Vazios Humanitários

I

a poesia
ocupa cada vez
menos espaço
porque o homem
já está saturado
esgotado
explodindo
de vazio

II

o que há de mais antiquado
que escrever
“sublimemente”?
primeiro
é contra as regras literárias
segundo
é contra os vazios humanitários
por isso a palavra
nem foi escrita
logicamente

III

há homens
que acham que dizem algo
dizendo
o que (não) tem a dizer...
poderiam poupar-nos
da sua fra(n)queza

03 setembro 2014

TIEFEN DER SEELE Magazine

A Tiefen Der Seele Magazine é uma publicação, algo como uma revista, em formato PDF, voltada para a cultura dark e afins. A revista é tamanho A4 e possui 60 páginas tendo em seu conteúdo música, literatura, arte, fotografia, HQs, divulgações diversas, contos, poesias, traduções de letras músicas, releases e outros. Participo da primeira edição com o poema "Que Seja Sobre o Sangue", escrito em 2012.



01 setembro 2014

ao Fim da Rosa*

rosa que paira pelo não-vindo
quem foi que sagrou-te à tormenta
quem foi que matou-te em meu sangue
rosa que vaga pelo meu grave?

quem foi que falou-nos de amor-te
daquilo que pulsa mas sempre te parte
o alguém que arrancou-te da noite
rosa que doente pelo meu sempre?

quem te avassala pelas espadas
em vasto martelo firme na morte
e arrasta teu lago vazando-me o rastro
rosa que morre pela minha veia?

onde deixaram o teu passo na lama
rosa que afoga em tudo que chove
no medo que corta do que te consomes
rosa que vai-te em tudo que corre?

quem é que te lança na faca que mata
rosa que afunda em tudo que é podre
rosa que finda em todo meu nada...?
rosa esmagada.

*Poema reelaborado e republicado
 (Na imagem, o quadro "Vaso com Cinco Girassóis", de Van Gogh)

31 agosto 2014

Homem Fraco, no site do Pragmatha

O Caderno Literário Pragmatha, de Porto Alegre, tem agora seu site. Os poemas de cada edição do caderno podem ser conferidos isoladamente e compartilhados nas redes sociais. Meu poema "Homem Fraco", publicado na edição 57 do Caderno, pode ser lido aqui. Outro poema, Soneto de Retorno, da edição 58, está aqui.

29 agosto 2014

Derrame meu Sangue

não diferente de todos os homens
sou um homem pós-moderno:
o que sobrou de humano
após o pós-tudo

sou um marco do que-não-foi
no pico do fim da história

sou o resto
da contemplação ininterrupta
do Horror
o resto
da devastação impassível
do Caos

sou o resultado de séculos
de esmagamento da alma

mas no resto que me resta
subiu-me algo de vasto
que ainda não está
em nada do que faço
mas que cresce como crise
ou crime:

um dia tu o verás
no que ainda não te disse

25 agosto 2014

Três Frases

I - quando se Olha
(se quem olha
tem olhar)
se fala
que há um além
da fala

II - já disseram
(Maupassant)
que a alma
está no olhar...
acrescento
que é a alma
quem olha:
quem não a tem
não vê

III
- o Olhar
é o palco possível
do impossível

23 agosto 2014

Na Casa da Ana Amélia em Santiago, o vazio dos discursos e mais uma pérola do deputado Luís Carlos Heinze

Na inauguração da  casa da candidata do PP ao governo do RS, Ana Amélia Lemos, que foi quase em frente à minha casa, tive a infelicidade de ter que ouvir todos os discursos demagógicos, previsíveis e vazios daqueles políticos que de 4 em 4 anos vêm pedir votos aos santiaguenses. Depois esquecem do povo, mas não podemos condená-los, afinal, são seres humanos como todos nós e podem, como qualquer um, sofrer de amnésia, que é um problema fisiológico. Sem falar em suas agendas lotadíssimas, as quais incluem encontros com os ricos e influentes, churrascos exagerados, apertos de mão infindáveis e esticamento de boca para sorrirem constantemente etc. Não há, e nem pode haver tempo para o povo, um mero detalhe.

Afinal, não é o povo que dá sustentação ao partido, são os grandes latifundiários, os empresários do agronegócio, o lucro das grandes empresas,

Nem mesmo o discurso da já intitulada "governadora", tamanha é a humildade dos progressistas, escapou do vácuo do lugar comum, falando por cerca de 10 minutos sem dizer absolutamente nada que servisse para alguma coisa. O que é compreensível, afinal, agora, o que importa é elevar o moral dos militantes dizendo que a vitória é garantida.

Mas fiquei preocupado quando a candidata do PP afirmou que Santiago serve de exemplo de administração. Meu Deus! pensei, se a Aninha ganha estamos fodidos! Se Santiago é exemplo, teremos no RS uma prefeitura de Santiago gigante? Mas acredito que a afirmação da Ana Amélia foi por ignorância, ela, certamente, não teve tempo de conhecer os bairros, as ruas da periferia, o desemprego, as "fachadas", os apadrinhamentos, a estagnação, enfim, toda a Política da Aparência tão em voga em nosso município. Eu a desculpo.

Mas o ponto alto mesmo da inauguração foi o discurso do deputado Luís Carlos Heinze, e não podia ser diferente, o cara é um showman. Depois de dizer, há alguns meses, que "quilombolas, índios e gays" são "tudo o que não presta", agora o Heinze saiu com esta: "há 54 anos a família progressista COMANDA e MANDA em Santiago". O Heinze deixou escrachado o coronelismo do PP. 

Bom, o deputado não mentiu, é um cara sincero, mas alguém tem que avisar o Heinze que política é a arte da dissimulação, do fingimento,  ele não pode ficar dizendo abertamente esses absurdos. Vai estragar a campanha. Porque um governo, um partido, não deve, ou não deveria, comandar e mandar, deve governar DEMOCRATICAMENTE para o povo. Políticos são funcionários do povo, empregados, servidores dele, não aqueles que "mandam". Mas parece que "comandar e mandar" é o jeito PP de fazer política. Parece exército, ditadura... Ah, esqueci que eles sustentavam a ditadura há muitos anos, já esquecidos, uma vez que o brasileiro tem memória curta.

Ainda bem que na inauguração da Casa da Aninha não tinha muita gente, e tudo acabou rápido, até porque não havia muito o que ser dito mesmo. Menos mal que a tortura durou pouco.

(Ah é, eu me enganei e coloquei uma foto da ex-governadora Yeda Crusius lá em cima. É que acho ela tão parecida com a Ana Amélia que me confundo.)


22 agosto 2014

Vagações de um Errado

quanto mais me tento acertar
mais me alongo do acerto
se me aproximo
me vejo entre o longe
e ao lado do sol me visto de frio
como o poço que é sempre mais poço
quanto mais está vazio...

talvez porque o certo
não seja o que é acerto
nem o que mais perto

falo para um além
que está num longe onde
e quando digo ao meu ouvido
é distante o que está comigo
é um sopro que ao não me responde

em que ego o meu eco ecoou pela Terra?

errando pelo caminho
tornei-me o deus em não ter nada
e matando-me  o espero
deixei minha morte
no alto do cerro:
acertei-me mais
quanto mais mirei no Erro...