Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



03 setembro 2015

O que é se Importar?

o que é se importar?
é se achar importante?
ou talvez se vir
de algum lugar que não
a outro lugar que sim?
se importar
é comprar de fora
a si próprio?

ou será
que se importar
é deixar de portar
o que nunca se teve?
ou é ainda
não saber se portar?

ou talvez
seja abrir portas
ao contrário
ou deixar de abrir
as portas
que nunca se viu?

afinal
o que é se importar?

seja o que for
eu não me importo.

01 setembro 2015

Sobre a Volta da Ditadura e sobre Outras Submissões

ser mandado
é mais fácil
do que ter pensado
é mais cômodo ter um chefe
do que ter uma ideia

o que a massa quer
é quem lhe diga o que fazer
quem lhe aponte aonde ir
quem lhe dê razões sentidos
(tudo mastigado)
para o sem-sentido de se estar vivo

quer quem lhe pegue pelo braço
quem lhe use a sua boca
para não ter que falar nada
quem decida qual o lado
qual é certo e qual errado

o que a massa quer
é não ter que querer
mas ter quem queira em seu lugar
e lhe diga: assim/assado

enfim
a massa
quer ser amassada



30 agosto 2015

Mensagem aos Extintos

seres que vos extinguis:
a que oculto
o que mistério
vos leva...?
o que vos leva,
em que mistério
é oculto?...

quando vos fordes
ocultai convosco
meu fracasso humano
quando partirdes
arrastai com força
meus ausentes planos
e meu longínquo sangue
despejai ao longe

o que pulsou comigo
não deixeis que siga
na desalada vida
e o desperado  verso
que perambula e erra
escondei da terra

é o que me esperanço
nos confins
a que vos destinais...

que eu me esqueça do existe
em vossos eternos jamais

mas guardai
em almas
esta arte dos tardes

para quando voltardes

(Na imagem, o último Tigre do Cáspio, espécie extinta nos anos 60.)



28 agosto 2015

"Em nada me risquei do rol dos ignorantes." Goethe

Johann Wolfgang Von Goethe (1749 - 1832), cujo aniversário se comemora hoje, foi o maior gênio da literatura alemã, e um dos maiores da literatura universal, o grande precursor do Romantismo. Em sua obra máxima, Faust (Fausto), um dos pontos mais altos da arte, expressou praticamente todas as questões essenciais que assombram a humanidade, cogitou sobre tudo,  e expôs como raros o drama da eterna busca do homem pelo conhecimento. 

Mas o que é o conhecimento? É isso que Goethe, dramaticamente, questiona. É acumular leituras sobre leituras, investigar todas as coisas pelo alcance das  "lentes" da ciências ou o Conhecimento vai ainda muito além? O texto abaixo, extraído do quadro II, Cena I do 1º Fausto (pois há o 2º, além do chamado "Fausto Zero", uma espécie de ensaio para a obra), apresenta-nos o trágico dilema.

Fausto I - Quadro II - Cena I (Trecho)

Ao cabo de escrutar com o mais ansioso estudo
filosofia, e foro, e medicina, e tudo
até a teologia... encontro-me qual dantes;
em nada me risquei do rol dos ignorantes.
Mestre em artes me chamo; inculco-me Doutor;
e em dez anos vai já que, intrépido impostor,
aí trago em roda viva um bando de crendeiros,
meus alunos... de nada, e ignaros verdadeiros.
O que só liquidei depois de tanta lida,
foi que a humana inciência é lei nunca infringida.
Que frenesi! Sei mais, sei mais, isso é verdade,
do que toda essa récua inchada de vaidade:
lentes e bacharéis, padres e escrevedores.
Já me não fazem mossa escrúpulos, terrores
de diabos e inferno, atribulados sonhos
e martírio sem fim dos ânimos bisonhos.

Mas, com te suplantar, fatal credulidade,
que bens reais lucrei? Gozo eu felicidade?
Ah! nem a de iludir-me e crer-me sábio. Sei
que finjo espalhar luz, e nunca a espalharei
que dos maus faça bons, ou torne os bons melhores;
antes faço os bons maus, e os maus inda piores.
Lucro, sequer, eu próprio? Ambiciono opulência,
e vivo pobre, quase à beira da indigência.
Cobiço distinguir-me, enobrecer-me, e vou-me
com a vil plebe confuso, à espera em vão de um nome.
E chama-se isto vida! Os próprios cães da rua
não quereriam dar em troco desta a sua.

26 agosto 2015

O absurdo (des)governo de Sartori poderia ser tema de um romance de Kakfa

Franz Kafka, gênio da literatura, é considerado o Rei do Absurdo. Romances como "O Processo" e "O Castelo" são bíblias da Literatura Fantástica. Ao mesmo tempo, constituem libelos contra a opressão, a tirania e a injustiça da vida moderna. Em "O Processo", por exemplo, um homem é acusado, processado e julgado por alguma espécie de crime que ele nunca vem a saber qual é. Ele é julgado sem saber o que fez. Nem mesmo seu advogado fala a ele. O romance se desenvolve numa atmosfera de pesadelo e irracionalidade, onde absurdos acontecem como se fossem absolutamente normais.

Parece o que vivemos hoje no RS, com o governo de Sartori. Os servidores estaduais e serviços básicos à população, como Educação, Saúde e Segurança estão sendo castigados sem que fique claro o real motivo do fato. Sim, por que qual é mesmo o motivo? Não há dinheiro? Se não há dinheiro, por que Sartori (nem o chamo de governador) concedeu, de INÍCIO, aumento a todo seu secretariado, deputados, seu vice, a si mesmo (depois recuou, por vergonha), concedeu bônus de 8 mil reais a seus CC's, nomeou centenas de CC's e FG's e não pressiona nem o Legislativo nem o Judiciário para cortar despesas, tanto é que a Assembleia Legislativa acabou de aprovar um aumento das diárias dos deputados e seus servidores. Então, não há dinheiro?

Expliquem-me então este absurdo, non sense total: não há dinheiro para serviços básicos da população que paga impostos, mas há de sobra para quem não precisa de mais dinheiro?

Então, quer dizer que Educação, Saúde e Segurança eram prioridades para o Sartori, mas são o primeiro a serem cortados? Creio que não entendemos direito. Eram prioridades PARA O CORTE.

Querem outro absurdo? Sartori fechou secretárias, como a da Política para as Mulheres, mas criou uma secretaria para a SUA mulher. 

Outro absurdo? Sartori alega ter os cofres do estado vazios, mas não está nem aí para a Sonegação Fiscal. Ou seja, é melhor cortar dos serviços básicos, do que cobrar de empresários desonestos. 

Outro absurdo? Digamos que realmente não houvesse dinheiro e todos esses aumentos aos privilegiados que Sartori concedeu não houvesse sido concedidos. Ainda assim, para áreas prioritárias, o governador, se o fosse, poderia usar o dinheiro dos depósitos judiciais, o que já foi autorizado pelo Legislativo, e o Judiciário abriu mão de metade dos juros. Ou seja, Sartori diz não ter dinheiro, mas não quer usar o que tem. Hã? Como assim?

Então, em meio a tantos absurdos kafkianos, o que realmente quer Sartori? Quer criar um clima de caos para aprovar suas medidas contra o povo, como aumento de impostos. Quer desmontar os serviços públicos para "provar" que eles não prestam e de devem ser privatizados e terceirizados. Quer colocar a sociedade contra os servidores públicos, deixando a entender que eles oneram o estado e são os responsáveis pela crise. Enfim, Sartori quer entregar o estado à iniciativa privada, que é quem sustenta o seu desgoverno.



24 agosto 2015

da Ilusão da Escolha

I – na vida
temos a ilusão
da escolha
mas tudo
nos é imposto:
desde os impostos
até nossos postos

II – porque nossa vida
está condicionada de uma maneira
que não haja maneira
de haver vida
e de tal forma
que não saia da fôrma

III – viver
tornou-se apenas sobre.
sobretudo
o sentido:
sobrenada




22 agosto 2015

Vagações de um Errado*

quanto mais tentei-me acertar
mais alonguei-me do acerto
aproximar-se
é ver-se entre o longe
como o fundo que é sempre mais fundo
quanto mais está no horizonte

talvez porque o certo
não seja o que é acerto
nem o que mais perto

quando digo ao meu ouvido
é distante o que está comigo
é um sopro que ao não me responde

em qual eco o meu ego ecoou pela Terra?

errando pelo caminho
tornei-me deus em ser nada
(fosse eu a névoa
logo acima
do alto do cerro...)
acertei-me mais
quanto mais mirei no Erro

*Poema reelaborado e republicado


20 agosto 2015

Meus Defeitos

I - essas preocupações
do dia a dia
esses planos
para o futuro
esses sonhos
de crescimento
me aborrecem:
acho tudo isso um saco
é, eu sei
sou muito antiprático

II – percebi
que não tenho temperamento
para mestrados
doutorados
PhDs

é que muitos acabam
(a)mestrados
então prefiro
douTornados
e pH d vinhos

III – dizem alguns
que sou um cara polêmico
não
na verdade
sou um cara polênico:
prefiro o pólen
dos campos ilusórios
do que o pó
dos reais escritórios

19 agosto 2015

Sartori VIOLA direitos constitucionais em suas declarações contra Servidores Estaduais

Publico texto retirado da página do Sindicato dos Professores Estaduais, CPERS (os grifos em vermelho são meus):

A ameaça de corte de ponto dos servidores estaduais que aderirem ao movimento grevista de três dias decidido em assembleia geral do CPERS/Sindicato e de outras categorias representa verdadeiro ato de terrorismo na tentativa de enfraquecer o legítimo e constitucional direito dos servidores de entrarem em greve.

A greve, todos sabemos, é medida extrema, mas não é ilegal, pelo contrário, tem sua previsão no art. 9º da Constituição Federal. A greve deflagrada nesta terça-feira também não é abusiva, pois é uma reação ao parcelamento de salários que vem ocorrendo, bem como uma série de medidas encaminhadas pelo Governo do Estado que ferem direitos conquistados pelos trabalhadores estaduais.

O corte de ponto anunciado viola o direito constitucional de greve, bem como o princípio da dignidade humana, uma vez que os vencimentos dos servidores públicos têm reconhecidamente natureza alimentar, por isso o Supremo Tribunal Federal, através de seu Presidente o Min. Ricardo Lewandowski , reconheceu, recentemente, a ilicitude no desconto de salários decorrentes de greve aos professores do Estado de São Paulo (Reclamação 21040).

No caso do magistério, os professores sempre recuperaram as aulas, cumprindo a obrigação legal estipulada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, o que aufere, ainda mais, ilicitude ao corte de ponto.

Qualquer tipo de ameaça de demissão a servidores em estágio probatório ou em contrato, também viola o direito constitucional de greve, além dos princípios da moralidade e da impessoalidade, não podendo-se admitir que haja, na esfera pública, qualquer tipo de perseguição a adesão a movimento legítimo. Da mesma forma, qualquer ameaça a destituição de funções de direção legitimamente eleitas também fere os princípios constitucionais da impessoalidade, da moralidade, da legalidade e de greve.

Portanto, o anuncio proferido pelo Sr. Governador tem como único objetivo tentar enfraquecer o movimento, cuja força está estampada nas ruas e com adesão significativa não apenas dos servidores estaduais, mas da sociedade em geral.

Serviço público de qualidade se presta com servidor público dignamente remunerado e com salários em dia. A inexistência de qualquer mesa de negociação, sem a apresentação de qualquer medida concreta por parte do Governo, legitima e garante a justeza do movimento unificado de greve.

17 agosto 2015

Perdendo o Tempo*

pergunta Fernando Pessoa:
“o que é o tempo para que eu o perca?”

ler um romance
no lugar de ganhar dinheiro
é perder meu tempo?

ouvir música
no lugar de ler o romance
é perder meu tempo?

se eu brincar com um gato
no lugar de ouvir verdades
perderei meu tempo?

se eu for buscar inspiração
perderei o meu tempo?

se eu entender toda a humanidade
sem sair da minha preguiça
(que necessidade que há
de se sair da preguiça
para se entender a humanidade?)
perderei o meu tempo?

se o irreal é a perda do tempo
o real seria o seu ganho?
e como isso funcionaria?

a falsa felicidade de todos
veio do ganho de tempo?

ganharei o meu tempo
engendrando planos?
ou ganharei o meu tempo
fazendo o que sei que não quero
para ter o que penso que quero?

ganhar tempo
é ser útil a mim
e  à humanidade?

mas o que seria
útil a mim
e à humanidade?

ser produtivo
é um ato falho.
não produzir nada de útil
é o mais difícil trabalho

*Poema reelaborado e republicado.

15 agosto 2015

Ninguém melhora Nínguém

I - não escrevo
para que os outros me leiam
me entendam
me decifrem

escrevo
para eu fazê-lo
com os outros

II - não escrevo
para melhorar ninguém

(só o si
se melhora a si)

escrevo a meu ser
que saindo da miséria de mim
se vá além

III - ser poeta
é perceber
que não se percebe
é dar-se conta
de que não se dão conta


13 agosto 2015

Bebida Forte

I
a poesia
(pelos olhos)
é pouco lida
porque exige
(pela alma)
muita lida

II
em termos de poesia
as pessoas
preferem os eventos
já eu
ao termo da poesia
prefiro os ventos

III
a poesia é vida
e onde há vida
há morte

a poesia
também pode ser festa
mas com bebida forte

11 agosto 2015

Álcool e Cigarro

claro, sou a favor
das proibições
do cigarro e do álcool
proibição total:

devem ser banidos
extirpados
do seio imaculado
da civilização avançada

o cigarro
é um atentado
à celestialidade da nossa saúde
(meu Deus, como somos saudáveis!)
o álcool
é um crime
contra a vastidão da nossa consciência
(meu Deus, como somos conscientes!)

sou a favor
da proibição de ambos
mas somente depois
de se proibir a hipocrisia

não, não estou tirando sarro:
para se suportar tanta máscara
(inclusive a minha)
só tomando um trago
e fumando um cigarro