15 junho 2011

Eu não Falo de Coisa Alguma

olho aquele olhar que nos olha
sem que esteja
em algum lugar que se entenda
sei que ele gosta de não estar lá
e não se ouve uma palavra
do que ele não diz
até porque ele nunca diz
o que se pensa que é dito
o que não significa que nada faça
mas pelo contrário:
ele se realiza não se importando
e deixando que se fale ou cale
aliás ele não se importa nem em deixar
ele passa sempre a um passo
enquanto se pensa (nós)
no que se pode ser
mas aqueles que julgam pensar
nunca pensam em ele
o que muito lhe agrada
pois quando estivermos indo
ele terá ido voltado
e nem estará mais aqui
e há até os que pensam
que falo de Deus
sinal que não
pensam de nenhum jeito
aliás eu não falo de coisa alguma
e este poema sequer
chegou a ser feito

10 comentários:

Rart og Grotesk disse...

ao ler o final do poema, poderia-se a concluir que poeta é um louco ou sonhador, gostei bastante!

bjs

http://artegrotesca.blogspot.com

angela disse...

rsrsrs...Afinal tudo está em nossa mente que mente descarada mente.
beijos

Ju Fuzetto disse...

Adoro te ler

Meme Vergara disse...

Como siempre... hermoso el poema.

Beijo.

Davi disse...

Um poema interessante, algo para reflexão, talvez em dois sentidos desta palavra. Abraços, meu caro.

Vampira Dea disse...

Brincando com as palavras , fazendo de conta que elas não dizem nada e elas dizendo tudo.
Um abraço

Ligéia disse...

O poema nem chegou a ser feito, mas agora criou vida. Não fala de coisa alguma, apenas vive.

www.clickefilmes.blogspot.com disse...

Ola A.Reiffer o filme Justiça para todos foi consertado.Obrigado!

MIRZE disse...

Um show de poema!

"Aqueles que julgam pensar, nunca pensam".

É verdade, e eles nem sabem!

Beijos, poeta!

Mirze

Luciano Oliveira disse...

Muito bom teus poemas... to seguindo tb no twitter