14 maio 2011

Prenúncio de Pesadelo

pensam que não há preço
e pisam no que se passa
mas passam como não fossem
e poucam como passados
e poçam no que é sem pressa

pensam que há mais prazos
mas pendem como desprezos
presas das próprias pistas
presos aos próprios passos
pingos de perda e podre

pensam que não há peso
mas patos em pretos pastos
postos a perdas plúmbeas
e pensam que não há poços
mas pagam, que são pisados

6 comentários:

MIRZE disse...

UM PRENÚNCIO E TANTO!

Perfeito, Reiffer, pena que os que pisam não vão conseguir entender.

Será?

Beijos, poeta!

Mirze

Ligéia disse...

E há os que pendem
por pensar que não há
mais prazos,
porquanto prendem-se
aos próprios passos...

Belo e profundo, Reiffer, como sempre.

LUZ disse...

Olá Reiffer,
Como sempre a tua poesia é "dura" e dá que pensar. Mas para que queremos nós o cérebro?
Que trocadilho e dança de pes!
Parabéns.
Abraços com luz.

Ingrid disse...

muitos nunca saberão..
beijos Reiffer

Júnior Rodriguez disse...

Pesos...
Passos...
Pedras...
Postos...

Facetas humanas que ninguém pode esconder.

Colecionadora de Silêncios disse...

Eu gosto desse jogo de palavras que vc faz e que fica sempre tão bem escrito, pois não é só belo... tem tb conteúdo!

Adorei!

Beijos