09 fevereiro 2013

Constatação

o olhar humano
do que agora humano
a olhar o nada
e o nada que olha a esse olhar
entre o nato óleo
do lago astral
derramado entre olho e nada
nada nada
entre um outro e um astro

o olhar sem astro
ou estrela ou estro ou rastro
o olhar sem lago
só raso e barro
a nadar em restos

e um olhar de nada
olho seco e óleo gasto
sem rio e sem raio
vazio desvasto
o olhar sem nada
a desastrar finais

e até mesmo
o que antes melancolia
já nem melancole mais...

5 comentários:

Sissym disse...

Al,

Já me senti assim, o olho vago, olhando mas sem ver, vendo sem sentir, vivo mas perdido, um tanto adormecido, um pouco morto.

Bjs

Janice Adja disse...

Você tem uma forma de escrever ímpar.
Beijos!!

Dante disse...

A falta de sentido, o vazio da vida moderna, do homem, sabes expressar isso como ninguém. Abraço

Cristina disse...

No sé que hay en tu letras... como cierto lado oscuro y profundo que me gusta o que me identifica.
Bello leerte, abrazos miles.

Nadine Granad disse...

Também acho que sabes expressar o vazio como ninguém ;)

O nada... fica o tudo pelas suas mãos!...

Beijos =)