26 outubro 2012

A Linha Decadente (Final)


Agora, verifico que os vultos são soldados trajados exatamente como eu, soldados americanos com uniformes da Segunda Guerra Mundial, armados com metralhadoras. São dezenas, talvez 30 ou 40 soldados. Cada um se oculta atrás de algum tronco das mortas árvores gigantes. Percebo que me observam. Apesar de trajarem o mesmo uniforme que eu, sinto que são meus inimigos. Exatamente no momento em que decido se devo fugir ou enfrentá-los, sou abordado por dois dos soldados. Tenho a impressão de que já os conheço. Então, percebo que são meus vizinhos na vida real. Porém, assim como eu, ambos estão envelhecidos. Questionam-me se sou amigo ou inimigo. Digo que, se somos vizinhos, devemos ser amigos. Eles concordam. Alertam-me então que todos os outros soldados que estão ali desejam a nossa morte, e que devemos combatê-los. Respondo que estou preparado para o enfrentamento.  Sob as luzes das explosões e dos relâmpagos, somos surpreendidos pela presença de dezenas de soldados a poucos metros de onde nos encontramos

De forma desesperada, principiamos a correr e a disparar as metralhadoras em tudo o que se mexe. E matamo-nos uns aos outros. Acerto, ao menos, em cinco soldados. Um, deles, quase a queima-roupa. Sou lavado com seu sangue. Meus companheiros baleiam outros soldados, mas também são alvejados. Um na cabeça, morrendo na hora, e outro, no abdômen.  Verifico, porém, que os demais soldados não desejam matar exclusivamente a nós três. Matam-se a eles mesmos. De modo que permanecem vivos menos de dez soldados.

Uma granada explode ao meu lado e fico completamente surdo de um dos ouvidos. Lembro das granadas de minha mochila. Retiro duas, mas no instante em que vou lançá-las, sou ferido com um tiro nas costas, mas não mortalmente. Sinto uma dor dilacerante. Mesmo assim, ainda consigo lançar as granadas. Faço explodir três soldados. Pedaços de corpos caem aos meus pés. Restam apenas três homens. Eu, meu companheiro agonizante, ferido no abdômen, e um outro que se aproxima de mim com um punhal. Quando está a menos de três passos, comprovo, estarrecido, que se trata de meu irmão caçula, porém, muito envelhecido, aparentando ser mais velho do que eu. Ao perceber que sou que eu que estou ali caído, ferido nos pulmões, meu irmão se suicida, cravando o punhal na região do coração. Olho para meu vizinho ferido. Já está morto.

Tento erguer-me, conseguindo com imensa dor e dificuldade. Saio a perambular por aquele campo devastado, afundando os pés em poças de sangue e tropeçando em cadáveres ou em pedaços de cadáveres. Há vísceras por todos os lados. Quando surgem mais explosões e relâmpagos, fixo minha atenção na face dos mortos. Verifico, abismado, que todos eles, todos os soldados mortos naquela batalha, vários deles por mim, são pessoas conhecidas, e muito bem conhecidas. São todos ou meus parentes, ou meus amigos, ou meus vizinhos. No momento que me dou conta de que assassinei entes queridos, suicido-me com um tiro na cabeça.

No entanto, não sinto morrer, mas, imediatamente, vejo-me, ainda mais envelhecido, no alto de um prédio, um arranha-céu gigantesco ao absurdo, cujo topo aproxima-se da lua. O prédio tem sua base na Terra, mas o seu objetivo é atingir alguma região lunar. Sou um dos construtores do prédio. Ele ainda não foi terminado. Há muitos outros construtores, todos velhos, que, de forma frenética, robótica, quase desesperada eu diria, colocam mais e mais tijolos no prédio, de modo que ele cresce sem cessar. O ritmo é tão intenso que está quase tocando o solo lunar. Percebo que tenho um buraco em minha cabeça. Recordo-me do tiro que desferi em mim mesmo. Do buraco, escorre um filete de sangue. O filete possui um aspecto estranho, bizarro, pois desce em linha reta, absolutamente reta, e assemelha-se muito à linha vermelha do gráfico que descia no gráfico do teto do meu quarto.

Um dos construtores volta-se rapidamente para mim, gritando: “Pega o último tijolo e termina o prédio!” O tijolo está à minha esquerda. Então, percebo que se eu colocar o último tijolo no topo do prédio, este tocará o solo da lua. Cumpro a ordem dada pelo construtor. No instante absolutamente exato em que o tijolo toca o terreno lunar, sinto uma tremenda vibração que parece advir da base do arranha-céu situada na Terra. A sua estrutura entra em colapso e começa a desabar numa velocidade vertiginosa. Junto com o prédio, principio uma queda absurda e impossível. Impossível, não fosse tudo um sonho, do qual estou plenamente consciente. Como um foguete humano, sinto-me nem mesmo caindo, mas como se fosse arremessado por uma força desconhecida de volta para o meu planeta.

Tomado de indizível pânico, penetro incólume na atmosfera terrestre, dirigindo-me para uma grande metrópole que não sei definir qual é. Quando estou próximo dela o suficiente para observar com certa clareza suas construções, habitações, habitantes, enfim, toda a sua civilização, comprovo que tudo está desabado e em ruínas como o arranha-céu que ajudei a construir. Ao meu lado centenas, senão milhares, de seres humanos caem como eu, muitos deles já se esfacelaram no solo do planeta. Muitos outros caem acima de mim. Quando vai chegando minha vez de me espatifar no meio de uma rua coberta de escombros, desperto do sonho.

Todos esses acontecimentos oníricos que relatei já se repetiram em meu sono dezenas de vezes, com mínimas variações que não afetam em nada o teor do que ocorre. Quando narro minha história absurda para amigos e conhecidos (muitos deles presentes no sonho), ficam boquiabertos, não entendendo como alguém pode sonhar algo tão terrível e de forma tão clara. Perguntam-me se não estou chocado ou perturbado em viver frequentemente semelhante pesadelo. Respondo que o que me choca e me perturba é eles ainda NÃO terem sonhado com aquele gráfico sinistro e com sua linha avermelhada que sobe ao máximo para depois descer, a sua linha decadente.

5 comentários:

Luiz Alfredo disse...

Meu poeta passe no meu blog
tenho um presente poético pra você
mui belo teus contos poéticos


Luiz Alfredo - poeta

Matheus de Oliveira disse...

A intensidade do conto impressiona, assim como o mistério da mensagem trnasmitida, ou apenas sugerida. Passa a impressão de algo bastante grave. Ótimo escrito. Abraço.

Dante disse...

Bah, gostei muito, cara, trabalho muito bem feito, elaboração convincente, um show de imaginação.

Patty Almeida disse...

Amor...a cada conto ou poesia que tu escreve, me reapaixono por ti...me (re)invento e me (re)situo neste mundo de nosso Pai! É impressionante a genialidade dos teus versos! Eu te amo...

Enigma disse...

Olá Al,

Muito interessante, uma grande explosão de criatividade. Parabéns! Abçs!!

Enigma.