16 novembro 2011

Lições da Poeira

vê como tudo se perde
por entre os dedos
do que não vemos
vê como tudo se verte
por entre a vida
que nem é vista
e a água que corre
(como se fosse num porre)
nem percebemos
que já é areia
(poeira...)

quando vê-se que é
o que é já se foi
estamos sempre
um passo atrás
daquilo que passa
só somos
(só somos...)
quando nem é mais
e parece que morrem
antes que o corpo
as nossas almas
até então imortais
mas só de areia
(poeira...)


e o que sobra
é o papel do que fomos
aquela superfície maquiada
o pó da face
plastificada
e ficam então as pessoas
sendo um móvel
de belo verniz
mas que por dentro
(num carcomer lento)
os cupins o deixaram em lasca...
aquelas pessoas
ainda vivas
que da beleza que tinham
só restou a casca
um balde vivo de poeira
castelos
de areia...

7 comentários:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Este merece um quadro!

lucas repetto disse...

Somos de fato como ratos na roda.

Paulinha Barreto disse...

fantástico adorei

Adriana Aleixo disse...

Grandes lições podemos aprender com ela..

Adorei!

MIRZE disse...

O Máximo!

AD VERTERE AD LOCUM TUUM

Somos poeira ou areia!

Lindo!

Meijos

Mirze

Sara Lupeti disse...

Gostei muito , cada verso, cada estrofe.

Parabéns!
Seguindo!

Já conhece o meu blog ? Ainda não ... então acesse
http://saralupeti.blogspot.com/
e o Confira meu Mundo....

"O Mundo De Sara Lupeti"

Beijos. ♥

Acqua disse...

acompanhando pelo google reader...

sempre que puder, virei aqui comentar

sorrateiramente
acqua!