31 outubro 2011

Jogo de Carta

já estou acostumado
com tudo aquilo que se fecha a porta
e que mais já nem bem me importa
já estou acostumado
com tudo isso por toda parte
e todas essas passadas que passam
e que é muito cedo e que é muito tarde
já estou acostumado
com tudo aquilo que do porto parte
e mesmo nem tem bem sentido
tudo o que fique ou que falte
ou o de que um dia
eu de repente tente
ou de algum instante cante...

já estou acostumado
com tudo aquilo que daqui me aparta
que de um momento o vento...
e já nada mais me infarta...

e o raio que o parta.

5 comentários:

Andréa Mota disse...

Uma conclusão. Mas nunca pensei em misturar portas, coragem e raios rsrs, vc é Ótimo.

MIRZE disse...

LINDO, REIFFER!

Eu também já acostumei com tudo. Vejo beleza na paisagem e na dor.

Beijos, poeta!

Mirze

NVBallesteros disse...

Lo leí o lo cante conforme iba leyendo salia de mi boca una canción con tu poema...


Besos

Natália Campos disse...

Muito bom! Gostei.

Adriana Aleixo disse...

Genial! O final... Fantástico!

Bjimmmmm!