30 março 2011

O Suicídio (ou Por que eu me Matei?)

Um dia me disseram que seria bem melhor se eu me matasse.  Obviamente, não acreditei. Mas aos poucos, bem aos poucos, muito gradualmente, através de insidiosos detalhes, de sugestões sordidamente subliminares, de fatos e acontecimentos quase que imperceptíveis, a ideia nefasta do suicídio foi tomando forma no meu universo psíquico...

            Na verdade, era algo extremamente difícil, quase impossível, escapar à atuação daquelas sugestões suicidas. Muitas vezes, chegavam a ser mais do que sugestões, tornavam-se mesmo imposições, não imposições violentas ou forçadas, mas imposições daquela categoria que, sem deixar de ser elegante, não nos deixam alternativa. Era como pisar nosso pé com educação, com um doce sorriso no rosto. Diziam-me eles, e me provavam, que todos já haviam se suicidado. E que não se arrependiam. Que assim estariam de acordo com todos aqueles que pensavam no que seria melhor para as nossas existências. Insistiam que eu deveria ser sensato e analisar com racionalidade a questão. Assim exigia a categoria de mundo em que vivíamos.

Durante muito tempo hesitei. Havia algo dentro de mim que me transmitia a sensação de que eles mentiam, ou que, ao menos, omitiam uma parcela fundamental da verdade. Ou ainda que talvez eles estivessem realmente convencidos do que me preconizavam, mas que deveriam ter sido enganados, iludidos por outros, assim como agora intentavam fazer comigo. Seja como for, seus argumentos eram irresistivelmente convincentes, duvidar de suas palavras chegava a ser um sacrilégio.

Com o tempo, descobri que eram sinceros e que estavam imbuídos das mais nobres boas intenções. O que não significa que estivessem com a razão. Acreditavam no que diziam, pensavam de fato aquelas coisas, que pareciam soar em suas palavras com tanta sensatez e bom senso. Porém, creio que tais pensamentos não eram autenticamente seus, talvez fossem incutidos em suas mentes por outros, ou por algum poder obscuro, que eu desconhecia, algo como uma lavagem cerebral. Agora, a lavagem seria em mim.

Para eles, o suicídio era o padrão a ser seguido. Por não tê-lo ainda cometido, causava-me espanto o isolamento em que aos poucos fui constatando que me encontrava. Quase todos os outros já haviam se matado ou estavam a caminho de fazê-lo. Alguns, para tomarem coragem, antes de cometer seu suicídio, tentavam convencer as demais pessoas a realizar o mesmo. Desejavam veementemente o suicídio em massa. Já outros, após o ato suicida, vinham para provar que agora viviam absolutamente tranquilos, sem nenhum tipo de preocupação, existindo como se não existissem, o que constituía, para eles, o auge de uma vida perfeita, aceita e compreendida por todos. Enfim, acreditavam-se felizes. E muitos vinham, por piedade, para ajudar os que ainda não tinham se matado, dispostos a ensinar e encorajar o maior número possível de suicídios.
           
 Amanhã, o final.
(Na imagem, o quadro, "O Suicídio", de Edouard Manet)

8 comentários:

S.tephanie M.ello disse...

Texto incrível.
Expressa o momento em que a massa da sociedade vive.

Zélia Guardiano disse...

Reiffer, meu querido
Um show, a sua ideia!
Afinal, que somos senão uma legião de suicidas?
Bravo!
Aguardo com ensiedade...
Abraço, amigo.

angela disse...

Tantas coisas matamos em nós...
beijos

Camila Monteiro disse...

Ai quero o final, to suuuuper curiosa, amei o texto!

Juliana Dias disse...

Escrever, desabafar é o caminho. Não sei como me sentiria sem essa forma de expressão!

Querido,

Estou participando do concurso que vai eleger o escritor do prefácio do livro do cantor e compositor Leoni. O livro chama-se “Manual de sobrevivência no mundo digital”.

Já escrevi o meu texto e o link é:

http://olivreiro.com.br/prefacio_leoni/prefacio/41

Não há a necessidade de cadastro e nem solicitar email ou senhas. É somente colar o link acima no navegador, ou ir no ultimo posto do meu blog, ler e se for do agrado votar. Somente isso. Os dez mais votados, passarão pela análise do cantor e o escolhido participará do livro final. A votação é até o dia 20/04/2011.

Conto com Vc!

Raíz disse...

Incrível, Reiffer!

Sua coragem em provar que a poesia e a prosa, podem alcançar até a própria morte.

E isto é comum. O mais comum é a mídia que nos induz a isso.

E muito mais existe nas entrelinhas.

MUITO BOM!

Neijos

Mirze

Tiago universo plaquetas disse...

Cibsegui conciliar sua opinião, com a mídia e os implantes que tentam nos implantar cada dia com as merdas de programas de merda dos canais de televizão, músicas ridículas... e por fim... se matan se rendendo e concordando com tudo por insistência dos ja "suicidados" conversamos hj sobre isso, baita forma de expressão alessandro...uma forma indiferente, mas diferente que faz até um "suicidado" se prender e voltar a vida...
corrijameus erros de português...hahaha.

Tiago universo plaquetas disse...

Baita forma de expressão...consegui conciliar isso com muitas coisas que acontecem, mas preferencialmente com a inclusão forçada da mídia em nós atravéz de programas de merda dos canais de televisão, músicas idiotas e etc...tentando nos "suicidar" para vivermos inconciente e sermos apenas fantoshes sem opinião...tentam nos calar...suicídas que suicidaram-se pela extrema insistência pelos ja suicidados... baita maneira de expressar que até os ja Mortos pela mídia refletiram ao ler...
Meus parabêns Alessandro...