18 fevereiro 2011

Uma Pergunta... (baseado em versos de E.A.Poe)

O que vejo, o que sou e suponho
não é mais do que um sonho num sonho.”


quem garante
que tudo não é sonho
e que o real é isso
que se diz que é?
há lagos em que o fundo
nunca alcança a existência de nosso pé...
o que existe existe
ou existe porque eu penso que existe?
dependendo de como se vê
a flor pode ser alegre
ou pode ser triste...

e quem me dirá que pensar é saber
se sempre quando penso
há outro que pensa por mim?...
se eu pensasse certo
sobreviveria no nada do deserto?
só se sente o sonho
quando o sonho chega ao fim...
e ainda quando sinto
não domino o que vem-me a sentir
e o vinho só é tinto
porque os meus olhos o percebem assim...

aceitar as coisas como são
é aceitar o quê?
o que é ser como é
se quando sou nunca é meu ser
e no meu eu há vários
que não eu?...
o que sinto e vejo
é algo que corre em todos
ou é só um desejo meu...?

e isto é um verso
ou é só uma rima esgotada
perdida
em um sonho do universo?...

(Na imagem, o quadro "O Sonho do Pastor", de Füslli)

11 comentários:

Sonia disse...

Não há garantias.
O vinho só é tinto
porque os meus olhos o percebem assim...adorei isso! rs...


Bom dia moço!

Dayse Sene disse...

Tão perfeito esse post. Tão sério e muito reflexivo.
Quem realmente pode afirmar, se tudo é ou não um sonho, mesmo? De repente vivemos um sonho, que só estaremos acordados quando morrermos...não sei...
Ou que realmente somos, o que nossos olhos vêem não é? Você fala com uma profundidade que realmente nos faz pensar: sonho ou realidade? E se a realidade for um sonho?
Adorei muito, muito...
Parabéns.
Um final de semana, lindo, com sonhos realizados.
Abraços.

Gisa disse...

Sonhamos ou somos sonhados?
Um bj querido amigo. Estava com saudades de passar por aqui.

Lara Amaral disse...

Vc tem muito de Edgar A. Poe, mas sua poesia é muito original e única. Sempre um aprendizado te ler.

Abraço!

Ivan Bueno disse...

Meu amigo,
Que poema! Que questionamentos tão bem colocados! Muito bom.
Descobri aqui por meio da Lara Amaral, que sempre, ainda que sem querer, me apresenta bons sítios.
Fica o convite a conhecer o meu.
Abraços,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Colecionadora de Silêncios disse...

Caro amigo Poeta, seus poemas são jóias raras. Adoro ler-te!

Grande abraço. :)

Mirze Souza disse...

REIFFER!

Tomara que não seja tudo um sonho, senão serei obrigada a deduzir minha vida como o pior dos pesadelos.

Belo questionamento em forma de poema. Edgar sempre nos condiciona a isso.

Beijos

Mirze

Giovani Pasini disse...

Alessandro Reiffer!

Parabéns pelo texto!

Como sempre, a profundidade de tuas palavras não encontram limites!

Conheci o Edgard Allan Poe por teu intermédio e, confesso que gostei dos contos dele.

Principalmente o do Gato Preto ea queda da Casa Usher.

Obrigado por essas letras...

Davi disse...

Filosófico teu poema, é bom ler o que nos faz pensar no por que de pensar, mesmo que isso soe tão bobo. Abraços.

Katia Cristina disse...

Amigo
Seu post é bem reflexivo e seu questionamento pertinente.
O que é realmente realidade é o que não é?
Adorei.
bjs

Neuzza Pinhero disse...

a poesia
causa deslocamentos no tempo/espaço
nunca se sabe o que é real, ninguém sabe onde está;
então a alma adoece e se recolhe, perdida.
abraços