17 novembro 2008

Elogio ao Urubu

É comum as pessoas perguntarem-me por que visto somente roupas pretas. Eu poderia relatar inúmeros motivos, mas como sei que não valerá a pena proferi-los, limito-me a responder: “porque eu gosto.” Porém, agora, deixarei bem claro, ou bem escuro, um dos motivos. É que eu queria ser um Urubu. Não, não estou brincando, não estou sendo irônico. Estou apenas realizando uma afirmação, absurda talvez, mas nem por isso ela é menos real que uma afirmação dita “sensata”. Qual seria a afirmação sensata? Eu jamais deixaria de ser um humano para ser um Urubu. Seria essa? Seja como for, pretendo provar até o final deste texto que é mais vantajoso ser um Urubu do que um ser humano. Poderão os poucos amigos leitores não concordar com as provas. Porém, provas não são sempre provas? Ah, pouco me importa.

Ah, a grandiosidade do Urubu!... Percebam que sempre neste texto escreverei Urubu com letra maiúscula. É devido a minha imensa admiração por este fantástico animal. Por favor, não confundam Urubu com corvo ou com abutre. Vamos a um pouco de biologia. Aqui no RS, costumamos chamar os Urubus de corvos. Tudo bem, são regionalismos, e nada mais nobre do que comparar os Urubus aos nobres corvos, como posso esquecer deste também magnífico animal, grande amigo de Poe? Porém, os Urubus não são corvos, nem parentes deles. Não há corvos no RS. Somente Urubus. Aqui, os parentes dos corvos são as gralhas negras, outro animal digno de todo nosso respeito. Os Urubus são aves de rapina da família cathartidae, os corvos não são aves de rapina, e pertencem à família corvidae. Já os abutres, mais próximos dos Urubus que os corvos, são maiores, mais fortes, mais indiscretos e barulhentos que os Urubus e na coloração de suas penas não predomina o preto, mas também há cinza, pardo, marrom e até branco. E não há abutres na América do Sul. Desculpem por esse parêntese, mas é necessário deixar bem claro, ou escuro, o que é o Urubu a que me refiro.

Urubus voam alto, muito alto, plainam a grandes alturas acima da mediocridade humana, sem medo de enfrentar a luz solar. Que maior sensação de grandeza e liberdade que o vôo de um Urubu? Comem carniça? Comem, e qual o problema? Sempre se diz que gosto não se discute. E percebam a vantagem de se comer carniça. Ela é abundante, dificilmente faltará. Eles vivem da morte. Encantador paradoxo. E a morte é o que mais vive hoje em dia. Em breve comerão os nossos cadáveres... Duvidam? Cuidado...

Alguém poderá rebater, dizendo que os Urubus despertam medo e repugnância e são mortos pelos homens por esse motivo. Sim, despertam medo, e é exatamente por isso que NÃO são mortos. As pessoas simples do campo, em geral, possuem a crença louvável de que matar Urubu traz azar. Muito raro alguém matar um Urubu. Eu nunca soube de alguém que o fizesse, a não ser por acidente. E quem vai querer comer carne de Urubu? Notem que o Urubu, apesar de toda destruição ambiental, ainda é uma ave relativamente comum. Ele resiste, o Urubu é uma ave forte. É uma grande ave! Um grande ser! E quanto à repugnância que ele desperta? Ora, pois que desperte! Os Urubus devem estar muito preocupados com a repugnância dos homens para com eles, rs rs rs!

Aliás, por que eles despertam repugnância? Porque comem carniça? Ou porque trazem mau-agouro? O homem também come carne morta, a diferença é que ele tempera e cozinha. E a alimentação dos Urubus é bem mais natural. E depois eles se purificam voando a poéticas alturas. Mas o homem não pode purificar sua alma, não pode acabar com a repugnância que desperta a todos com seus crimes, com sua perversidade, com sua hipocrisia... O homem é mais repugnante.

E diga-se, apenas de passagem: o Urubu não traz mau-agouro. Ele avisa. É um absurdo condenar o mensageiro pelas desgraças que nós mesmos trouxemos a nossa existência...

E, para finalizar: um Urubu não precisa de emprego, não precisa de dinheiro, não precisa de reconhecimento, não precisa de padrinhos para obter sucesso, aliás, não precisa de sucesso, não precisa de roupas nem de carros nem de computadores, não precisa seguir regras, a não ser as dele mesmo, não precisa ir pra praia pra dizer que se diverte, não precisa... enfim, um Urubu só precisa da morte. E isso é o que não falta. Eu queria ser um Urubu.

4 comentários:

A. R. T. disse...

Bah, esse texto é muito bom!

Urubu é realmente digno de admiração.

Micheli Pissollatto disse...

Concordo com o comentário acima. Infelizmente os Urubus são condenados pela ignorância - ou falta de atenção - humana.

Marcelo Amado disse...

Natália, minha namorada, adora urubus. É bióloga e já cuidou de um (o Garibaldo) em sua própria casa. Era filhote e estava machucado. Para evitar que fosse sacrificado, ela tratou dele até que ele melhorasse. Hoje ele mora num parque, protegido da raça humana.

Ótimo texto! Muito bom mesmo.

Ana disse...

Achei que diria que torce pelo Flamengo. Aliás, tu citou alguns motivos pelos quais o Urubu é símbolo do Flamengo!

Mas enfim, além de tudo que tu escreveu, eles estão sempre bem vestidos! AHFIOSDHF

Abraço