02 outubro 2008

Tal Vez

eu amo...
mas afinal o que eu amo?

a luz de nadas
que pulsa em vinhos de vida essências?
talvez um sonho
de fogo verbo que corre em sangues?
um olho em anjos
que em eternos morre ao som de céus?
talvez um erro
que dorme em mortes de amor e noite?
segredo e medo
em lago e mares que vibram ao longe?
talvez um verso
de tudo aquilo que em flores paira?
um rio de cosmos
que nasce em beijos de Deus e Deusa?

mas o que eu amo ao final?
Tua Alma.

Um comentário:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Cara, não é pelo simples motivo de eu ser teu amigo. Com todo respeito e admiração, tua poesia supera qualquer uma que esteja circulando na atualidade. Teus poemas... agora vou usar do meu pobre universo léxico de roqueiro, segundo o pensador Froilam, TEUS POEMAS SÃO FODA, CARA! POOOOOOOOORRRA! FODA-SE! uhaeuheauheheahahhahah