13 outubro 2015

Humanidade Nenhuma

reconheço-te que me desconheço:
digo a ti que me lês
que nem eu a ti te falo
nem tu a mim me vês

somos todos outros nadas
uns para os outros todos

de modo
que nem existe do humano todo nenhum
porque nenhum homem sabe o que é
nem sabe porque faz aquilo que faz
e nem vive qualquer vida nenhuma

e se chega à conclusão absurda
que nem pode a humanidade acabar
porque nem existe humanidade alguma




Um comentário:

Janice Adja disse...

Uai!!
Li e reli até enter o jogo das palavrss.
Muito legal!