22 novembro 2012

A um Trecho de um Som


Mistério
é o que não se pode
nem porre
de podê-lo
nem sabê-lo
como sendo
há príncípio
precipício
é o que nem é
e ninguém sabe sê-lo
a novecentos e noventa e nove
re-voltas no nove-lo

é o que nem sabe a selo
que não carta
não se mensagem
no que cabe a vê-lo
mas vem como desalgo
um agora estar vago
um ninguém viver ser
o que vê sem ter sido
um ninguém se saber
sem vencer o não visto

um elevado alto de um halo
ditado de não-dizer
que é mister
misteriá-lo

6 comentários:

Audrey Andrade disse...

Cheguei aqui por acaso, gostei muito e peço permissão para ficar! Sigo-te!

Luciana Souza disse...

Oi Al
Nossa que poema de tirar o fôlego! São tantas metáforas. Adorei!
Bjos. Fique com Deus!

Vampira Dea disse...

Adorei essa frase final do mistério

Smareis disse...

Passei pra conhecer seu blog.
Gostei muito.
Vou seguir seu blog pra voltar em outra visitas.
Se puder venha me visitar, ficarei feliz.
Deixo um abraço!

Ana Bailune disse...

Se é mistério, será mistério...

Dulce Morais disse...

Al, que excelência no manipular das palavras! Que perfeição no sentido.
Deixa um gosto de... mistério.