09 agosto 2012

A Propósito da Seca

a humanidade erra
quando só considera luz
o que sendo
como luminoso

há vezes
as belezas mais profundas
estão na escuridão da mata
e não no campo
aberto em sol

o sublime é o fruto
da tragédia do gênio

dizer-se que um sorriso
é sempre bem-vindo
seduz...
mas para
quem vive na seca
não o sol
mas a tempestade
é que é a luz

2 comentários:

Natália Campos disse...

"há vezes
as belezas mais profundas
estão na escuridão da mata
e não no campo
aberto em sol"

Concordo muito com suas palavras, Reiffer. Por vezes a tempestade vem para acalmar e não para alvoroçar!

Beijos :)

Luiz Alfredo disse...

Bela dialética poemática
a tempestade é o fruto vermelho
do mandacaru
é o canto do carão
é o escuro que se faz
clarão
a mata escura guarda
a clorofila do sol

mui lindo poema
com um cordel estendido
no meu coração.

Luiz Alfredo - poeta