03 fevereiro 2012

Abelhas estão desaparecendo ao redor do mundo. Lavouras transgênicas podem ser responsáveis.

A partir de hoje, passarei a deixar aqui no blog, com frequência indeterminada (pode ser uma hoje, outra amanhã, outra na semana que vem). as "boas" notícias ao redor do nosso mundo, para que fique bem claro toda a claridade do meu otimismo. Apenas deixarei a notícia. Não farei nenhuma análise. Não deixarei a minha opinião. E sempre informarei a fonte para maiores informações. 


A primeira notícia é a seguinte. Sugiro que leiam com atenção, que o fato parece ser bastante sério:

As Abelhas estão desaparecendo do Sul do Brasil

"Apicultores gaúchos e catarinenses relatam desaparecimento de abelhas em níveis inéditos. Alguns produtores registram perdas de 25% na produção de mel. Pesquisador diz que uma das causas do fenômeno pode ser a influência de lavouras transgênicas.

Matéria publicada no jornal Diário Catarinense, de Florianópolis, afirma que o desaparecimento das abelhas já é motivo de grande preocupação entre apicultores dos dois Estados. E o desaparecimento vem acompanhado de outro problema: as abelhas que permanecem nas colmeias estão morrendo infectadas por diversas doenças. 

O fenômeno pode causar graves desequilíbrios ambientais, uma vez que as abelhas são responsáveis por mais de 90% da polinização e, de forma direta ou indireta, por 65% dos alimentos consumidos pelos seres humanos. Alguns produtores já registram perdas de 25% na produção de mel.

Segundo Jair Barbosa Júnior, do Instituto de Estudos Socioeconômicos, uma das possíveis causas do fenômeno pode ser a influência de lavouras transgênicas. No Brasil, lembrou Barbosa, não há estudos aprofundados sobre o impacto dos transgênicos no ecossistema. Outra possível causa apontada pelo pesquisador é o aquecimento global. O sistema de orientação das abelhas funciona por meio dos olhos. As abelhas dependem da luz solar para encontrar o caminho de volta para as colmeias. O aumento da incidência de raios ultravioletas poderia, assim, ser uma das causas do fenômeno. Essa possível causa não explica, porém, o que está atingindo o sistema imunológico dos animais.

A advertência de Einstein

O físico Albert Einstein disse que se as abelhas desaparecessem, a humanidade seguiria o mesmo rumo em um período de 4 anos. A razão é muito simples: sem abelhas não há polinização, e sem polinização não há alimentos. O desaparecimento das abelhas começou a ser tema na mídia em 2006, nos EUA e no Canadá, quando criadores que alugam enxames para agricultores começaram a relatar o desaparecimento destes animais em níveis muito elevados.

Em várias regiões destes dois países, apicultores chegaram a perder 90% de suas colméias. O biólogo norte-americano Edward Wilson, chamou o fenômeno de “o Katrina da entomologia”, numa referência ao furacão que arrasou Nova Orleans, nos EUA.

Na Califórnia, entre 30% e 60% das abelhas desapareceram. Em algumas regiões da costa leste dos EUA e do Texas, esse índice chegou a 70%. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), o fenômeno foi registrado em 42 estados norte-americanos e duas províncias canadenses. 

A morte repentina de abelhas também já foi registrada em países como Alemanha, Suíça, Espanha, Portugal, Itália e Grécia. Manfred Hederer, presidente da Associação Alemã de Apicultores, relatou uma queda de 25% nas populações de abelhas por toda o país.

Entre as possíveis causas do fenômeno, são citadas a radiação de telefones celulares, o uso indiscriminado de herbicidas e o uso de transgênicos, em especial os do milho Bt (com gene resistente a insetos; contém pedaços do DNA da bactéria Bacillus thuringiensis).

Diversos países proibiram, recentemente, variedades transgênicas do tipo Bt, o segundo transgênico mais plantado hoje no mundo (fica atrás apenas da soja). O governo peruano proibiu a variedade da batatinha transgênica Bt, em razão do país ser o centro de origem e biodiversidade desta cultura. O México proibiu totalmente o plantio ou consumo do milho Bt pelas mesmas razões. O governo da Grécia tomou a mesma decisão, estendendo a proibição a 20 variedades do milho Bt, por risco de ameaça à espécie humana, à vida silvestre e à indústria de criação de abelhas. O Brasil, por sua vez, vem aprovando a liberação de transgênicos Bt.

Gostaria de saber se os jornais e blogs defensores dos transgênicos divulgaram ou divulgarão esta notícia. "

6 comentários:

Victor Said disse...

Diante dos fatos, não há o que questionar. Sem abelhas, estamos condenados.

Joguete do Destino disse...

Vc já ouviu falar q no futuro as hortas serão feitas em cima dos prédios? A humanidade vai conseguir um jeito bem criativo e vagabundo para resolver esse problema.

Como Marina Colasanti disse: "Eu sei que vou me acostumar, mas não devia".

Já estamos acostumados, eu diria até conformados com essas notícias fatalísticas.

Ulyane Gomes

Nadine Granad disse...

Gosto muito quando expõe alguma notícia, inclusive da sua opinião ;)

Nunca gostei da ideia dos produtos transgênicos... mais uma razão!

Beijos =)

Ligéia disse...

Gostaria de saber o que podemos comer que não nos mate.

João disse...

Quem anda desorientado(s) somos nós seres humanos-- as abelhas sabem exactamente do que estão a fugir e a morrer...da nossa estupidez e ignorância.

-Uso do açucar refinado( possue ácido sulfúrico na sua constituição) para alimentar as abelhas (privando-as das suas reservas em nome da ganância)
-Uso de quadros com cera estampada (os quadros usados definem o tamanho das células das abelhas quando deveriam ser estas a fazê-lo; os quadros possuem arames o que perturba o campo magnético das abelhas)
-Tamanho das colmeias (a capacidade das caixas não deixa que as abelhas atinjam a população que necessitam)

Enfim, andámos a alterar um sistema que tem mais de 35 milhões de anos de existência, por dinheiro, o que estavam à espera?

Daniel Selister disse...

A trangenia será o começo do fim,infelismente.