28 novembro 2011

Sol, para que Surgir?

se sabes que vais
(por favor, não vás...)
fazer com que acordem
(cala os teus acordes!)
infinitas multidões
de mulambentas múmias humanas
marionetes mecânicas
pelas ruas astralmente
imundiciadas
lá vão elas
por entre poeiras e cadelas
em seus vazios cheios de nadas
com um sorriso fingido
entre as duas orelhas
que enfeitam cabeças
de retardadas

Sol, para que iluminar?
iluminar o quê?
que luz que entrará
naqueles porões de ratos
(afundados em fúteis trabalhos)
dos humanos corações?
o coração...
nada mais que um músculo gorduroso
entre dois estúpidos pulmões...

Sol, para que acordar
toda essa gente?
para espalhar dos seus olhares
aqueles restos hospitalares
de suas almas leprosas
que nem têm mais dentes...?

Sol, eu te imploro
basta de nos mostrar
tanto horror
tanto vazio
tanta decepção...
deixa-nos e vai além...
para que nascer para todos
se o homem não é mais ninguém...?


7 comentários:

Rosa Mattos disse...

É a arte do fim, tecida com palavras rascantes. Sem luz, não haverá mais vida, nem sofrimento.

Teu texto verte lágrimas, de um jeito colossal.

Ju Fuzetto disse...

Nossa que lindo

lucas repetto disse...

Forte!

Um grito de manifesto em demasiado humano!

MIRZE disse...

Esse eu reconheceria como seu em qualquer lugar.

Bárbaro! Forte, mas verdadeiro. Muitas vezes também questiono.

Beijos, poeta!

Mirze

disse...

Olá! Adorei seu blog, muito criativo! Também tenho um blog e gostaria que vc desse uma olhada. O endereço é: http://www.criticaretro.blogspot.com/ Passe por lá! Lê ^_^

Ligéia disse...

Desconcertante! Uma ode à desolação.

Beijos.

*Simone Poesias* disse...

Olá, obrigada pelo comentário e por seguir meu blog, fico feliz.
Também gostei do seu.
Esse poema é forte, mas não deixa de ser uma realidade. Nos faz parar e pensar.
Parabéns!
Bjos e volte sempre XD