26 setembro 2011

Meu Mundo Humano

eu sempre esperei mais de ti
meu mundo humano
que não é meu
sendo meu também
para ver a altura suprema
dos teus arranha-céus
olhei para o fundo de um abismo
em que também me sou
e quando voei nas tuas naves
eu não me ergui do chão
e quando contemplei o verde
dos teus campos cultivados
o verde da minha esperança murchou
e quando na multidão das tuas grandes cidades...
tornei-me ainda mais sozinho
do que já estou
e ao saber das descobertas
da tua grande ciência
vi que ainda não tinha descoberto a mim
e todos os teus potentes veículos
não me levaram a lugar nenhum
e tudo o que construíram tuas indústrias
contribuíram com a minha destruição...

observei a tudo isso
profundamente entristecido
mas não chorei...

só a Arte me faz chorar.

8 comentários:

Elaine Castro. disse...

A arte tem realmente este poder.

Beijos.

NVBallesteros disse...

Es maravilloso poder surcar cielos a través de los colores de un lienzo...


Besos

Acqua Negrume disse...

haverá alguém tão insensível que não se curve à arte?

in acordo ao dito

Nadine Granad disse...

Aaaaaaa fico repetitiva se disser novamente que adoro seus finais?!!

Você é muito bom!!!

Beijos =)

Davi Machado disse...

Pois é
mas um pouco contraditório, acho.

bom poema.

Paredes disse...

"Belo,
de intenso
lirismo!

MIRZE disse...

É bonito seu mundo humano, Reiffer!

Onde habitam abismos poéticos de puro lirismo!

Ficou ótimo o Lay-out!

Beijos

Mirze

Anônimo disse...

gostei das analogias com o "mundo urbano" ao "teu mundo humano"