05 julho 2011

O Silêncio é Ouro...

melhor que afirmar
é sugerir...
quem afirma tudo o que fala
como um pavão a empenar-se  na sala
viola as portas invioláveis do silêncio
com a violência de um touro
que se deixe o silêncio dizer de si:
o que se silencia vale ouro...

gosto de dizer
o que está (ou não)
por entre do que digo
não quero que quem me leia
esteja lendo de si para comigo
e melhor ainda
é aquilo que nunca disse
verso sorrateiro e furtivo
como um sussurro pelo vento
que nem sequer existisse...

a verdade nunca se sempre de frente
há que se por um porém
entre o que ela é
e o que dela se vê
verdade é o que está sempre latente
a possibilidade ainda não alcançada
(e protegê-la do que é gente)
por isso deve vir só em signos
e criptografada

há um só sentido
(mas que são vários
são vários...)
e para provar
que não afirmei nada
poderia ter dito tudo isso
pelos contrários...

5 comentários:

Ligéia disse...

Por isso gosto tanto das reticências...

Geane Luciana disse...

o meu silêncio ainda reina...amei o post, bem reflexivo! bj

Ju Fuzetto disse...

Que perfeito!

Davi disse...

Sugestão é sempre bem vinda em um poema, este, não foge à regra.

MIRZE disse...

MUITO BOM!

Quando criança e mesmo adolescente eu escrevia de trás para frente. Tudo!

Foi a maneira que encontrei o silêncio. Ninguém entendia. Era um solilóquio.

Beijos, poeta

Mirze