01 julho 2011

Melodia que te tarde...

melodia que te ias
(é meio-dia)
e agora já não vais mais
quanto mais eu quanto contigo
mais me quantam finais
melodia que te arrasta foice
dia-a-dia por onde não digo
quem é que roubou o meu fosse?
(foste vós
que mais não me olhais?)
melodia que te tarde
(é tempestarde)
e mais o teu voo se vaga
como som que se busca e te perde
como rosa esmagada no verde
e que sangra e que tarde e te verte
melodia que te ocaso
como açoite no meu beijo
eu só sino os teus sinais
melodia que te lua
( é ela quanta nua)
sou como beijo que te açoite
melodia...
melonoite

8 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Reiffer, Reiffer, Reifer...
Que poema encantador!
Demais!
Demais...
Abraço.

Meme Vergara disse...

Quiero la melodía de un beso.

Hermoso, Reiffer.

MIRZE disse...

Belíssima construção e poema!

Que bom poder reler o que perdi.

Beijos, poeta!

Mirze

Ligéia disse...

Melodia que tarde,
noite e dia.

Lindo poema, Reiffer.

Matheus de Oliveira disse...

Criativo, denso e harmonioso! Um deleite de poema! Abraços

Davi disse...

Que elaboração!
Um poema ótimo para ser ouvido.

angela disse...

brincaste com a sonoridade das palavras e deu-lhes sentido em forma de canto.
beijos

Ronaldo Prestes Gomes disse...

Estamos aguardando a sua participação no Projeto "Poesia de Carona".
Um abraço,

Ronaldo Gomes
http://www.poesiadecarona.blogspot.com/