24 maio 2011

Ele que Está entre Nós

Ninguém percebeu quando ele surgiu. E ainda agora poucos são os que realmente se deram conta de que ele está entre nós. Não é que as pessoas não o vejam, elas o veem todos os dias, às vezes várias vezes ao dia, porém, não percebem que ele está aqui, ou simplesmente não identificam ele como sendo ele. Sabemos que ver não é o mesmo que perceber. O sentido da visão também se realiza de forma inconsciente.

            E mesmo muito daqueles que o veem não o veem como ele realmente é. Muitos afirmam categoricamente que ele não é tão horrível quanto aparenta ser e nem tão fatal. Não sei se verdadeiramente se referem a ele. Talvez nem eles saibam. Porém, tentando compreender o caráter de tal afirmação descabida, somente pude chegar à conclusão de que ela é fruto da lentidão daquilo que está entre nós. Pois pude verificar que sua lentidão é espantosa. Tanto quanto sua aparência, absolutamente assustadora. Constantemente o tenho em vista. Ele sempre assombra meus miseráveis olhos.

            Eu não saberia o descrever com exatidão. De fato, é extremamente complexo. Pode ser que eu deixe alguns detalhes em falta, e exagere em outros. Mas o mais provável é que eu não tenha fôlego o suficiente para descrever todo o seu terror cósmico. Até porque ele nunca se mostra por inteiro. Mostra-se apenas por partes, e mesmo assim, tais partes nem sempre são completas. E suas aparições invariavelmente duram pouco tempo. No entanto, são sempre diárias e ocorrem diante dos olhos de todos. Alguns parecem não dar atenção a elas. Ou dão uma atenção que não é a mais adequada. Já outros percebem seu terror de forma QUASE clara, porém, geralmente, tal percepção não se mantém por muito tempo. E, estes, quando têm a percepção, não sabem exatamente o que fazer com ela. Ou o que deveriam fazer com ela. Há ainda os que riem dele, estando certos de que ele não existe, que é um ilusão ou uma má interpretação de alguns sinais obscuros que foram sensacionalizados. No entanto, ele parece não dar a mínima atenção para os que dele se riem. Limita-se a sorrir ironicamente. E um silêncio de morte é seu sinal mais evidente. Como diria Goethe, “Os que não fazem barulho, são perigosos.

            Seja como for, algo verdadeiramente pavoroso é vê-lo se arrastando em sua lentidão funebremente irritante, que deixa, em alguns, uma impressão de crueldade, de impiedade desmedida, e, em outros, uma simples sensação de que ele nem está ali. A qual é a mais comum. Contudo, tal lentidão absurda deixa de ser tão lenta no momento que conseguimos compreender o seu contexto, o qual é extremamente amplo, e, por isso mesmo, compreendê-lo é uma tarefa nada fácil. Eu próprio não conseguiria explicar tal contexto, embora o entenda para mim. Acredito, pelo menos. E, a bem da verdade, se eu o explicasse, certamente seria considerado louco.

(Amanhã, o final.) 

3 comentários:

Camila Monteiro disse...

É o final assusta, mas ja tive alguns finais que me foram ttão bons que repenso essa idéia de med com ele.
Tem coisas que devem acabar e logo!

Beijos e excelente semana pra vc!

Meme Vergara disse...

Muy bueno... me encanto como siempre.
Besos.

MIRZE disse...

MUITO BOM, A.REIFFER!

Esses suspenses sempre prendem

Beijos, poeta!

Mirze