08 janeiro 2011

Tua Mão na Minha

não há fácil diante da tua face
não há jeito
o frio da tua mão de paz
silência nas fibras do meu peito...
quando tentei te abandonar
sangrou-me algo como ar
os teus passos
sempre passaram junto aos meus
e eu temo o teu compasso
e o teu ritmo de (as)salto
agarrou-me pelo braço
e vi segredo nos teus dedos
e teu braço nos meus medos...

há sopro e sempre
pela sombra dos teus olhos
e doce éter este dos teus óleos
que se derrama no meu nunca
e violinam na minha nuca
és nuvem em violino
clara
e saltos no meu destino
alma
quando tentei faltar-me o céu
névoa subiu-me aos lábios
meus sentidos coronários
estão em ti há a(s)cender
e ocultaste no que me pulso
que Deus é o sempre Ser.

9 comentários:

Gisa disse...

Uma vez completo não tem como arrancar...
Um bj querido amigo.

Lua Nova disse...

Às vezes nossa prepotência humana nos afasta da verdade maior... mas é nossa humana condição que também nos faz retornar à razão e ao Todo Universal:
Deus, o sempre Ser.
Saudades de vc, poeta e menino, ambos tão bonitos.
Que teu 2011 te seja maravilhoso e pleno de realizações e alegrias.
Beijokas e um lindo domingo.

Agnes Mirra disse...

Tocante...

Cristina Lira disse...

Muito lindo mesmo, dá pra sentir as emoções em cada linha que li...
Bjus no coraçãoe muita paz na familia.

Lara Amaral disse...

Muito bem escrito e envolvente. Gostei!

Beijo.

angela disse...

Emociona.
beijos

Mirze Souza disse...

EXTASIANTE!

Reiffer, não há o que comentar.

Deixo meu beijo e meus aplausos!

Mirze

Morena disse...

O seu blog é tão reflexivo. Li vários dos seus poemas e gostei muito.

Vou seguir-te, garoto bonito!

Um beijo!

Ludmilla Souza disse...

Profundo...
Adorei seu poema fala dentro da alma.
(:
Seguindo!!
Abraço