27 janeiro 2011

da Realidade

o trono real
sempre passa
quem é rei hoje
amanhã some
e não passa de um nome
passado
pela pressa da traça:
a realidade
é só fumaça...

a minha real-idade
ninguém olha
ninguém sabe
talvez seja
a da folha
talvez seja
a do tigre
dente-de-sabre

o real está onde?
é o dia ou a noite?
o que se pensa ou o que se sente?
ou é aquilo
que se esconde?

talvez o real
seja o símbolo
ou um sinal...
por isso
o que me dizem sê-lo
não vale um selo
de 1 real

9 comentários:

Ju Fuzetto disse...

Perfeito!
beijo amigo

Juliana Dias disse...

Um dos seus melhores poemas!

Grande beijo!

Mirze Souza disse...

Fantástico, Reiffer!

Quem sabe o que é real? A realidade que vemos hoje muda a cada segundo.

Parabéns, poeta!

Beijos

Mirze

Rosangelamontagner disse...

Perfeito. Compreender, eis a questão.

Lara Amaral disse...

Há, boa! Bem verdade...

Adoro seu estilo, seus poemas, sempre um prazer estar aqui! =)

Beijo.

A Escafandrista disse...

tão realista.. gostei.

Mayara Azalscky disse...

Oii, seguindo, segue tmb?
adorei aqui e adorei mais ainda seus textos!
beijoos e bom fim de semana!

http://sentimentosgratuitos.blogspot.com/

Sonhadora disse...

Querido Poeta

A realidade...a nossa é uma...a que os outros vêem é outra...nas entrelinhas está o cerne.

Beijo
Sonhadora

Aмbзr Ѽ disse...

gosto da ironia de teu poema e dos incessantes questionamentos.