13 julho 2010

O Sombrio Emiliano Perneta

Talvez o leitor ache um pouco engraçado o sobrenome deste quase esquecido poeta simbolista paranaense, nascido em 1866 e falecido em 1921. No entanto, certamente, não achará engraçada sua trágica, sombria e estranha obra.

É lamentável o pouco valor dado ao Simbolismo em nossas terras. O Simbolismo, que é considerado o movimento precursor da poesia moderna. Fosse na Europa, Emiliano seria cultuado como um gênio. Mas aqui, quase ninguém lembra dele. Bem, eu lembro.

Emiliano Perneta legou-nos oito obras, entre poesias, prosa poética e libretos de óperas. Destaque para o sensacional livro de poemas "Ilusão", publicado em 1911, um dos momentos mais altos de nosso Simbolismo.´

O crítico Andrade Muricy, um dos maiores conhecedores do Simbolismo brasileiro, escreveu o seguinte sobre o poeta curitibano: "A poesia de Emiliano Perneta é a mais desconcertante e variada que o Simbolismo produziu entre nós. Não aceitou o verso livre, mas, por instinto, por inquietação, repeliu os cânones parnasianos. (...) Gracioso, emotivo, espetacular, excêntrico, paradoxal, Emiliano Perneta foi a personalidade mais curiosa do Simbolismo, no  Brasil."

Logo após a publicação de "Ilusão", Emiliano foi chamado de "príncipe dos poetas paranaenses". E é desse livro que retiro o soneto abaixo, que falará mais de Emiliano do que tudo que já disse dele.

Solidão

Oh! para que sair do fundo deste sonho,
Que o destino me deu, e que a Vida me fez,
Se eu quando, a meu pesar, casualmente, ponho
Fora os pés, a tremer, volvo, ansiado, outra vez.

O meu lugar não é no meio de vocês,
Homens rudes e maus, de semblante risonho,
Não é no meio de tamanha insipidez,
Dum egoísmo atroz, dum orgulho medonho!

O meu lugar é aqui, no seio desta ruína,
Destes escombros, que reluzem como lanças,
E destes torreões, que a febre inda ilumina!

Sim, é insulado, aqui, no cimo, bem o sei!
Entre os abutres e entre as Desesperanças,
E dentro deste horror sombrio, como um Rei!

6 comentários:

Andréia Carvalho disse...

Moro perto de um parque público, onde existe a "Ilha da Ilusão": local onde E.P. foi coroado Príncipe dos Poetas, tendo seu busto erigido. Aqui, em Curitiba. Gosto de saber que aqui, foi celebrado, tal como merecia. Gosto de caminhar até lá.

* Um abraço.

Jocelino Freitas disse...

Muito boa matéria.

Essa foto é do busto de Emiliano Perneta localizado no Centro de Letras do Paraná, do qual ele foi fundador, em 1912, juntamente com Euclides Bandeira, e que tenho honra de integrar

Endim Mawess disse...

caramba ele é bom mesmo, infelizmente a literatura não ocupa um lugar honroso na mídia igual é na França. ótimo artigo

Luna disse...

A Reiffer...
Justa homenagem e reconhecimento!!

A nossa literatura apesar de rica e vasta
ainda carece de divulgação.

Sinto que ainda é pequeno o espaço
q ela ocupa.
Temos grandes nomes, q estão no anonimato...
Parabens por sua parcela, contribuição ao homenagea-lo.

bju em seu ♥

Sandra Botelho disse...

Belissimo poema...
Vou ler mais ...Pesquisar e com certeza me apaixonar.
Bjos achocolatados

Sr. Arcano disse...

Um dos poetas que mais me inspirou em meus sonhos e devaneios poéticos.
Junto com Gonzaga Duque, Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens, Emiliano Perneta não só pertenceu ao fantástico movimento simbolista, como também representou o "Penumbrismo", movimento literário sombrio e soturno dentro do Simbolismo brasileiro.
Sugiro também a leitura dos contos de Gonzaga Duque.