29 abril 2010

As Duas Mulheres (1ª Parte)


Sentado na pequena escadaria da entrada de minha casa, observava, com um sarcástico sorriso no rosto, aquela horrível e ridícula mulher que trajava um vestido velho de um vermelho desbotado. A mulher mancava de forma grotesca. Principiava uma manhã nublada e abafada. Aos poucos, um vento insalubre de uma chuva enfermiça iniciou a soprar. A mulher avançava mancando com uma irritante lentidão. Porém, eu ria. Ria de sua insuportável fealdade, de seu ridículo manquejar, de seus odiosos cabelos castanhos, curtos e sujos, completamente desgrenhados e embaraçados. Sua tez morena parecia exageradamente queimada pelo sol. Seus enormes olhos rodeados por repugnantes olheiras transmitiam a sensação de um profundo rancor e vingança, um terrível ódio reprimido.

As finas gotículas de uma deprimente garoa começaram a cair, mas a mulher prosseguia em seu arrastado e odiento manquejar. De seu rosto comprido, gotejava a garoa mesclada à coriza amarelenta que escorria de seu desproporcional nariz. Seu velho vestido desbotado já principiava a grudar em seu corpo deformado e de imenso abdômen. Era uma cena insanamente grotesca, e não consegui segurar meu riso.

A mulher fitou-me com o canto dos olhos, com um visível rancor. Até que lentamente desapareceu, coberta pelas densas árvores que margeavam a rua sem calçamento.

Levantei-me da escadaria e, quando me dirigia à cozinha, ouvi batidas vagarosas na porta. Voltei-me, e qual não foi me susto ao ser canhestramente surpreendido pelo rosto repulsivo da mulher manca. Seus olhos escuros e esbugalhados dardejavam-me com ironia e malignidade. Seus lábios ressecados, lacerados, exprimiam um abjeto sorriso que me causava enjôos. Não havia como ignorar em todo horror de sua expressão um desejo transtornado de vingança.

Saí desvairado pela porta dos fundos, jamais sentira uma sensação tão demolidora de medo. Era algo como um medo ancestral, em estado puro, advindo de horrores do inconsciente coletivo. Havia algo de anomalamente perverso na fisionomia daquela mulher (ou deveria dizer, daquela bruxa?)...

Fugindo pelos fundos do pátio, atravessando o quintal de um vizinho, atingi a rua, correndo com todas as minhas forças. Após alguns minutos, parei e atrevi-me a olhar para trás. Nenhum sinal da hedionda mulher. Mais aliviado, mas não tranquilo, passei a caminhar pelas ruas imundas. O dia encontrava-se nervosamente sombrio. A garoa era irritante, e eu enlameava meus pés sem perceber. Aos poucos, passei a ouvir o tique-taque de um relógio, mas não conseguia distinguir de onde ele provinha. Sei apenas que era algo enlouquecedor. Transmitia a impressão de ser onipresente. Onde quer que fosse, ouvia o mesmo tique-taque incessante, invariável, odiosamente insano.

Pessoas passavam apressadas por mim, olhando seus relógios com extrema angústia e nervosismo. Várias traziam expressões de desespero, colocando suas mãos à cabeça e arrancando os cabelos. Algumas choravam. Creio que todas, como eu, ouviam os torturantes tique-taques.

Avançava sofrivelmente por entre toda espécie de lixo. Foi só então que percebi que estava com lodo quase até os joelhos. Pisava em animais apodrecidos, em pilhas elétricas deterioradas, em restos de comidas gordurosas, sacolas plásticas enroscavam-se em meus pés, que já sangravam. Havia cortes por todos os lados de minhas pernas. Pelo caminho, eu esmagava garrafas quebradas e latas de alumínio vazias. No desespero de sair de casa, não calçara meus sapatos. A chuva engrossara. E os trovões confundiam-se com os tique-taques que ameaçava minha sanidade.

Alguns vermes geneticamente modificados que vagavam pela lama infecta começaram a penetrar pelos ferimentos de minhas pernas, alimentando-se de meu sangue. A dor era insuportável. Lentamente, crescia o número de pessoas que passavam por mim pelas ruas miasmáticas. Suas expressões eram cada vez mais desesperadas. Olhavam seus relógios, mas nenhum deles funcionava. Não era deles que provinha o diabólico tique-taque.

Ligavam seus celulares, falavam berrando com alguém, mas eu não conseguia definir o que diziam. Só sei que os vermes, quando aquelas pessoas gritavam, surgiam às dezenas em suas gargantas, como em um sintoma típico de uma grave infestação por lombrigas.

Iniciei a sentir uma estranha dor de cabeça. Comprei numa farmácia um analgésico. Foi inútil. Carros ultramodernos conduzidos por altos executivos atropelavam brutalmente cachorros e pedestres, para em seguida espatifar-se contra prédios em desmoronamento. Minha dor de cabeça se intensificava de forma alarmante. Ao observar com mais atenção os homens e mulheres que perambulavam devastados pelas ruas, percebi que também eles sofriam com terríveis dores de cabeça. Por tal motivo arrancavam os cabelos. Creio que tão impiedosa cefaleia era causada pelo incessante e insuportável tique-taque.

(Amanhã, a continuação - Na imagem, o quadro, "O Tempo e as Mulheres Velhas", de Francisco de Goya)

4 comentários:

Ana Lucia Franco disse...

Reiffer, daquelas leituras que nos prendem do início ao fim..

bj

Robson Schneider disse...

A "Moura torta" volta a aparecer? esse tique-taque é completamente traduzivel e amplo...
Abraço alessandro


Ps:Aguardando a segunda parte.

Sandra Botelho disse...

Olha...me arrepiei.
Espero que tudo isso não passe de um pesadelo, que a dor de cabeça seja real, mas que o tique taque, seja o despertador na cabeceira da cama esperando para despertar.
Nossa que situação horrenda.
bjos achocolatados, esperando o restante da história. Curiosaaa.

Nanda disse...

Olá, nossa quanta coisa linda por aqui! Qta inspiração! parabéns..
Obrigada pela visita!
grdes beijos

Nanda