26 março 2010

Lembrança

luz que adeja sobre meu sonho
não pensas que eu te esqueci:
sei do teu canto vasto pelos finais
sei que te acimas, sei que te imensas
ouço teus dedos, cheiro teus olhos
não pensas que te descri
dos mares em que te oceanas
do sempre em que tu te eternas
do todo em que te infinitas...

por ti
eu caí das verdades
mergulhei no que erra
abismei-me no Fim

se cada vez mais
me aprofundo na sombra
é pra fincar tua bandeira
nos abismos em que hás de brilhar
inclusive
dentro de mim

8 comentários:

Sandra Botelho disse...

Puxa...
Você escreve com mestria.
Parabens!
Bjos achocolatados!

*Adriana disse...

"luz que adeja sobre meu sonho
não pensas que eu te esqueci:
sei do teu canto vasto pelos finais
sei que te acimas, sei que te imensas"...
"por ti
eu caí das verdades"

Lindos versos, Alessandro!

abçs
Adriana

Sarah disse...

"se cada vez mais
me aprofundo na sombra
é pra fincar tua bandeira
nos abismos em que hás de brilhar
inclusive
dentro de mim"

Meu Deus. Hoje vocês tiraram o dia para me emocionar, só pode ser...Belíssimo! Ah estes poetas...não há como deixar de admirá-los...

Adorei!
beijo grande!

Walmir disse...

Mas que poema bonito, rapaz. Virando substantivos em verbos. Modo de sua poesia dá liberdades.
Muito bom
Walmir
http://walmir.carvalho.zip.net

Flavih Jones disse...

Lindo teu poema.
Chega me passou a emoção.

:)
Beijos

Robson Schneider disse...

Visitando seu blog me detive nesse texto... ainda estou nele.
Parabéns

Milton Ribeiro disse...

Manchete:

"ZH caga até no Ctrl C".

Clecilene Carvalho disse...

Lembrar e mergular no erro,
Deixar cair as verdades,
Afundar-se no abismo da lembrança,
Fomentar o amor e encontrar a luz,
Mesmo que em mais profunda sombra.

Voltarei sempre!
Feliz páscoa.