05 março 2010

Fernando Pessoa e seus Passos da Cruz IX


Continuo postando os sonetos de Passos da Cruz de Fernando Pessoa, conforme explicado na seguinte postagem: http://artedofim.blogspot.com/2009/12/fernando-pessoa-o-predestinado-passos.html . Na próxima semana, o 10º passo. Na imagem que acompanha o poema, o quadro "O Naufrágio" de William Turner.

Passos da Cruz - Soneto IX

Meu coração é um pórtico partido
Dando excessivamente sobre o mar.
Vejo em minha alma as velas vãs passar
E cada vela passa num sentido.

Um soslaio de sombras e ruído
Na transparente solidão do ar
Evoca estrelas sobre a noite estar
Em afastados céus o pórtico ido…

E em palmares de Antilhas entrevistas
Através de, com mãos eis apartados
Os sonhos, cortinados de ametistas,

Imperfeito o sabor de compensando
O grande espaço entre os troféus alçados
Ao centro do triunfo em ruído e bando…

5 comentários:

Ju Fuzetto disse...

Perfeito!!
adorei
bom final de semana!
abraço

crônicas disse...

Olá, boa noite!

Comprei recentemente um livro onde foram reunidas algumas das criações de Fernando Pessoa. Estou gostando muito. Cito um trecho:

"Navegadores antigos tinham uma frase glorioa: 'Navegar é preciso, viver não é preciso".
Quero para mim o espírito desta frase, transforamada a forma para a casar com o que eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar."

abçs
Adriana

Vampira Dea disse...

Ler Fernando Pessoa é uma delicia.

Um convite: essa semana no Dea e o Mundo textos inéditos de autores convidados, sobre a mulher,em vários estilos de trabalhos, fotos, contos, poemas, tirinhas, venha conferir.
Um beijão.A cada dois dias trabalhos novos.

al disse...

fernando pessoa é das mentes mais brilhantes que surgiram.. li o livro do desassossego e acho que não há palavras para tamanha genialidade..

um obrigada muito sincero pelo comentário :')

Tais Luso de Carvalho disse...

"O Naufrágio" de William Turner já é, por si só, uma obra dramática. Ilustra muito bem alguns poemas de Fernando Pessoa:

'Que triste à noite, no passar do vento,
O transvasar da imensa solidão
Para dentro do nosso coração,
Por todo o nosso pensamento'.

(Poesia/Companhia das Letras-1918,1930)

Bela postagem, a sua.
Fernando Pessoa é irresistível a tudo que é incerto, vago e indefinido.

Bjs
Tais luso