16 fevereiro 2010

Fernando Pessoa e Seus Passos da Cruz VII


Continuo postando os sonetos de Passos da Cruz de Fernando Pessoa, conforme explicado na seguinte postagem: http://artedofim.blogspot.com/2009/12/fernando-pessoa-o-predestinado-passos.html . Na próxima semana, o 8º passo. Na imagem que acompanha o poema, o quadro "Incêndio nas Casas do Parlamento", de William Turner

Passos da Cruz - Soneto VII

Fosse eu apenas, não sei onde ou como,
Uma coisa existente sem viver,
Noite de Vida sem amanhecer
Entre as sirtes do meu doirado assomo…

Fada maliciosa ou incerto gnomo
Fadado houvesse de não pertencer
Meu intuito gloríola com Ter
A árvore do meu uso o único pomo…

Fosse eu uma metáfora somente
Escrita nalgum livro insubsistente
Dum poeta antigo, de alma em outras gamas,

Mas doente, e, num crepúsculo de espadas,
Morrendo entre bandeiras desfraldadas
Na última tarde de um império em chamas…

4 comentários:

Cuentos Bajo Pedido ¿Y tu nieve de qué la quieres? disse...

Uma coisa existente sem viver,



bem triste, certo?

Tatiane Lemos disse...

Amei, tudo principalmente o blog!
Beijos!
Ja sigo!

carú disse...

a certeza do incompleto. É, gostei!

Lady Gótica disse...

Parabéns vc tem muito talento meu anjo,seu Blog é maravilhoso bjs da Lady!