27 dezembro 2009

Poema Fúnebre


deixa assim...
que de nota em nota
a Marcha Fúnebre
chegará ao fim

enquanto eles falam
e gritam e riem e gestam
e sobem e descem e sabem
e vencem e caem e cegam
transpiram publicam rastejam

eu calo-me
num canto
canto sombrio e só
não-visto por todos
ouvido por nada
e só recebi um não
por ter a razão

o Fim
é uma marcha fúnebre
e fúnebre sendo
seu lento andamento
é lento...
lento...
bem lento...

então deixa assim
que eu não falo por mim:
quem fala é o Tempo...

4 comentários:

M. D. Amado disse...

Um de seus melhores, na minha opinião. Excelente!

LIFE disse...

Es bellísimo...Para poder leerlo mejor usé un traductor on line... y confirmé esas palabras que no entendía bien pero a la vez sentía que querían decir ,obviamente Ud. escribe con el alma... en un idioma universal y bellísimo... su marcha, su música, lenta, lenta, su canto...se oía aún sin audio...Es un placer visitar su blog y sus letras.Tambien ví el artículo del pequeño niño ....cuanto dolor...cuanta crueldad...cuanta irresponsablidad. Un abrazo desde el alma.

Mensageiro Literário disse...

Gostei muito. Lido em cadência (ou decadência hehehe) lenta como a marcha, ficaria explêndido. Parabéns!

Janice Adja disse...

Palmas!!!!!
Beijos@!