Meu 2º livro: Poemas do Fim e do Princípio - Uma Aposta no Livro Digital

Conheça "Poemas do Fim e do Princípio", meu 2º livro com 245 poemas em quase 250 páginas. Adquira a versão impressa ou digital, clicando no link: http://www.livrosilimitados.com.br/loja/autores_descricao.asp?codigo_autor=7



14 setembro 2009

A História de Chapeuzinho Colorido e o Não-Lobo-Mau

A bela Chapeuzinho Colorido, contrariada e com muita má-vontade, levava em uma pequena sacola os remédios para sua avó, conforme ordenara sua mãe. Eram medicamentos contra a hipertensão e a diabete. Chapeuzinho detestava ir à casa de sua avó, porque ela deveria seguir uma trilha por entre a mata, e a menina não apreciava nem um pouco a natureza. Reclamava dos mosquitos, tinha medo das odiosas cobras, repugnava-lhe ter que atravessar a pontezinha sobre o riacho, pois receava que ela pudesse cair, já que era muito velha.

O canto dos pássaros não a comovia, e a beleza das árvores era indiferente para Chapeuzinho. Era uma menina urbana e moderna, preferia passear nos shoppings e contemplar as vitrines das lojas, como toda boa consumidora. De modo que somente visitava sua avó quando era obrigada por sua mãe. Nesses momentos maldizia aquela velha rabugenta que fedia a fumaça de fogão. E maldizia sua mãe também, aquela mulher antiquada e autoritária.

Porém, logo ao tomar a trilha que levava à casa de sua avó, Chapeuzinho foi surpreendida ao perceber que grande parte da mata havia sido cortada e queimada. A ausência da vegetação, no entanto, não a incomodava em absoluto, era até melhor, porque assim ela poderia pegar mais sol, bronzear-se mais. Só o que lhe perturbava era o cheiro de fumaça do mato queimado, que a deixava ainda mais irritada. Caminhando pela trilha, Chapeuzinho chutou o casco seco de um tatu que fora tostado. Logo adiante, viu o corpo de uma capivara que havia sido abatida a tiros. Chapeuzinho sorriu ironicamente. Sempre achara a capivara um animal feio e sem graça. Não faria falta aquela que estava ali morta.

Chapeuzinho estranhou não ouvir tantos cantos de aves como das outras vezes. Melhor assim, pensou. Já estava muito irritada mesmo, e o silêncio seria melhor, ou até cantarolar algum funk ou pagode. Caminhando um pouco mais, a menina avistou o cadáver de um cachorro-do-mato. Estava queimado. Nesse instante, Chapeuzinho lembrou das histórias de sua avó, quando contava sobre o lobo-guará, belo e antigo animal que nunca mais fora visto nas imediações. Apesar de sua avó insistir que o lobo-guará era um animal predominantemente dócil e inofensivo, Chapeuzinho não acreditava. A velha devia estar caduca, ou na sua insistente mania de defender a natureza, exagerou nas qualidades do lobo. Para Chapeuzinho, lobo era lobo. E lobo era sempre mau. Não merecia viver. Deu graças pelo animal não existir mais por aquelas bandas. Imaginem se ela cruzasse com um lobo-guará pelo caminho! O animal estúpido poderia agredi-la e até matá-la.

Finalmente, atravessando a floresta em grande parte queimada e devastada, Chapeuzinho chegou à casa de sua avó, que vivia sozinha. Como batera várias vezes à porta, e sua avó não atendia, resolveu entrar. Encontrou-a deitada inerte sobre a cama. Chapeuzinho tentou reanimá-la, mas foi inútil. Sua avó estava gelada, não respirava, devia estar morta. Chapeuzinho entrou em pânico. Não gostava muito de sua avó, não ficou realmente sensibilizada ao verificar sua provável morte, porém, não sabia o que fazer estando sozinha diante de uma pessoa sem vida. Não havia ninguém nas redondezas, porém, a menina correu para fora gritando por socorro. Um caçador que passava pelas imediações ouviu os gritos e dirigiu-se até a casa.

Chapeuzinho sentiu-se aliviada com a chegada do caçador, e pediu que ele fizesse algo para ajudá-la com a avó. O caçador disse que nada faria, e que era ótimo que a velha estivesse morta. Afinal, a avó de Chapeuzinho não passava de uma velha chata, rabugenta e impertinente, que com suas manias ecológicas vivia tentando impedir que os caçadores entrassem em suas matas. Felizmente, aquela velha retrógrada estava agora morta, e ele e seus amigos poderiam caçar à vontade e extrair a madeira de suas terras, coisa que já estavam fazendo há algum tempo de forma clandestina. Aquelas terras deveriam ser úteis para alguma coisa além de servir de abrigo para sapos e macacos barulhentos.

Chapeuzinho então, vendo que seria inútil pedir auxílio ao caçador, decidiu voltar para sua casa e comunicar à mãe sobre o ocorrido. No entanto, o caçador a impediu, puxando-a pelo braço e falando em seu ouvido:
- Que é isso, mocinha, fica mais um pouco. Sabe que você é muito bonitinha... Vamos, me dá um beijinho!

Chapeuzinho tentou resistir, empurrando o caçador, mas ele era muito mais forte e conseguiu subjugá-la, derrubando-a no chão. Mesmo com os gritos e com toda a resistência de Chapeuzinho, o caçador foi arrancando com fúria suas roupas e esbofeteando seu rosto delicado para que ela parasse de gritar. Baixou as calças e, segurando o pênis, exclamou com sua sórdida voz:
- Olha como é grande! Isso é pra te dar prazer melhor, hahaha!

E à força, penetrou brutalmente a indefesa Chapeuzinho. O estupro consumava-se com muita violência, a menina sangrava e, não suportando a dor, esperneava incessantemente, até que em um momento logrou acertar com força seu joelho nos testículos do caçador. Então, este se enfureceu ainda mais, agarrou a cabeça de Chapeuzinho e a bateu violentamente contra o chão por várias vezes, até que ouviu o barulho de seu crânio rachando e sentiu alguns respingos de sangue em seu rosto deformado pelo ódio e pelo monstruoso desejo sexual.

E, no corpo já sem vida de Chapeuzinho, o caçador prosseguiu com seu abominável estupro, prosseguiu até dilacerar repulsivamente o órgão sexual da menina, até deixá-lo em carne viva e expor as suas entranhas. Em seguida, apanhou sua espingarda que largara em um canto, e fugiu pelo que restava da mata, abandonando o cadáver ensanguentado de Chapeuzinho.

Quando saía da floresta e aproximava-se do riacho, o caçador assustou-se com a revoada de um enorme e agourento urubu inteiramente negro que estava pousado sobre uma rocha à beira d’água. Com o susto, o caçador escorregou nas pedras lisas e úmidas, bateu brutalmente a cabeça na rocha e estirou-se fulminado sobre as pedras. Seu crânio abriu-se com a violência do choque, e pedaços sanguinolentos de sua massa encefálica podiam ser vistos à beira do riacho, em uma poça de sangue.

Dias depois, seu corpo foi encontrado pela polícia. Os policiais tiveram trabalho para afugentar o bando de urubus que fazia um banquete arrancando os intestinos do caçador. Um dos policiais poderia jurar que os murmúrios lúgubres dos urubus quando afugentados assemelhavam-se muito a sombrias risadas...

Moral da história: o urubu tem razões que a própria razão desconhece.

4 comentários:

Tânia Souza disse...

terrible, entanto divertido ^^

jlsosodrac disse...

..Nossa! =0 Bem saguinolenta essa história que até dá vontade de rir e chorar... õ/

.lah rosa. disse...

Depois de ficar com o coração moído em saber que essa historinha trágica é a nossa realidade... acabei rindo da moral.

Ironias a parte, (não recrimino, até gosto)ótimo texto.

Agradeço também a visita.

Karin disse...

Excelente história para hora-do-conto... Os urubus é que sabem das coisas. Adorei!