15 abril 2009

O que é a Inspiração?


A inspiração não se explica. Não há conceito que a defina. Não há teoria que a limite. Por mais que alguém tente dizê-la, jamais a dirá. Dirá a “ciência” que a inspiração pode ser explicada por reações químicas no cérebro, assim como ela tenta explicar o que seria a paixão, por exemplo.

Ainda que tais reações possam ocorrer tanto em um caso como no outro, como se pode afirmar com certeza que são tais substâncias e suas interações as causas profundas da paixão ou da inspiração em um ser humano? Suas manifestações físicas impedem suas manifestações espirituais? Ou são reflexos das últimas?

Por que uma coisa impediria a outra? Um técnico de futebol, por exemplo, explicaria que seu time jogou mal ou bem somente porque seus jogadores interagiram bem ou mal? Não há outras causas menos aparentes? Tudo é assim tão simples?

Vejo tais reações químicas cerebrais como o reflexo de uma causa mais profunda, não mecânica, não material. Ainda que se explique toda a vida através de reações químicas, por que há vida em um gato e não há em um automóvel, se ambos funcionam através de reações químicas e princípios mecânicos?

Se a inspiração se resumisse a reações químicas cerebrais, se não houvesse para ela uma causa maior e mais profunda, bastaria se descobrir uma técnica ou uma droga para promover no cérebro tais reações que se faria de qualquer idiota um novo Beethoven, por exemplo. Logo a “ciência” dirá que pode fazer com que qualquer pessoa se apaixone ou se inspire. Da mesma forma que disse no século XIX que não haveria mais doenças para afetar o ser humano no século XX, que todas seriam curadas e erradicadas. Para esta “ciência” que aí está, tudo é controlável e manipulável... É uma pena que a destruição do planeta fugiu ao controle de sua arrogância... E de sua ignorância.

Ninguém nunca me dirá o que é a inspiração. Alguém que não a tenha poderá passar a vida inteira pensando em criar uma grande obra de arte e não a fará. Alguém que tenha naturalmente em si a inspiração criará a essência da obra de um instante para outro, no momento que tiver o “insight” da mesma, ainda que precise de mais tempo para levá-la às suas consequências finais. E nem mesmo o autor da obra saberá explicar de uma forma satisfatória como surgiu em si a inspiração.

Ainda que muitas vezes a inspiração seja apenas 1% de uma obra, e que o restante seja o trabalho sobre ela, sem esse 1% de inspiração, a obra não existirá, assim como uma criança não nasce sem os minúsculos óvulos e espermatozóides.

De onde surgiu a 9ª Sinfonia de Beethoven, por exemplo? De simples reações químicas? Fico com o que pensava o próprio Beethoven: “do céu estrelado acima de nós...”
(Na imagem, "Alegoria do Gênio de Beethoven", de Sigmund Hampel)

3 comentários:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Baita texto. Não há o que discordar.

A. R. T. disse...

... "... e a razão moral dentro de nós"

É.

Tá aí o Alessandro pra colocar em texto mais uma daquelas coisas que eu sinto profundamente - e que faço da minha vida uma busca demente pra ir de encontro às mesmas - mas que mesmo assim nunca sei dizê-las.

Arte do fim na alma.

coachingsp disse...

Olá, estou fazendo um apanhado sobre o que é inspiração, e adorei o seu texto. Gostaria de disponibiliza-lo no meu blog com um link para o seu site. Abraços e sucesso sempre....