11 março 2009

A Nossa Lenta Marcha Fúnebre

Quando todos os temas se unem e existem simultaneamente, prepare-se o final. Quando soa uma grande sinfonia, seus temas apresentam-se um de cada vez ao longo da obra, no decorrer dos seus vários movimentos. Quando cada movimento se aproxima do final, e ainda mais ao fim do último movimento, seus temas retornam com toda força e intensidade, às vezes um pouco alterados, mas reconhecíveis, de forma simultânea, em uma apoteose devastadora. A sinfonia então se encerra, de forma grandiosa e exultante, ou de forma trágica e desoladora.

Assim é com tudo. Em maior ou menor grau. “Assim como é acima, é abaixo.” Assim é com nossa civilização. Aproxima-se o seu final. Um final trágico e desolador.

Hoje todos os temas subsistem ao mesmo tempo em nosso mundo. Nas artes, nas ciências, nas religiões, nas filosofias, nos estilos, nas modas, enfim, em tudo, há uma infinidade de temas coexistindo, entrecruzando-se, em paz ou em conflito, tudo é aceito, há seguidores para todos eles, que se conflitam entre si sem chegar a nenhuma síntese. Já foi mais do que dito que chegamos ao fim da história. Mas o que isso significa? Hoje tudo existe, e nada vale a pena. Todos os temas que existiram e foram criados ao longo da história da humanidade estão presentes em nossa civilização, porém todos esvaziados, desprovidos de significado, não levando a lugar nenhum, combatendo-se mutuamente. É o triste final de uma sinfonia mal feita, mal executada, cujo sentido perdeu-se ao longo da obra. Uma sinfonia criada por Deus ou por nós mesmos? Ou por ambos?

A civilização acaba lenta e lugubremente. Tão lenta que mal se percebe. Uma marcha fúnebre de principio imperceptível se abateu sobre nós. Nós somos os sapos sendo cozinhados lentamente na panela de água que esquenta sem que eles percebam. Como todos devem ou deveriam saber, se colocarmos sapos numa panela com água e esquentarmos a água aos poucos, os sapos não perceberão o aumento da temperatura e morrerão cozinhados sem lutar para sair. Assim é a humanidade dentro da panela de água cada vez mais quente do planeta.

Não, não me refiro somente ao aquecimento global. Refiro-me a tudo, simplesmente a tudo o que ocorre conosco, que nem é necessário que eu diga. Bem, pensando melhor, talvez seja. Mesmo assim, não direi. Até porque eu nem devo saber tudo o que acontece, devem estar ocorrendo coisas terríveis que eu nem suspeito o que é.

Só sei que as coisas não estão bem, não estão bem nem um pouco, e estão cada vez piores. Isso eu sei. E ninguém me tira essa certeza. Porém, tudo o que ocorre o faz de uma maneira tão lenta para as nossas miseráveis capacidades perceptivas que até temos a impressão muitas vezes de que nada está ocorrendo e de que tudo se encontra perfeitamente bem...

Porém, chega um momento em que algo é percebido. Quase sempre é tarde demais. É como algumas doenças fatais. Quando surgem os sintomas, não dá mais para curar. Mas mesmo quando se percebe algo, sempre há os que dizem que não. Acreditam que negando o óbvio, serão inteligentes, serão sábios. Até que as coisas pioram e surge um sinal ainda mais óbvio. E surgem outros sapos sábios para negá-lo com ainda mais inteligência. Até que um dia surge o sinal derradeiro, e o teto desaba sobre nossas cabeças. Certas doenças matam mesmo.

E assim os sapos sábios são cozinhados sem que percebam. Morrem sem nem ao menos saber por quê. Está se encerrando a sinfonia mal-acabada de nossa civilização. O seu último movimento é uma lenta e arrastada marcha fúnebre. Às vezes parece que alguma coisa melhora, porém era tudo ilusão, e o estado de má saúde se agrava. É como um paciente terminal. Muitas vezes parece que ele vai melhorar, recobra o ânimo, apresenta um quadro mais otimista, os médicos se surpreendem... No entanto, isso passa, a doença retorna com toda força e o enfermo agoniza e morre. Não é assim?

É como uma calmaria antes da tempestade. A escura tranquilidade que precede as tempestades. Às vezes parece que vai abrir sol, e o temporal desaba. Uma lenta, muito lenta, lentíssima Marcha Fúnebre. Mas um dia ela acaba. O certo é que tudo que teve um Princípio tem um Fim. E o que há depois do Fim?

2 comentários:

Micheli Pissollatto disse...

Realmente: o que há depois do Fim?

Nenhum Mistério disse...

Cara, seus poemas e textos sempre me fazem pensar.
É mesmo de se imaginar... Será que o fim é mesmo o fim? Ou será que depois do fim há recomeço?