27 março 2009

Da Genialidade de Poe (Outra Pequena Homenagem aos seus 200 Anos)


A seguir, dois fatos pouco conhecidos sobre Edgar Allan Poe, que demonstram, porém, o alcance de sua genialidade:

1º - Em 1842, em Nova York, ocorreu o assassinato de Mary Cecilie Rogers. Tal crime permaneceu sem solução até novembro do mesmo ano, quando Poe escreveu o conto “O Mistério de Marie Roget”. Nesta obra, o autor, sob o pretexto de relatar a sorte de uma parisiense, seguiu em todas as minúcias os fatos essências do assassinato real de Mary Rogers, enquanto acompanhava os não essenciais. Ou seja, na verdade, Poe tratou em seu conto de tentar solucionar o mistério do crime, o que a polícia não havia feito até então. Escrevendo, pois, uma obra aparentemente fictícia, Poe, distante do cenário do crime e apenas acompanhado o desenrolar dos fatos pelos jornais, reuniu todas as informações possíveis sobre o assassínio. Utilizando-se de sua mente e de sua imaginação fenomenais, de sua espantosa capacidade dedutiva, chegou sozinho à solução do mistério. Mais tarde, foi comprovado que a conclusão geral de Poe sobre quem seria o assassino de Mary Rogers estava corretíssima. E não só isso: absolutamente todos os principais pormenores hipotéticos por meios dos quais foi essa conclusão obtida também foram desenvolvidos de forma integralmente correta.

Impressiona enormemente que Poe tenha chegado sozinho à solução de um crime, muito antes da polícia, e distante do cenário do assassinato. Não é à toa que foi ele o criador do gênero policial na literatura. Se não fosse um gênio da arte, Poe seria um genial detetive.

2º - Poe escreveu um ensaio que une um caráter científico, filosófico, metafísico e poético intitulado “Eureka (Ensaio sobre o Universo Material e Espiritual). Nessa extensa obra, de profunda e densa beleza artística, Poe, entre outros assuntos, transmite-nos a sua visão da origem do universo. Porém, o que mais nos surpreende é que nesse ensaio, escrito durante a primeira metade do século XIX, Poe antecipa-se em mais de um século às teorias científicas do século XX sobre o universo e sua origem. Em “Eureka”, o gênio nos passa a visão de que o universo se originou de um único todo informado, um átomo inicial, como afirma a teoria do “Big Bang”. Poe ainda escreve que, ao fim, tudo o que foi formado no universo voltará ao seu seio inicial, ao “átomo” primordial.

Esses são apenas alguns exemplos da obra de um dos maiores gênios da história da humanidade: Edgar Allan Poe.

Um comentário:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Cara, eu não sabia dessas coisas. Muito obrigado por fornecer esse conhecimento sobre Poe pra nós, por nos deixar mais próximo, mais popular. Afinal, é necessário que as pessoas saibam diferenciar Poe de qualquer outro escritor do gênero policial, que ele criou, e que hoje em dia é um gênero muito bem vendido e tal. Um grande gênio era ele!