15 dezembro 2008

As Almas do Fantástico na História do RS - História 4ª: A Picada

Aproximava-se das 4h da tarde quando atingi a beira da sanga que corta os campos de meu avô. Desde o amanhecer havia algo de anormal naquele dia. O sol e o calor eram intensos demais, mesmo para o mês de março. Não havia o mínimo vento, a mínima brisa. Mas não era o clima físico que causava a anormalidade, porém o clima psicológico. Não que ele fosse negativo, ominoso, agourento, nada disso. Era simplesmente estranho, esquisito, anormal, anômalo, inexplicável, carregado de indefiníveis sensações perturbadoras. Existem sensações que não se consegue, que não se pode, que não se deve explicar. Tão-somente sentir. E eu as sentia de forma contundente em minha alma intuitiva e atormentada.

E sentia-me bem à beira daquela sanga de águas puras e límpidas, sob a sombra densa e benfazeja das árvores frondosas, entrecortadas pelos raios do sol impiedoso. Do local onde me encontrava havia uma forte, mas rasa, correnteza sobre uma grande quantidade de pedras e lajes de variados tamanhos. Ali, o número de aves era incomum, eu ouvia uma imensa diversidade de cantos, alguns bastante diferentes, os quais contribuíam para tornar ainda mais inquietante o clima de estranheza que pairava por aquelas atmosferas abafadas...

Sentei-me em uma das grandes pedras e respirei fundo, deixando-me levar pelo furacão de sensações que sempre se debate em minha alma. Percebi que estava com febre. Um torpor delicioso e violento inflamou-me a psique. Encontrava-me nesse misto de tormento e prazer que mal consigo definir. E que muito menos consigo adivinhar suas causas, suas origens. Apenas sei que as sentia e que meus sentimentos tomavam todo meu ser... E isso me basta. Caía a influência daquele dia estranho sobre a minha estranha psique. E eu voando afundava-me em pensamentos e emoções insensatas e absurdas.

Nesse instante soprou-me a única brisa do dia. Uma brisa quente, férvida, inflamada... Havia auras anômalas naquele sopro incendiado. Ouvi passos na mata. Desci-me de meu vôo e alertei-me. Uma jovem aproximava-se da sanga carregando uma sacola repleta de roupas. Minha febre talvez tenha aumentado. Seus longos cabelos castanhos e lisos caiam sobre um vestido claro um tanto simples, bastante adequado à sua beleza deslumbrante de naturalidade. Ao ver-me, a moça não se surpreendeu, como se já esperasse que eu estivesse ali. Chegou ao local onde eu me encontrava, saudou-me com uma familiaridade incompreensível para alguém desconhecido. Eu jamais a havia visto. Perguntei seu nome. Ela largou a sacola, sentou-se em uma pedra bastante próxima a mim e principiou a lavar as roupas nas intensas águas da correnteza.

- Isabela. Tu não lembras de mim?
- Não. Desculpa, mas sinceramente não. Nós nos conhecemos?
- Sim. Já há um bom tempo... Mas deixa pra lá, se não lembras, tudo bem, eu entendo. Outra hora tu irás lembrar. Vamos falar de outras coisas. Gostas deste lugar?
Iniciamos então uma conversa absurdamente delirante. É desnecessário mencionar o que falamos. Porém é necessário dizer que tratamos de assuntos e palavras de uma forma tão natural e com uma intimidade tão completa que me arrebatou de um assombro quase sobrenatural. Seus olhares profundos e hipnotizantes fizeram com que eu perdesse a noção de tempo e espaço. Sua voz doce e melodiosa parecia provir de regiões desconhecidas do cosmos e enlevava-me como uma música estranha e carregada de uma indecifrável magia. Pensei em coisas e existências que não sei nomear. Conforme avançávamos em nossa conversa, essas palavras penetravam como a embriaguez do vinho em minha mente e coração. Eu me sentia flutuar pelas águas cristalinas daquela sanga, ou então me via levado pelas brisas mornas do verão do pampa, ou mergulhava no verde infinito de matas simultaneamente reais e imaginárias... Em alguns momentos o som da voz de Isabela confundia-se com o canto dos pássaros, e eu já não sabia distinguir um do outro. Lembro-me de ter dito um rio de palavras para a bela moça, porém, não lembro de absolutamente nenhuma delas com precisão, muito embora os temas fantásticos das mesmas ainda ecoem romântica e fatalmente em minha alma... Por entre as frases nebulosas que de Isabela ouvia, sentia lâminas de desejo cortarem meu coração; minha febre se intensificava e um delírio sublime jogava-me sonhando por aquelas atmosferas quentes, estranhas e intuitivas.

Após lavar todas as roupas, Isabela recolocou-as na sacola e partiu calmamente por entre a mata, enquanto eu aos poucos deixava meu estado de entorpecimento psíquico.

Encontramo-nos no mesmo local cerca de um mês depois. Dessa vez ela não levava roupas para lavar. Trajava um vestido que se assemelhava bastante a um de prenda, intensamente vermelho. Era como se houvéssemos marcado um encontro, porém não havíamos marcado. Não sei o que aconteceu durante as várias horas que estive na presença da moça. Digo que realmente não sei. Tão-somente lembro de que ali se encontrava um urutau pousado em um galho, e que a ave cantava em inusitado desvario. Creio que um sorro também gritou em algum canto. Fora isso, era como se nada mais houvesse ocorrido, apenas um sonho insano e absurdo sem lembranças específicas, apenas vagos rumores enevoados. Até que viera o beijo...

Sim, de sua boca plena de sons indefiníveis, senti um beijo em forma de ciclone. Estou certo que sua boca permaneceu colada à minha por horas, não obstante eu não possuísse a mínima noção de tempo ou espaço. Eu não estava ali, eu não existia, eu apenas estava com ela. Naqueles instantes ocultos de um beijo absurdo, minha mente navegava pela imensidão do pampa gaúcho, eu mergulhava na alma das coxilhas cheirando a flores, viajava em colossais cavalos por campos intermináveis, por entre matas orvalhadas, comunicava-me com animais que não mais existiam. Sob um céu azul e frio pairavam corvos com anjos sombrios, enquanto sangas, córregos e rios pareciam fervilhar em minhas veias. E tudo fluía de seus lábios, de sua boca, de seu beijo. Não sei por que, eu captei rumores celestes e infernais, e uma tempestade de sonhos enlouquecia-me no alto de um cerro vertiginoso. Então, olhando-me doce e espiritualmente, Isabela, em estranha suavidade, retirou lentamente seus lábios dos meus. Levantou-se e partiu, sem dizer palavra e em perturbadora serenidade, pela escuridão da mata. Já era noite.

(...)

Sim, meu avô, agora eu entendo o que me disseste. Deixei-lhe este relato porque vou partir com ela. Quando naquele fim de verão eu percorria os seus vastos campos, meu querido avô, eu senti que algo de anômalo pairava nas inquietantes atmosferas. Hoje, completam-se seis meses desde que recebi o absurdo e delirante beijo de Isabela. Desde então, vi-a por mais três vezes, e minha decisão está tomada. Eu sei, o senhor vai dizer que enlouqueci, que ela conseguiu seus objetivos, que me hipnotizou inexoravelmente com seu funesto poder, que pagarei com a morte a minha insanidade... Isso o senhor dirá, meu avô, mas eu não me preocupo. Provavelmente, isso tudo é verdade, talvez eu morra sob a influência da estranha mulher... Porém, morte ainda pior seria continuar vivendo entre os humanos sem ela.

É claro, como o senhor havia me alertado, talvez ela não seja uma mulher. Talvez ela seja um daqueles espíritos femininos que há milênios habitam as regiões isoladas do pampa, uma oculta alma da natureza, um daqueles elementais fantasmagóricos que em alguns momentos de suas misteriosas existências decidem encontrar uma vítima para levar para seu mundo inaceitável. E talvez tenha sido eu uma dessas vítimas. Desconheço por que eu seria um dos raros escolhidos... Talvez pela minha tendência doentia para a fantasia e para a mórbida imaginação... No entanto, provavelmente deverei morrer para acompanhá-la por regiões desconhecidas, e depois... Bem, depois nem mesmo o senhor soube me dizer o que aconteceria comigo...

Mas se assim for, tudo ocorrerá da maneira mais natural possível. O senhor encontrará meu corpo caído na beira da sanga. Eu terei morrido envenenado. Haverá um ferimento em minha perna, as marcas dos dentes de uma serpente. E o mundo não saberá de nada, apenas que eu morri pela picada de uma cobra...

28 de novembro de 1959.

Assina: Miguel Francisco Paiva

2 comentários:

Micheli Pissollatto disse...

Excelente! Uma leitura que atrai e nos mantém hipnotizados, eu ficaria um dia inteiro lendo e relendo este texto. Meus parabéns!

"E eu as sentia de forma contundente em minha alma intuitiva e atormentada."
Destaco este verso, pois se adéqua a situações de minha vida.

Um beijo!

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Cara, eu já ando rendido no que se refere a falar sobre tuas obras. Sou fã, não adianta.

Abraço.