12 janeiro 2007

A Morte do Sentimento

Ninguém seria capaz de negar que a humanidade passa por uma das mais graves crises de sua história, creio até que a mais grave, e é possível que o qualificativo de “crise” seja um eufemismo para o quadro atualmente vivenciado por nosso planeta e pelas populações nele existentes. Desnecessário seria aqui exemplificar os terríveis fatos que cotidianamente assolam nossas existências, no entanto, há um que me chama a atenção sobremaneira, até devido à circunstância de eu trabalhar com a arte: a morte do sentimento.

Fato incontestável é que a humanidade vem tornando-se cada vez mais fria e insensível, e não é à toa que a pós-modernidade é caracterizada pelo superficialismo, pela efemeridade das relações; vivemos a época do descartável, tanto física quanto psiquicamente, a época dos afetos de uso momentâneo, a época da mecanicidade, do que eu qualifico como “robotismo”.

Esse robotismo nada mais é do que a brutal frieza e indiferença que impera absoluta nas mentes e nos corações de uma tremenda parcela da população, particularmente nos jovens. A grande maioria das pessoas, para usar uma expressão pós-moderna, “não está nem aí para nada!” Vive-se tão habituado à tragédia, ao horror, às catástrofes sociais e ambientais que lentamente devastam nosso mundo, que uma a mais ou a menos, já não faz a mínima diferença. A violência monstruosa que todos os dias abarrota os jornais de notícias é vista como um mero acidente de percurso, e até mesmo uma denúncia de corrupção não passa de “mais um que roubou, e daí?”

Alguns artistas e filósofos já falam de uma próxima época, sucessora do pós-moderno, qual seja, a do pós-humano. Será quando os homens não passarão de máquinas absolutamente empedernidas, tendo unicamente como objetivos ganhar dinheiro, acumular bens, e usufruir dos prazeres materiais, em um comportamento completamente egoísta, hedonista e consumista. Cabe aqui perguntar: já não estaríamos nessa época? E se estamos, que futuro ela pode reservar a nós, que tipo de civilização poderá resultar de tais “filosofias de vida”? A questão do consumismo desenfreado já nos dá um sombrio indicativo da gravidade do problema: está mais do que demonstrado que nosso planeta não suportará o nível de consumo atual de seus recursos naturais, e os efeitos catastróficos dessa situação já estão bastante presentes em nosso dia-a-dia...

Na época pós-humana, os sentimentos não terão lugar, serão vistos como algo retrógrado, ultrapassado, piegas, cafona. Decretar-se-á então a morte da poesia, da música clássica, enfim, de todas as grandes manifestações artísticas, para dar lugar às mais baixas expressões da degeneração humana, como ocorre hoje com a pseudomúsica do funk, que faz vibrar os mais vulgares instintos do homem, na ausência absoluta de sentimentos elevados. Alguém poderá contestar-me, afirmando que funk é música também. Nesse caso eu diria que tal atitude é mais um sintoma da pós-humanidade. O funk é só um exemplo, um dos mais claros, poder-se-ia mencionar dezenas de outros, mas, obviamente, o espaço não me permite.

A verdade é que uma hedionda acomodação psíquica tomou conta da humanidade. Atingimos um ponto em que nada mais é capaz de emocionar o ser humano. Quando falo em emocionar, refiro-me à emoção profunda, de caráter superior, ao que classificamos de nobreza de sentimentos. As pessoas, de uma forma geral, já não mais se preocupam em demonstrar e manter afeto, comoção, sensibilização a respeito de algum fenômeno ou acontecimento, de alguma verdade ou constatação. Muito pelo contrário, até mesmo tem-se vergonha de sentir; chorar é encarado como uma fraqueza, a meiguice, como uma ingenuidade, a emoção profunda e espontânea, como um desvio da mentalidade padrão. Não é assim, amigos leitores? Aqui, lembro de Rui Barbosa, que, na “Oração aos Moços” afirmava que o homem um dia desanimaria da virtude, riria da honra, teria vergonha de ser honesto. Esse dia, senhores, já chegou. Agora, chegará o dia em que o homem desanimará da arte, rirá da sensibilidade, terá vergonha se ser profundo. Estabelecer-se-á então a lei do “quanto mais fútil, melhor”. E creio que esse dia funesto chegará rapidamente, se é que já não o estamos vivendo...

É possível que alguém pergunte a si mesmo: “E daí?” Nesse caso, estará confirmando tudo o que eu afirmei acima. Os negros resultados estão ao nosso redor, e caminhamos firmes e resolutos ao caos absoluto e à autodestruição inexorável...

2 comentários:

Anônimo disse...

É terrível, Alessandro, mas você está certíssimo.

Alessandro Reiffer disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.