04 dezembro 2006

Quatro Poemas Apocalípticos

I
A Vida Corre

no medo mudo
o mundo berra
no amor já morto
que cai por terra
e o homem brinca
de boca-aberta
de mente-torta
de alma-morta
e o homem mata
e a mata morre
e a água escorre
num fundo corte
martelo em sangue
que a morte morde
e a vida escorre
e ao fundo corre
e o mundo berra
e o homem morre

II
Águas do Fim

águas em marcha
fúnebre
águas de março
seco
águas alvas
brancas
águas claras
de espuma: de ter gente
águas belas?
águas plásticas
chuvas ácidas
gotas trágicas

água da vida?
água da morte
dá medo
dá peste
e morre


a humanidade
e a água:
perdida
acabada.
e o que tu fazes?
fezes,
sem mágica...
e que água que resta?
A Lágrima.

III
Do Fim nº2

nem uma estiagem sobre o peito
nem um canhonaço nas idéias
nem um furacão sobre a esperança
nem um genocídio dos valores
nem um tsunami na virtude
nem um terremoto na psique
nem a bomba atômica no espírito
nem uma catástrofe na alma
nada
nem o próprio Fim
acordará o homem
do seu nada
e do seu próprio Fim

IV
Soneto a Ela

Paira tua grandeza sobre as nuvens
e pesa mau destino sobre os homens.
Em negro mundo os anos se consomem
e mais clara em tua alma tu nos surges...

Caem raios das horas que refulges,
como sonhos de morte que em mim somem
como fins teus ocultos que há em Beethoven
como sombra em ti fêmea viva em luzes...

Tua voz nas tormentas que há nos céus,
teu olhar cataclísmico nos vela
nos sinais do Infinito dos teus véus...

E por ser Una, arcanamente bela,
alguém dirá talvez que vós sois Deus,
mas eu canto que vós sois no Eterno Ela...

4 comentários:

Agnes Mirra disse...

Reiffer...

De novo ( e sempre!!) estou aqui apreciando seu trabalho... sempre magnífico!!!Esses versos arrepiam a alma por tanta beleza e sentimento... Parabéns por sua inspiração!!

Beijos Agnescos...

Alessandro Reiffer disse...

Os teus cometários, Agnes, já são uma poesia. Obrigado, abraços apocalípticos!

Ana Claudia R.T disse...

Com certeza Alessandro tem a alna do poeta vibrando em ti por isso adimiro tanto tuas obras que são tanto de mistério quanto de fims e isso é o que nos dá a sensação de estar dentro delas principalmente dos contos os quais,nos deixam sair desse mundo e fazer parte integrante do seu.
Continue se expresando com esse sentimento profundo que deve se expandir cada vez mais e ser conhecido por todos!
Abraços de tua fã Ana Cláudia R.T

Linda disse...

...assim que transbordo, lava de ti! amplexos!