28 outubro 2006

Soneto ao Fim

Pra onde foi a luz do que é Antigo?
Pra onde foram as almas dos Olhares?
Pra que abismo? que inferno? negros mares?
E este sonho? aonde vai? aonde sigo?

Muito bem... já que tudo está perdido
e pairam teus fantasmas pelos ares,
cantarei Fim por todos os lugares
e o que foi, sem jamais aqui ter sido...

O meu triunfo é estar-me nos teus braços,
vivo de morte, de sombra e de agouro
dos quais jamais irei fugir dos laços...

Vejo descendo uma deusa em negro e ouro
de que já tenho o beijo e o seu abraço
em febre e fúria de indomável touro.

4 comentários:

Agnes Mirra disse...

Soneto ao Fim...

Sua poesia é lancinante... Envolve o leitor para outras dimnsões! Muito bonito!

Lord of Erewhon disse...

Para o Abismo?

Rynaldo Papoy disse...

Ótimos poemas, Alessandro, gostei muito. Estou lhe enviando convite para participar do blog "Contos de 5 Palavras". http://c5p.blogspot.com . Abraço!

Poeta Guerrilheiro disse...

Vejo que nossos sentimentos poeticos tem algo em comum...Sera alma gemea? Porra existe alma?!rs