23 março 2017

A Queda da Humanidade

despencaste dos próprios tamancos
tropeçaste nos próprios barrancos
afundaste nos próprios buracos

não foste o ser que não serás
nem chegaste a ser o que não foste
daquilo que conseguiste desististe
o que fracassaste levaste adiante

puxaste a carta  mais baixa
do teu castelo de vento
quebraste o orgulho do teu salto
sem nem ter chegado ao alto

e eu
como nunca subi as escadas
deste teu palácio de pó
naquele dia de Queda
te olharei da sarjeta da estrada
sem nada e sem dó

21 março 2017

Políticos passam. Artistas ficam.


Hoje, o mundo comemora os 332 anos de Johann Sebastian Bach, o Pai da Sagrada Trindade (Bach, Beethoven, Brahms), gênio absoluto da música, cultuado no mundo, mais que merecidamente, como um deus pelos amantes da música, da arte.  Mas nem sempre foi assim. É o que nos demonstra, por exemplo, o seguinte fato ocorrido com o compositor alemão há quase 300 anos. Confiram:


Em 1721, Bach dedicou a Christian Ludwig, margrave de Brandenburg-Schwedt, uma espécie de prefeito da época na Alemanha, os seus 6 Concertos de Brandenburgo, uma das obras musicais mais geniais e sublimes já compostas. O próprio margrave havia encomendado as obras. Porém, o senhor Christian Ludwig não deu muita importância para os concertos. Possuía uma orquestra de má qualidade para as exigências de interpretação das obras e não se dignou a melhorá-la para que as obras pudessem ser executadas. Resultado: os concertos de Brandenburgo não foram executados na época. Ficaram lá, jogados. Certamente, o margrave deveria estar muito ocupado com seus afazeres de político. E Bach, quem era Bach? 


Na época, Bach não era reconhecido como o gênio musical que é hoje. Vivia de forma muito modesta, compunha copiosamente e dava aulas para sustentar sua numerosa família. Não enriqueceu com sua arte. Muitas de suas obras nunca foram executadas durante sua vida, várias se perderam. Bach era visto como um grande organista e cravista, mas não como um grande compositor. Julgavam-no como um compositor menor. Não entendiam seu gênio. Consideravam sua obra demasiado hermética, difícil, sombria, e até retrógrada. De modo que o pouco caso do senhor margrave, um ilustre político, não foi algo surpreendente.

Mas vejam só que ironia do destino...  Quem hoje conhece o senhor Christian Ludwig? Na época, ele ignorou Bach. Hoje, o senhor margrave (ou prefeito, ou político, como queiram), só não é completamente ignorado porque é lembrado como aquele para quem Bach dedicou os Concertos de Brandenburgo... E o medíocre político nem se dignou a executá-los. Mas o político passou. Já quanto a Bach...

19 março 2017

Carne Fraca, Lucro Fácil, Vida Frágil

A denúncia da operação policial "Carne Fraca" gerou uma onda de indignação no país. Assim como as fraudes do leite, anos atrás. Isso tudo é uma ponta do iceberg. Crimes como esses, cometidos, em maior ou menor grau, contra a saúde dos brasileiros, são muito  mais comuns do que imaginamos, seja em grandes, em médias e até em pequenas empresas. E não só com alimentos de origem animal, mas com praticamente todos eles. Basta analisarmos a trágica questão dos agrotóxicos e dos transgênicos. 

Em grande parte dos casos, nem ficamos sabendo. Seja porque nem a polícia descobriu, seja porque houve algum tipo de corrupção envolvida que encobriu o caso, seja porque a mídia, muitas vezes de rabo preso com empresários cafajestes, mal divulgou. Eu mesmo soube de um caso em que um frigorífico de uma cidade gaúcha armazenava carne em um estado de conservação impróprio para o consumo humano, e a carne era distribuída de alguma forma. Não vi a mídia divulgando o ocorrido.
Além do mais, todos sabemos o quanto os partidos políticos e seus membros estão ligados, presos, à todas essas empresas que financiam suas campanhas. Muitas vezes, os políticos SÃO os próprios empresários cafajestes. 

Alguns falam em um complô internacional para destruir a indústria brasileira da carne. É possível. Mas todos nós sabemos que quando se trata de lucro fácil, mesmo que seja um lucro sujo, criminoso, mesmo que esse lucro prejudique diretamente milhões de consumidores, grande parte dos empresários, grandes, médios e até pequenos, e não falo só dos brasileiros, não está nem um pouco preocupada em abrir mão dos escrúpulos para lucrar. Essa é a tônica do capitalismo. 

É claro que o lucro é necessário, ninguém vai trabalhar e vender o seu produto pelo preço de custo. Mas, para uma enorme parcela do empresariado, não é suficiente lucrar para se ter uma vida satisfatória, a visão é que se deve lucrar o máximo possível, mesmo que isso signifique destruir pessoas e a vida no planeta. Quanto mais lucros, tanto
melhor, nunca há um limite, nunca se lucra o suficiente. É a doença do capital. E não venham com esse papo furado de que sou comunista, e toda essa baboseira sem argumentos. Não sou, nunca fui e nunca serei comunista, considero tanto comunismo como capitalismo como sistemas falidos. Mas o capitalismo é ainda mais daninho à vida e ao planeta.  Seja como for, a dura verdade é que A HUMANIDADE ESTÁ FALIDA, e seu colapso é uma questão de tempo.


Aproveito para republicar o poema que escrevi em 2015, quando do desastre ambiental em Mariana, MG, causado pela empresa Samarco. No poema, "lucro" deve ser entendido como algo metafórico, é claro que não me refiro ao lucro normal e necessário de qualquer empresa, mas quando ele se torna a aberração que vem sendo decisiva na destruição do planeta e da humanidade.

Enquanto houver Lucro
enquanto houver lucro 
não haverá vida
nem de quem perde
nem de quem lucra

enquanto houver lucro
só haverá o suco
do que é vivo sugado
enquanto houver lucro
não haverá o justo:
só seres e homens
esmagados

enquanto houver lucro
não haverá paz
enquanto houver lucro
só haverá pás a cavar covas
só haverá a sede
insaciável
de quem quer mais
só haverá a sede
insaciada
de quem
não pode
e não tem nada

enquanto houver lucro
o homem será invólucro
de um monstro
o homem será a máscara
de um mundo de faca
à máquina
e soco

e é assim:
enquanto houver lucro
haverá o fim

17 março 2017

O Politicusco (Poemito em Homenagem à Reforma da Previdência)

descobri uma nova subespécie de humano
ou sub-humano:
o politicusco
nome científico: homo caniens puxassaquos

trata-se de uma variação involutiva
que na adaptação à sobrevivência
preferiu a subserviência:
nunca enfrentam cara a cara
e aceitam ser os pau-mandados da homilha

os politicuscos
adotaram determinados comportamentos
do canis familiaris
ou seja
do cachorro
cusco
jaguara
cadela
guaipeca
que consistem
em baixar a cabeça
aos que lhe mostram moedinhas que quicam
andar com o rabo entre as pernas
balançar o rabinho
por exemplo
diante de governadores
e deitar de perninhas pra cima
diante de presidentes
e quando seus donos chamam
correm atrás
como poodles de madame

os politicuscos
só mordem os cuscos já pesteados
rengos capengas
mas quando o cusco é dos grandes
o politicusco levanta o rabo
para ser coxeado

15 março 2017

Homenagem ao Mestre

a esperança
(que tem por princípio
bater na cara a porta)
e o fracasso
que nos debocha a cada passo
que importa?

que importa
o que se chama sonho
este irmão de sangue
do horror e do medonho?

que importa
isso de vida e isso de morte?
aquilo vitória  aquilo derrota?
se isso de vitória sucesso
talvez seja só acaso destino boa sorte?

o nada que não veio
a ausência que não tive
o inútil que não pude?
que importa?

que importa afinal
que eu não possa esperar
os meus desígnios os meus ditames?

não tem importância...
o que importa
é que existe Brahms.

12 março 2017

Ordem e Progresso

I - querem que eu viva em ordem.
a ordem é o quê? 
é para quê?
é para quem?
quem ordena a ordem?
quem determina a ordem como sendo ordem?
viver em ordem é viver como?
o que está em ordem e o que não está?
com o que se diz ser ordem
quem sai beneficiado
e quem sai em prejuízo?


I – querem que eu progrida.
que eu progrida ou que eu produza?
não vejo onde o progresso
não seja visto como produção:
mas produzir o quê?
para quê? para quem?
com qual objetivo
querem que eu produza?
quem ganharia com o que eu produzisse?
quem perderia com o que eu produzisse?
qual preço se paga pelo que se produz?
quem é que paga o preço do progresso?
Ordem e Progresso para quem?

10 março 2017

existimos mas não somos

I – o homem transformou a vida
numa corrida
em que nunca chega a nada
e nada nunca chega:
enquanto ainda corre a uma chegada
chega a hora da partida

II – pensando só em notas
o homem deixou de notar as almas:
só se passa pelos seres
só se cruza nos lugares
e não se nota alma alguma
e assim se passa  a todo da vida
e não se leva nota nenhuma

III – o caminho da existência
corrido
percorrido
concorrido
não-vivido:
corremos mas não fomos
existimos mas não somos

08 março 2017

Esquecimento

os humanos deixaram-se
tanto se esqueceram
que já nem se sabe o que foi esquecido
nem se sabe  o que já nem foi
aquilo que houvera sido
de tanto que  não foram
que já agora nem são
tanto não são
que acabaram por não ir

fizeram tantas coisas
que nem chegaram a existir
formaram tantas cidades
onde nem se viu viverem

ao bem pouco que foi feito
deu-se o nome de Arte
que é o que seria
se o humano chegasse a sê-lo:
o homem não-sendo
ainda foi à arte
para voltar ao ser
que se deixou
entre o cair
e o des-ser

06 março 2017

Morte da Palavra

não há palavras a serem ditas
não porque não há o que ser dito
(há tanto que é melhor calar)
é que não há
o que ser entendido
no sentido
de que não se entende
o signo

a palavra
que é o que diz
deixa de dizer
quando mesmo dizendo
o que se diz não é captado:
há comunicante
mas não há comunicado

em outras palavras
a palavra se perde
e com ela a verdade:
a cada palavra que some
morre um pouco de fim e de fome
a humanidade

03 março 2017

Os Homens com suas Merdas

os homens
com suas moedas
se acham vastos
mas não passam de vasos

os homens
com suas metas
se acham vultos
mas não passam de vulgos

os homens
com suas armas
se acham forças
mas não passam de farsas

os homens
com suas regras
se acham retos
mas não passam de ratos

os homens
com suas naves
se acham fogos
mas não passam de fátuos

estes homens
que se acham mundo
mas são apenas fato

01 março 2017

Verdade Nenhuma

dizem:
“as pessoas devem conhecer a verdade”.
mas deveriam dizer:
“as pessoas devem conhecer
aquilo que EU ACHO que é a verdade”.
ou ainda:
“as pessoas devem conhecer
aquilo que EU QUERO que seja a verdade”.

é interessante
como as pessoas admitem
que não sabem tudo
mas estão certas de que sabem a verdade

todos têm a verdade
como sua área de conhecimento
todos estão certos de que estão certos
e de que têm toda a razão mesmo tendo-a
ou não

mas e se a verdade for o oposto
do que é para ti ou para mim
o que garante a nossa garantia?

se em tudo há lados
quem  garante que nosso lado é o certo?
e quem disse que há um lado certo?
era o lado da verdade?
teus caminhos te levaram à verdade?
tuas preferências preferiram a verdade?
teus gostos gostaram da verdade?
teus aprendizados aprenderam a verdade?

e todos os outros
que fizeram o oposto
não têm verdade alguma?

talvez a Verdade
seja um todo disperso
que está ao mesmo tempo em tudo
mas nós, as partes desse tudo,
não sabemos de verdade nenhuma