31 janeiro 2016

Confesso-me*

Eu confesso que não passo de um mísero,
admito a maldade e o eu egoístico,
sou um errático consciente do abísmico
e sei deste horror que assola meu ímpeto.

Qual humano se escancara de hipócrita?
qual ser medíocre é que arranca sua máscara?
eu, que atinjo essa indiferença máxima
sei que me sangra essa inútil carótida.

Da humana raça me afirmo inimigo:
sobe-me à goela um reflúxico grito
e fervem-me ânsias nos brônquios do peito...

Há cuspe em todas as letras que digo
e mais vícios nos meus olhos malditos
do que erros pela minha obra mal-feita.

*Poema reelaborado e republicado.

28 janeiro 2016

Autoajuda para a Época da Aparência

I – não se martirize
não se sacrifique
pelo bem comum:
ninguém reconhece o sacrifício
pelos outros

só se reconhece o sucesso.
ponto.
e ainda mais se esse sucesso
for em cima do sacrifício
dos outros

II
– não seja profundo:
ser profundo pode fazer
com que se sinta e se pense:
sentir e pensar
pode lhe deixar infeliz:
quem é infeliz
não aparenta sucesso

III – não cultive seus valores:
quem é que o verá
pelo que você vale
ou deixa de valer?
onde será
que sua honra
dignidade
sabedoria
o tornarão mais bem visto?
melhor dizendo:
cultive seus valore$


25 janeiro 2016

a dois palmos de nada

as pessoas
tanto falam
em conhecer a verdade
que a verdade
nem fala
ao que elas conhecem

enquadraram a verdade
em seus próprios quadrados
e desconhecem a própria quadra

passam pelas ruas
a perpassar passadas
e não percebem
pelo que passam a dois passos

das abertas palmas das mãos
largam flores e palmas
mas não apanham nada
a dois palmos a frente dos olhos
ou a dois palmos
adentro das almas



23 janeiro 2016

Mais plásticos do que peixes nos mares em 2050 (e 7 Bilhões de Inconscientes)


Produzir bens, destruir vidas. Gostem ou não, esse é o lema, o princípio básico da civilização contemporânea, da humanidade do consumo, da era da superfície. Da qual, eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas, todo mundo faz parte. Em 2050, NÓS teremos produzido, consumido e jogado fora tanto plástico que os mares estarão lotados dele. Confiram a notícia aqui. E essa é só uma das más notícias que nos aguardam em nosso futuro próximo. Negro futuro próximo. Por essas e outras que escrevi o poema abaixo dia 6 de janeiro, mesmo sem saber da catástrofe dos plásticos, muito embora eu já a imaginasse. Vou aproveitar para republicá-lo:

7 Bilhões de Inconscientes

 I - 7 bilhões de inconscientes
querem que eu acredite
que um mundo
de 7 bilhões de inconscientes
será melhorado solucionado
por 7 bilhões de inconscientes

II – quando digo inconscientes
não digo “aqueles não conscientizados”
digo aqueles que nem se sabem:
nem de si nem do que fazem
e tanto assim o é
que nem se reconhecerão no que digo

III – 7 bilhões de inconscientes
(nos quais me incluo por certo)
pedem-me que eu tenha esperança
e que ignore nossa ignorância




21 janeiro 2016

Enquanto houver lucro...


enquanto houver lucro
não haverá vida
nem de quem perde
nem de quem lucra

enquanto houver lucro
só haverá o suco
do que é vivo sugado
enquanto houver lucro
não haverá o justo:
só o homem esmagado

enquanto houver lucro
não haverá paz
enquanto houver lucro
só haverá pás
a cavar covas
só haverá a sede
insaciável
de quem quer mais
só haverá a sede
insaciada
de quem
não tem nada

enquanto houver lucro
o homem será invólucro
de um monstro
o homem será a máscara
de um mundo de faca
e máquina
e soco

lamento que seja assim
mas enquanto houver lucro
haverá o fim


19 janeiro 2016

Marginalia

Hoje, Edgar Allan Poe, o criador das modernas histórias de mistério, de crime e de suspense, completa 207 anos. É inegável que grande parte da literatura moderna originou-se com Poe, incluindo as análises psicológicas do Realismo e do Neo-realismo, que tiveram influência direta do perturbado e incrivelmente sagaz gênio norte-americano. O cinema, a pintura surrealista e expressionista e até mesmo a Psicologia, como ciência, devem muito a Poe.

A propósito da data, deixo alguns trechos de uma obra bem pouco conhecida, mas não menos importante, do poeta de O Corvo. Trata-se da Marginalia, algo como uma reunião de breves escritos entre filosóficos e poéticos, algumas vezes passando por uma intensa ironia.

No trecho a seguir, percebam o acerto do poeta quanto à sua previsão da "rapidez" da vida moderna:

"O progresso realizado em alguns anos pelas revistas e magazines não deve ser interpretado como quereriam certos críticos. Não é uma decadência do gosto ou das letras americanas. É, antes, um sinal dos tempos; é o primeiro indício de uma era em que se irá caminhar para o que é breve, condensado, bem digerido, e se irá abandonar a bagagem volumosa; é o advento do jornalismo e a decadência da dissertação."

No seguinte, deixa-nos um conceito de artista:

"Um homem de certa habilidade artística pode muito bem saber como se obtém certo efeito, explicá-lo claramente e, contudo, falhar quando quer utilizá-lo. Mas um homem que possua certa habilidade artística não é um artista. Só é artista aquele que pode aplicar, com felicidade, seus mais abstrusos preceitos."

Abaixo, Poe fala de como se adquirir inimigos:

"Aprouve-me, algumas vezes, imaginar qual seria a sorte de um homem dotado - para desgraça sua - de uma inteligência superior em muito à de sua raça. Naturalmente, ele teria consciência dessa superioridade e não poderia, por ser, sem dúvida, constituído como os outros homens, deixar de manifestar essa consciência. Adquiriria, assim, inúmeros inimigos. E como suas opiniões difeririam profundamente das de todos, seria ele facilmente colocado no número dos loucos."

"Por sua vez, para os medíocres, o meio mais rápido de, por sua vez, alcançarem eles a grandeza, é agir contra os grandes homens. É provável que o Escorpião jamais se tivesse tornado uma constelação se não tivesse mordido o calcanhar de Hércules."

Da adoração dos nossos dias:

"Os romanos honravam suas insígnias, e a insígnia romana era , algumas vezes, a águia. A nossa insígnia não é senão o décimo de uma águia - um dólar - mas não nos embaraçamos em adorá-lo com uma devoção dez vezes mais forte."

Para finalizar, sobre a vingança, onde Poe deixa uma sutilíssima ironia:

"Pode haver coisa mais doce para o orgulho de um homem e para a satisfação de sua consciência do que o sentimento de se haver vingado plenamente das injustiças de seus inimigos com o ter-lhes sempre e simplesmente feito justiça?"

17 janeiro 2016

A Era da Superfície (Parte II)

I - o artista
que mais alcança
o coração dos outros
é o que melhor destrói o seu:
não por destruí-lo
mas por esgotá-lo

II - artista
é quem enfrenta o homem
para trazer ao humano
mais humanidade
indo contra a humanidade
inclusive contra a sua

III – em uma época
em que o humano
não quer ser humano
(porque envolve conhecer-se
que é ir além da superfície)
mas quer ser máquina
movida a coisas
ser artista
é destruir-se
de tanto ser-se






15 janeiro 2016

10 motivos para eu não gostar de verão

Cantem outros a clara cor virente 
Do bosque em flor e a luz do dia eterno... 
Envoltos nos clarões fulvos do oriente, 

Cantem a primavera: eu canto o inverno.


Alphonsus de Guimaraens

Não gosto de verão, de calor. Nada contra quem gosta. Mas as pessoas geralmente enchem de qualidades as estações mais quentes e quase só veem defeitos  no inverno. Não nego que há coisas que são desagradáveis de se fazer com o frio (o que sempre é subjetivo, eu, por exemplo, gosto de tomar banho no inverno), mas há muitas vantagens, no meu modo de ver. Então, para fazer um contraponto, vou elencar, claro, dentro da minha opinião, os defeitos do verão, do calor.

1º) Suar. Suar é uma merda. Ou alguém gosta de suar? Sair do banho e já começar a suar é deprimente. Dar uma caminhada e se derreter suando é pior ainda.


2º) Mosquitos, moscas, formigas e outro insetos indesejados, que se tornam quase que ausentes no inverno.

3º) Não poder beber vinho (mesmo que eu beba quando o calor não é excessivo). É, eu sei, muitos não tomam vinho nunca. Mas como eu disse, é dentro da minha opinião.

4º) Ficar bronzeado. Prefiro a cor natural da pele. Nem vou falar nos riscos à saúde, envelhecimento precoce, enfim.

5º) Ter que usar protetor solar até se for sair de casa às 19h da "noite", devido a esse maldito horário de verão.

6º) Sair às ruas entre 10h e 18h, em um dia ensolarado de verão, é andar pelo inferno. Ou não é?

7º) As pessoas têm que usar ar condicionado. Eu não me sinto muito bem no clima artificial do ar condicionado. Mas aí alguns poderão rebater: "no inverno também se usa ar condicionado". É, também, mas com uma fundamental diferença. Com o frio, se você se agasalhar bem, não sentirá frio, ou sentirá muito pouco. Não precisa do ar condicionado. Com o calor, mesmo que você tire toda a roupa, o calor continua. 

8º) Ter que andar só de camiseta. É, eu não gosto de andar só de camiseta. Muito menos, de bermuda, que, aliás, quase nem uso. É bem mais elegante usar mais roupas. 


9º) Ter que aguentar aqueles guarapas que passam de carro tomando cerveja, sem camisa, com o som tocando um sertanejo universitário ou um funk a todo volume.


10º) Quando não chove, o sol é insuportável. Quando chove, o bafo de umidade morna, o mormaço, é insuportável. 

Certamente, o verão tem mais desvantagens que não elenquei aqui. Mas essas já servem.

13 janeiro 2016

A Era da Superfície

I - época contraditória:
as pessoas estão tão sentimentais
e insensíveis:
só se emocionam com merdas:
choram pelo mocinho da novela
cagam para o massacre do que é vida

II
– a tarefa do artista
é a mais difícil
e a mais ingrata:
precisa atingir o verdadeiro
sentimento humano
ou seja
trabalha cada vez mais
com o nada

III
- o artista
que mais alcança
o coração dos outros
é o que melhor destrói o seu






11 janeiro 2016

Uma Pergunta (sobre um tema de E.A.Poe)

“O que vejo, o que sou e suponho
não é mais do que um sonho num sonho.”

disseram-me
que o real é isso
que se vê
mas há lagos em que o fundo
nunca alcança a existência de nosso pé

o que existe existe
ou existe porque eu penso que existe?
dependendo de como se vê
(casório ou velório)
a flor é alegre
ou é triste

e quem me dirá que pensar é saber
se sempre quando penso
me vêm pensamentos
que nem sei de onde vêm?
se eu pensasse certo
sobreviveria no nada do deserto?

só se sente o sonho
quando o sonho chega ao fim
e ainda quando sinto
não domino o que vem-me a sentir
e o vinho só é tinto
porque os meus olhos
(que têm limites para abrir)
o percebem assim

o que é ser o que é
se nem se sabe o que é o ser?
o que sinto e vejo
vale para todos
ou é só o meu desejo?

e isto é um verso
ou é só um nada
em um sonho do universo?


08 janeiro 2016

Rua em Ruínas

pela rua em ruínas
réstias de rancores de postes
sobre os rabos dos ratos
de rápidas proles

e um rastro
de ricas fumaças de matos
pelo relevo em lama
um jaguara rengo
roendo
faz meu peito de cama
e uma ratazana roída
rengueando
faz meu dedo de cana

sob garoa rala
derrama
um raio roto de lua
sobre a água da vala
e a rã ronda em rondó
e o rouco riso do abutre
em seu hórrido refrão:
estou só

o ronco branco da queda do pó
das ruínas de um arranha-céu
e a aranha arrancada da toca
que toca e arranha
o humano que é réu

rasgam e rolam baratas
correndo pelos catarros
remando pelos esgotos
e se arrasta raquítico um gato
de quem arrancaram seu rosto

e o resto da razão roubada
que era errada
na reza do ruído do sangue
o horror daquela rainha
que arruinou a rua
que era tua
se fosse minha






06 janeiro 2016

7 Bilhões de Inconscientes

I - 7 bilhões de inconscientes
querem que eu acredite
que um mundo
de 7 bilhões de inconscientes
será melhorado solucionado
por 7 bilhões de inconscientes

II – quando digo inconscientes
não digo “aqueles não conscientizados”
digo aqueles quem nem se sabem:
nem de si nem do que fazem
e tanto assim o é
que nem se reconhecerão no que digo

III – 7 bilhões de inconscientes
(nos quais me incluo por certo)
pedem-me que eu tenha esperança
e que ignore nossa ignorância




02 janeiro 2016

Dedicatória

entre
o haver da noite
o que há por trás do entre
do ventre da mata
que a manhã
desentranha e mata?

é isso talvez que me alta:
ver que o que há
vai em frente
numa cósmica noite
mais longa mais vasta

e os entes
que no atrás da mata
não existem
para os  que nunca entreveem

trago entre meu ser
como quem não traga
entre nada
e nem pode deixar-me
que nem deixo o entre
do que for alma

(Na imagem, o quadro "Noite Estrelada sobre o Rhone", de Van Gogh)