08 dezembro 2015

Contra a Manhã

Manhã dos outros! Ó sol que dás confiança
        Só a quem já confia!   Fernando Pessoa

algo que fosse apenas Noite
noite que só fosse em si  mesma
neste jamais deixar de sê-la
e o sonho fosse por senti-lo
sem ter que ser a que não seja
longe de toda estas manhãs
estas manhãs de ações inúteis
de se fazer acontecer
em que só o nada é que acontece

noturnos sem amanheceres
sem trabalhos que a nada levam
sem balbúrdias de humanos vácuos
sem problemas de homens de bens
no seu mundo que anda ao abismo
nas suas ruas sem sentidos
nas suas vidas sem caminhos...
quem me dera nunca iniciasse
o (não)sol da “manhã dos outros”



Um comentário:

Hugo R. disse...

"estas manhãs de ações inúteis de se fazer acontecer em que só o nada é que acontece".. Perfeito!