13 abril 2014

O Vazio Absoluto da Política em Santiago

Algumas pessoas já me questionaram, e há tempos, e continuam fazendo, entre amigos e conhecidos, a respeito de por que eu não participo mais da política de Santiago, atuando mais diretamente e até mesmo me filiando a um partido. Minha resposta sempre foi: não é a minha função e não gosto desse tipo de atuação. Mas posso esclarecer mais sobre o assunto. 

Na verdade, o melhor a se fazer com a política santiaguense é largá-la de mão, definitivamente, porque não há nada em que se segurar, enfim, não há nada de jeito nenhum nessa política: não há verdadeira preocupação social nem cultural, não há real preocupação com o povo, não há conteúdo, não há substância ou sensibilidade política, não há ideologia ou ideais, não há bom senso, não há união entre os que poderiam ser opositores, não há coragem, não há vergonha na cara, não há atitude, não há dignidade...

Porém, pensando por outro lado, até  que há muitas coisas, e até em demasia, na política santiaguense: há coxilhas de  incoerência, há montanhas de puxa-saquismo, há total ausência do senso do ridículo, há pessoas cabresteadas, submissas e ignorantes, há quilos de maquiagem, há monumentos de futilidade, há grandiosas fachadas, há quilômetros de aparência, há toneladas de gordos churrascos, astros de vergonha, galáxias de vazio, cosmos de mediocridade e universos de hipocrisia.

Esse texto é minha contribuição definitiva para a política de Santiago. 

Um comentário:

Ulyane Vieira disse...

Isso lembra exatamente as cidades onde vivo. O que fazer, Brasil, se o instrumento que temos está desacreditado?