21 abril 2014

O Seio

a Noite
é uma flâmula do Fim:
um símbolo do que se finda
com o  brasão do que retorna

há na noite
o sonho  dos românticos
a dúvida dos barrocos
o mistério dos simbolistas
e o corrosivo dos pós-modernos:
a noite e seus medos são eternos

não se pode impedir
que a noite sempre seja
e nem se pode ver além
do que ela traz em seu (v)entre

por mais sol
que brilhe nos olhos da bela
seu olhares hão de sempre fechar
que anoitece a vida
o ideal anoitece
e anoitece amar

em tudo e em todos
a mão da noite (re)pousa:
das alegrias desbotam as camisas
dos sorrisos despencam os dentes
e do poder brocha o cetro

o adeus aguarda
no trono do tempo
e o seu aceno de réquiem
nos sempre alcança:
tudo se cansa...

a própria Luz
foi da Noite que veio
que a noite é a origem e o destino
e tudo descansa
em seu fêmino seio

2 comentários:

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)

Anônimo disse...

A noite é realmente um tema que abrange o pensamento dos poetas de todas as épocas. A noite realmente é eterna.