31 março 2013

Grave


gravaste-te em mim
o resultado em graça
de tua gravidez em espírito
ao contrário

sou grato
com vozes graves

é a tua gravidade
que não é tua
(pesada
como uma Sinfonia de Brahms)
que  faz
que eu tenha sempre os pés no chão

grava o que te digo
com as graves
Paixões de Bach

4 comentários:

Lucian Rodrigues Cardoso disse...

Soou-me muito bem o entrelaçamento do poema com a obra musical de Brahms e Bach! Meus cumprimentos! Abraços!

Raquel Consorte disse...

Olá,

Adorei o post.

Poesia triste, porém encantadora. Dentro de nós a sempre algo de solitário.

Beijos e obrigada por sempre passar no meu blog.

http://raquelconsorte.blogspot.com.br/

Janice Adja disse...

Lindo!!!
Palmas.

Ana Bailune disse...

Sei que estou me tornando redundante: lindo demais!