01 fevereiro 2013

Como fazer se cumprir a lei em um país onde os governantes são criminosos e não a cumprem?

A tragédia ocorrida recentemente em Santa Maria suscitou, como não deveria deixar de ser, uma onda de fortes cobranças para que os responsáveis pelas mais de 200 mortes sejam determinados e exemplarmente punidos. E também para que as leis referentes à existência dos estabelecimentos de shows, lazer e diversão não sejam mais desrespeitadas em nenhum local do Brasil.

Porém, em um país onde os próprios governantes e políticos não cumprem as leis da Constituição Federal e, em grande parte, são corruptos que deveriam estar atrás das grades, torna-se uma missão complicadíssima exigir que a justiça seja concretizada sem imparcialidade.

Como exigir o cumprimento da lei e da justiça em uma nação cujos senadores da República elegem para seu presidente um consumado cafajeste como é o caso do senhor Renan Calheiros (do PMDB, o partido sem cara, ou melhor, com cara de melancia em cima do muro do poder), denunciado pela Procuradoria-Geral da República por três crimes? Eleito com 56 votos contra 18. Maioria absoluta. Ou seja, 56 de nossos senadores não se importam em ser liderados por um corrupto. Não se importam porque também são cafajestes corruptos? Bando de filhos da puta! Desgraça e palhaçada ao mesmo tempo. Mas, quando digo que o Brasil é uma piada, sou criticado e acusado por muitos de antipatriotismo.

E o caso do Calheiros é só o exemplo mais recente. Será que eu preciso citar outros? 

E a Lei da Ficha Limpa? Não veio a calhar para o Calheiros? As leis no Brasil, quando beneficiam o povo, os pobres, são apenas para enfeites, ornamentos de uma nação vergonhosa.  Ou então, só são cumpridas quando beneficiam as elites e os próprios políticos.

Para encerrar, pergunto ao governador Tarso Genro: governador Tarso, já que o senhor agora é um ferrenho defensor do cumprimento da lei, exigindo que os responsáveis pela tragédia de Santa Maria sejam investigados, julgados e punidos, quem sabe o senhor entra também na onda e cumpre a lei que o OBRIGA a pagar o piso para os professores gaúchos. E também pague os precatórios que muitos funcionários do Estado já ganharam na Justiça o direito de receber, e, até agora, o senhor não pagou nada. Governador, faça cumprir a lei e a cumpra. É para isso que o povo lhe paga.


5 comentários:

Jeanne Geyer disse...

depois da dor que ainda arde no meu peito, ficou apenas a certeza de que no carnaval o povo esquece a tragédia de Santa Maria, ficando aos familiares a dor sem fim e a revolta pela constatação que nada será mudado...
http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

Janice Adja disse...

Esta "Lei da ficha limpa" é conversa para boi dormir e justificar uso de dinheiro.
Beijos!!

Nadine Granad disse...

Eu fiquei embasbacada quando vi quem assumiu a presidência do senado...
Enojada...


Beijos =)

Weimar Donini disse...

Reiffer, volto a discordar, em parte, do que escreves.
Por exemplo, como professor tens todo o direito de reivindicar melhores salários e melhores condições de trabalho. Tudo bem, tudo certo. Principalmente pela importância do profissional de ensino na formação de jovens para um grande país, à exemplo do Japão e da Coréia do Sul. Para mim um professor é muito mais importante que determinadas categorias que defendem até com armas físicas os 'seus' espaços.
Também não me filio à campanha midiática e de algumas redes sociais (em consequência da própria 'lavagem'), de tentar desmoralizar a política partidária e seus representantes nas Casas Congressuais. Façamos uma 'mea culpa' pois, se os nossos representantes são cheios de vícios, de falhas, de imperfeições etc. a culpa cabe somente à nós mesmos que os elegemos, reelegemos, muitas vezes, em troca de um caminhão de barro ou de areia. Ou porquê pareçam simpáticos, jovens, bonitos, intrépidos, modernos.
Não se constrói uma democracia duradoura com partidos políticos fracos ou com políticos e Congresso desmoralizados.
Muito menos sobrevalorizando algum poder, o poder judiciário, por exemplo, em detrimento de outro. Os três poderes complementam-se numa interdependência horizontal, ou seja, nenhum pode/deve sobrepor-se aos demais.
Quanto mais fugirmos desta receita testada, provada e comprovada, mais ficaremos mercês de uma mídia manipuladora dominante a quem, como sabemos, não interessam as evoluções sociais.
Ademais, os exemplos históricos de 'salvadores da pátria', em nosso país e em outros, não os indicam. Fiquemos, para exemplificar, com a ascensão nazista num ambiente conturbado e de descrédito onde o ovo da serpente foi chocado e protegido no seio do próprio povo alemão.
À quem interessa esta campanha de terra arrasada? À nós da camada social mais simples, certamente não! Possivelmente a outros, sim!
Pense nisto antes de embarcar no canto doce e suave das sereias.

Al Reiffer disse...

Caro Weimar, assim como não concordas com meu texto, e tens todo o direito de não concordares, também não concordo com teu comentário. Eu estou exercendo o meu direito e dever de cobrar dos políticos os seus deveres. Eu votei no Tarso e ele tem se saído, na educação ao menos, extremamente decepcionante. Existe uma lei sobre o piso do magistério que ele AJUDOU a aprovar. Agora, vem dizer que a lei está equivocada. Por que ele não percebeu isso antes de ser governador?

Essa conversa que todos falam que professor deve ser valorizado é uma balela estúpida, todos dizem a mesma coisa, mas quando realmente se podem se ajudar um pouco, UM POUCO, pagando-se o piso, aí todos são contras.

E quanto ao Calheiros, não posso levar a sério um país que o escolhe como presidente do senado. Isso é ridículo, hipócrita, vergonhoso.

Não aceito e não concordo em hipótese alguma