03 janeiro 2013

Um Erro Fatal


então
concluíram
que quando vier
o fatal do sopro do fogo
ao mortal do corpo da mata
não ficará nem a queda
de um verde de folha
e não haverá escolha
a não ser a do nada

há aqui um engano
um sopro de engasgo
um erro fatal
equívoca falta

sempre fica
invisível
um gérmen de (p)alma

3 comentários:

Ana Bailune disse...

Também acho. Lindo demais teu poema.

Lucian Rodrigues Cardoso disse...

Muito bem escrito; me fez refletir! Se puder, me visite e seja um membro, para ajudar na divulgação do meu humilde e novo espaço. Abraços, Lucian (http://www.poemasintrovestidos.blogspot.com.br/)

Aline disse...

há aqui um engano
um sopro de engasgo
um erro fatal
equívoca falta



(Perfeição nesse seu verso)