14 janeiro 2013

Olhos Autônomos


tu que não nos sabes
é que nunca te fracassas:
sendo estrela do longínquo
realizas a verdade
triunfas
quando iluminas
dando as costas
para a humanidade

e tu
gato noturno
atento ao vazio da treva
vês ainda mais vezes
que vazio sou eu
que não estou
no que te leva
tu sabes, gato
que toda a ciência
não vale o sentido
do teu olfato

e o teu canto
coruja hermética
de olhos autônomos
equivale a uma europa
de filósofos
e de autômatos

e, por fim
há mais sabedoria no teu pio
do que em todo
o povo do Brasil

5 comentários:

Ana Bailune disse...

Infelizmente, sim...

Janice Adja disse...

Pura verdade.
Beijos!!

Sónia M. disse...

...não só do Brasil, essa sabedoria estende-se a povos de outros países...

Versos de uma crua realidade.
Gostei muito.

Beijo
Sónia

Franciéle Romero Machado disse...

Olá!

Achei interessante a sua poesia e o modo como se expressas, leva uma coisa diferente e tão criativa em seus versos. Essa nos remete a reflexões! Assim ficou ótimo. Estive lendo alguns outros poemas e também gostei bastante!

Um abraço e aguardo a sua visita, também escrevo poemas e sou gaúcha!

Lívia Almeida disse...

Obrigada pela visita ao meu blog.

Sua poesia é bem sagaz.