27 janeiro 2013

A Tragédia em Santa Maria, a Transitoriedade da Vida e o Lucro dos Blogs

Alguns comentários breves...

1) A tragédia ocorrida na boate Kiss em Santa Maria faz-nos pensar em algumas coisas. Por exemplo, a transitoriedade da vida e a imprevisibilidade da morte. São temas sobre os quais costumo escrever, e os leitores do blog são testemunhas.

Questiono o fato de as pessoas, em geral, preocuparem-se tanto com planos a longo prazo, metas a serem atingidas, em dedicarem-se a trabalhar incessantemente, às vezes, quase sem folgas, para acumular bens, riquezas, status. Em buscar subir na profissão cada vez mais, estudando e trabalhando sem descanso e sem prazer, sem reflexão, sem contemplação da vida, sem sensibilidade, como se viver fosse apenas ter responsabilidades e cumpri-las religiosamente. Eu pergunto? Com qual propósito? Qual o sentido de tudo isso?

Temos a sensação ilusória, mesmo sabendo que iremos morrer, de que somos eternos. Ou somo arrogantes frente à morte ou buscamos nunca tocar no assunto, como se ela fosse um sonho ou pesadelo distante e difuso. Quando somos surpreendidos, chocamo-nos.

2) Aproveito para lembrar que o nossos blogs e jornais noticiosos não perdem a oportunidade de terem mais e mais cliques em suas páginas. Orgulham-se de ostentar milhões de acessos devido ao seu sensacionalismo barato e graças à exploração da tragédia alheia. Agora, colocam fotos e mais fotos, vídeos e mais vídeos com imagens de corpos e de feridos. Estão preocupados com as famílias e com os amigos? Ou com o jornalismo? Não, estão preocupados em "não ficar para trás" na corrida da imprensa sensacionalista, em lucrar ao infinito,  em  ter mais "ibopezinhos" para poderem cobrar mais caro o preço de suas propagandas.

3) Há alguns imbecis fanáticos religiosos na internet dizendo que a tragédia foi merecida porque a boate era um "ambiente do capeta", e que, se estivessem num templo ou igreja, nunca ocorreria o incêndio. Esquecem-se, esses fanáticos, de quantos "cultos" já terminaram em tragédia e mortes no Brasil e em diversos outros países. Sem falar nos infindáveis crimes "em nome de Deus" cometidos por muitos de seus pastores. 





5 comentários:

Nadine Granad disse...

Eu estava justamente aguardando seu comentário sensato sobre o ocorrido ;)

Janice Adja disse...

Vivemos como se tivesse uma vida inteira pela frente.
É difícil viver pensando na morte.
beijos!!

Ana Bailune disse...

Há pouco tempo também fiz uma postagem falando sobre a nossa atitude imbecil diante da morte. É mesmo, a única certeza que temos, é a de que não escaparemos daqui vivos. E que eu me lembre, há alguns anos, o teto de uma igreja evangélica ciu sobre as cabeças de vários fiéis em S. Paulo.

Turismóloga disse...

Irracional o que presenciamos por conta desta tragédia. Já é difícil para a família, e ainda ter que aguentar esse sensacionalismo barato, fora alguns comentários dispensáveis de um bando de gente ignorante e sem conteúdo nenhum na cabeça.

Qual o valor que damos a vida? Quase nenhum. Presencia-se este drama, recorremos a questionamentos profundos e, daqui a alguns dias, esquecemos tudo e continuaremos a nossa vida medíocre em busca de acúmulo de riquezas.

Círculo viciante.

Beijos

Turismóloga disse...

Infelizmente essa é a consequência depois de um episódio lamentável: sensacionalismo, aberraçã de fotos, entrevistas que colocam os familiares em postura medíocre. Fora as ações que serão tomadas justamente por conta desse fato. Precisou morrer centenas de pessoas, para pensarem no que deveria ser de direito nosso.

Lamentável. Lamentável.

Beijos