29 junho 2012

Tu, Tempo

Tu, Tempo, és Deus...
teu é o trono
que traga
no que  me trago
e a que entrego
o tudo do que me atrevo

todo trovão que tange
e todo troar martelo
do triste do que é trajeto
ao torvo do que tememos

desde os tridentes do teu tigre
às trombetas
que trompam na tua treva
desde o que tormenta
ao que taça no teu trágico
até a traça
turbamente arrastada
às tampas das tuas tumbas

ave Tempo!
águia Tempo!
e o pulo preciso do teu puma
e o punho de peso do teu pulso...

desde os passos do teu compasso
à pressa do teu presságio
e à presa da tua praga
ninguém pisa o teu punhal
ou paga

e só Tu apagas
ou preparas o pesar
da tempestade

e do templo do que temporal
é que Tu, Tempo
(que o tempo passa...)
trazes entre as torres
um raio
do que Verdade

28 junho 2012

Sorrir é um Mistério

diante dos agros campos
do que deve ser dito
(e o que deve ser dito
é sempre maldito)
faço com que as agruras
do que é mundo
fiquem gravadas
com sua devida gravidade

quando falo sério
serializo
como o serial killer
(quando o falo é sério)
e quando é um sorriso
ironizo
(que sorrir
é um mistério...)

diante dos agros versos
do que deve ser lido...

não sei se que isso é bom...
mas antes
um poeta que saia agredindo
do que mil poetas
que saiam agra...dando

27 junho 2012

Conto Contado como se Não Fosse

naquele dia de anoitecido
veio-me diante do meu adiante
e disse-me aquilo
que não me ouvi:
como?
se eu nem estava ali?

mas conforme se conformava o tempo
e eu me desmoronava atento
observei que a verdade também mentia
e como um arcanjo o aquilo (so)ria...

e meu nariz principiou a sangrar
aquilo que nem sangue havia

mas bebi com tanta sede a sangria
que a atmosfera carregou-se de nãos...
e daquilo que não cantava
pairava algo que eu não estava
e o aquilo sabendo
como quem despreza
quanto mais minha falta secava
mais o vento que sempre te leva...

e se virava como quem não era
prometia como quem me odiava
e tu me vinhas sempre crime e vinho
e aquela companhia
que era estar eu sozinho
trouxe-me um brilho que lunava a faca
e então tornei-me lâmina
e o aquilo ainda mais a fêmina

e vi que algo
(quando lhe cravei o punhal)
em meu olhar estava torto

e enquanto o aquilo se erguia
(r)indo
eu caía morto

26 junho 2012

Os vegetarianos prejudicam mais o meio-ambiente do que os carnívoros, e outros motivos de eu não ser vegetariano

Algumas pessoas devem pensar que sou contraditório, incoerente, talvez até hipócrita, no momento em que defendo o meio-ambiente e os animais e, ao mesmo tempo, posiciono-me a favor do consumo de carnes. Bem, argumentarei sobre minha posição.

Antes de qualquer coisa, a afirmação comum de que a criação de animais polui e devasta mais que as plantações não procede por vários motivos. Na Revista Galileu de setembro de 2010 encontra-se o seguinte:

Um vegetariano substitui os alimentos de origem animal por soja e lentilha, por exemplo. A Inglaterra, especificamente, importa boa parte desses produtos. Se precisasse plantá-los em seu território, o espaço dedicado à agricultura teria que aumentar muito - mesmo levando em conta a redução da área dedicada à plantação de grãos para alimentar animais de abate. Colocando na ponta do lápis, o impacto dessa mudança seria maior do que os atuais efeitos negativos dos pastos - e isso inclui a emissão de gás metano provocada pela flatulência dos animais. Além disso, os substitutos da carne passam por um processo industrial que consome uma grande quantidade de energia. A fabricação de proteína de soja, por exemplo, consome mais energia do que a transformação de carne bovina em hambúrguer, o que significa mais carvão queimado nas usinas. Ou seja: tofú não é mais verde do que um prato de churrasco.”

Não me prolongarei mais sobre esse ponto do assunto. Para quem tiver maior interesse, pode ser encontrado mais a respeito, de forma bastante esclarecedora, aqui: http://www.scotconsultoria.com.br/noticias/artigos/22151/dietas-vegetarianas-causam-mais-danos-aos-animais.htm. Sugiro que leiam.

Detendo-me na realidade mais próxima a mim, aqui no pampa gaúcho, as suas regiões mais preservadas são justamente as utilizadas para pecuária. Na própria Santiago, as regiões próximas a Itacurubi e Unistalda, e estes municípios mesmos, tradicionais na criação de gado, apresentam um alto índice de conservação do pampa, tanto na flora como na fauna, se comparado com regiões ocupadas pelas plantações de soja, arroz e trigo.  As plantações de arroz são famosas pelo seu elevadíssimo consumo de água. É claro que para a existência das lavouras é necessário a destruição dos campos e das matas, além do uso de agrotóxicos. Já a pecuária preserva os campos e não destrói as matas ciliares. Basta compararmos os campos e os rios de Itacurubi com os de Capão do Cipó. Em Capão do Cipó nem há quase mais campos, tudo está ocupado com as lavouras de soja. E os rios encontram-se assoreados e contaminados por agrotóxicos.

Há ainda a questão, levantada por muitos, de que sacrificar animais para o consumo é uma forma cruel, impiedosa de alimentação. Os animais são seres vivos e sentem dor. Sem dúvida. E os vegetais não? Um pé de alface ou um pé de cenoura são tão seres vivos quanto uma ovelha. Quem garante que eles não sintam dor ao serem arrancados para o consumo? Ou será que não sentem dor porque não demonstram sentir dor como demonstraria uma ovelha? Que conhecimentos temos nós da realidade da existência, da vida de uma planta para garantirmos que ela não sinta dor, seja ela física ou não? É claro que há métodos cruéis utilizados em abatedouros de animais que devem ser combatidos, banidos e fiscalizados.

Muitos abordam questões espirituais para argumentar que o vegetarianismo é menos agressivo aos seres vivos. Bem, nesse caso, os espiritualistas hão de concordar comigo que há uma alma tanto nos animais como nos vegetais. Por que as almas dos animais sofreriam ao terem seus corpos sacrificados e as almas dos vegetais não?  E há ainda muitas visões espiritualistas, de meu conhecimento, que ensinam que a carne vermelha é fundamental para determinadas pessoas, o que varia de acordo com sexo, personalidade e ocupação. Segundo tais visões, pessoas do sexo masculino, de personalidade forte e que necessitam de grande concentração em seus afazeres necessitam se alimentar com carne vermelha, sob o risco de desenvolverem certas doenças, desde anemia até cânceres. Eu mesmo já fui vegetariano durante quase dois anos. Nunca me senti tão fraco e desanimado em toda minha vida. Sem falar que eu nunca me sentia plenamente saciado com a alimentação e acabava por comer muito. E isso que substituía a carne animal por carne se soja, bebia muito leite, comia queijos, enfim. Quando voltei a comer carne, foi um enorme alívio.

E mesmo quem prefira argumentar afirmando que uma alimentação vegetariana é mais saudável para nosso organismo, jamais encontrará um consenso entre médicos e cientistas. Há os que defendem uma dieta vegetariana e outros que defendem a carnívora, ou melhor dizendo, a onívora. Porque os seres humanos não são cervos que se alimentam somente de pasto e nem tigres que comem apenas carne. A nossa alimentação é correta quando ocorrem as duas coisas. Somos onívoros. O que aconteceria se alimentássemos um cervo só com carne e um tigre só com vegetais? Creio que algo semelhante a quando privássemos um ser humano de sua dieta onívora, banindo vegetais ou banindo carnes.

Ademais, o simples ato de nos alimentar seja com o que for, de beber água, até de respirar, o simples ato de existir já agride ao meio-ambiente. O problema em si não é o que comemos. O problema é que o planeta já não está suportando mais tanta gente. Ou uma parte da humanidade acaba, ou o planeta acaba. Simples assim. Matemática pura.

24 junho 2012

do Atraso do Mundo

o que há de pior
são os que querem saber para todos:
“não olhe pela janela,
eu já olhei
e não há nada lá fora”

são como aquelas visitas
que te impedem de sair
por nunca irem embora

o que há de pior
são os que querem
que calcemos os seus próprios sapatos
de número menor...

nada atrasa mais o mundo
do que admitir o mundo
dentro dos limites que ele tem

é como sempre pisar no seco
para nunca molhar o pé

os que fizeram
são os que veem
o que não é

23 junho 2012

A maior parte do Pampa está morta, ó "Gaúchos e Gaúchas, de todas as Querências"...

O estudo do IBGE sobre o nível de preservação dos ecossistemas  brasileiros apresentou dados assombrosos. Excetuando a Amazônia e o Pantanal, os demais ecossistemas encontrados no país já sofreram a destruição de cerca de 50% de sua área original, ou mais do que isso. Da Mata Atlântica nem se fala, só restou pouco mais de 10% da floresta original, a floresta de maior biodiversidade do planeta. Do Cerrado restam 50,9% e da Caatinga 54,4%. 

Já do nosso Pampa, o que sobrou foi 46% da vegetação original. Alguns podem pensar que se ainda estamos com cerca de 50% dos ecossistemas brasileiros preservados significa que estamos bem. Para muitos, metade já está bom demais. Porém o que se deve levar mais em conta não é tanto a área já destruída, mas a velocidade com que o foi. Por exemplo: até 1950, mais de 80% do Cerrado estava em pé, plenamente preservado. Ou seja, em 60 anos destruímos mais de 30% da área original do Cerrado. E todos sabem que o Cerrado é extensíssimo. Com mais 60 anos teremos destruído mais 30%? E dentro de 100 anos não haverá NADA do nosso Cerrado? Mantidos os níveis de devastação atuais, a resposta é: não, não haverá mais Cerrado dentro de um século. Ou menos. 

Algo semelhante ocorre com a Amazônia. Aproximadamente, 80% da floresta está preservada. Parece muito. Porém, em 1980 a preservação era de 95%. Repito, 95% da Amazônia estava em pé no início dos anos 80. Em 30 anos, acabamos com 15% da floresta. É um índice de devastação altíssimo, catastrófico. Que se torna ainda mais assustador se considerarmos a dimensão titânica da Amazônia brasileira. Está certo que o desmatamento na região reduziu-se significativamente nos últimos anos, mais ainda é relativamente alto. E será que com toda a pressão para a produção de mais e mais alimentos e com a aprovação do nefasto novo Código Florestal a tendência de queda no desmatamento será mantida? E há ainda o problema das hidrelétricas para a geração de energia. O desmatamento diminuiu, mas a construção de hidrelétricas não cessa, só cresce. E todos sabem que hidrelétricas também aniquilam a floresta e a fauna.

Mas... voltando ao nosso tão querido pampa... Quer dizer então que o gaúcho ama profundamente a sua terra? Sim, percebo... Às vezes, a minha vontade é de laçar esses gauchinhos de merda que adoram andar derrubando terneiros indefesos em rodeios, eles e os pais deles, que se acham muito gaúchos, e esfregar as fuças desses covardes gananciosos, exploradores de peões, na terra deste Pampa. Na terra ressequida pelas secas, na terra contaminada por agrotóxicos, na terra vazia, desolada, sem campos, sem matas, sem fauna. É essa a terra que esses imbecis amam? O que amam são as moedas que extirpam às custas do sangue do Pampa Gaúcho.  Finalizo com um poema que escrevi ao Pampa há alguns anos atrás:

Ao Fim do Pampa

quero-quero vasto que me olha denso,
o que é que alarma no teu sino antigo?

pampa que crepúsculas,
não te sones antes que eu me vide...

folha de angico que te nervas sopro,
o que é que julga na tua chama acesa?

pampa que te noites,
não te lues antes que eu me ocase...

sanga que adaga por um céu de chumbo,
o que é que marcha no teu grito frio?

pampa que te sangues,
não te doenças antes que eu me febre...

coxilha em cosmo que me fúria um sonho,
em quais sentenças é que te levantas?


pampa que te fins,
não te mortes antes que eu te ame...


21 junho 2012

Sobre um Morto

quando estiveres Morto
ao ponto
de deixar de existires
(e estás quase
como quando em um ponto do céu
desaparece uma ave)
então estarás no ponto
e voltarás ao ponto inicial
ao ponto mínimo branco
brotado entre o negro dômino
de uma roda de filosofia oriental

Fênix e Reis
renascem das cinzas
e nunca perdem a majestade
(o reinício é o muito tarde)

que importa
que falem de isso e de aquilo
ou de aquele e de esse?

como se passando do ponto
da meia-noite
fatal
natural
infinital
não amanhecesse...

20 junho 2012

O Escritor deve ser um Franco-Atirador

Um bom escritor deve ser algo como uma metralhadora giratória. Não disparando à toa, atirando apenas para atirar, mas no sentido de não se prender a nada para poder exercer livremente o seu direito (e dever) de disparar o seu verbo contra o que não julgar correto. É aquele velho “doa a quem doer”.

O que, logicamente, não é nada fácil. Há que se não ter o rabo preso nem com algo nem com ninguém. A liberdade total de expressão exige que paguemos um preço alto. O problema é que a maior parcela dos escritores de hoje em dia (e não só os escritores) não querem pagar preços, preferem receber pagamentos. Não necessariamente monetários, é claro. Vender-se é bem mais simples. E mais lucrativo. Obter-se favores com a delimitação do nosso verbo também é uma moeda de troca. Pode-se até conseguir um sucessozinho, certa fama, até dinheiro.

Há desde os que se vendem para aparecer na mídia aos que se vendem a editoras. Há os que preferem não falar de certas coisas para evitar criar inimizades, ou para não prejudicar amigos, ou a si próprios, para não serem mal vistos, para não perderem determinados privilégios e benesses. Algumas vezes, é simplesmente porque não podem. Afinal, há que se sobreviver.

Porém também há um preço a se pagar ao não se ter a coragem de disparar a metralhadora. O preço é tornar-se exatamente um covarde e um medíocre. Nos casos mais graves, perde-se a honra e a dignidade. Torna-se um pau-mandado. Muitas vezes, o medíocre justifica-se a si mesmo, afirmando que tudo o que escreve é exatamente o que queria escrever. E que está com sua consciência absolutamente tranquila.  Mas, no fundo, ele sabe que não é bem assim.

Escrever é atirar. É óbvio que não é só isso. A literatura é uma das artes mais completas, se não for a mais completa, e possibilita uma gama infinita de expressões. No entanto, em nossos dias, é uma obrigação (mais do que um direito) do literato exercer todo o potencial de criticidade possibilitado pela literatura. Mas há que se ter muita coragem para fazê-lo, entre outras características mais, como uma funda e perspicaz visão do que acontece à sua volta. Para se atirar há que se não estar de acordo com a situação. A arte em si é, entre outras coisas, a reação a todas as situações.

Além do que, uma literatura sem “tiros”, torna-se, nos tempos atuais, insuportavelmente chata. O escritor deve ser um franco-atirador. Nunca curvado. Dobrar a espinha é o primeiro atestado de mediocridade. Talento sem coragem é como ter milho e não ter dentes. Para tanto, é mister a independência de quem escreve. Caso contrário, torna-se um touro capado. Que não é touro, é um boi. Sem força e sem moral.


18 junho 2012

Eu Não me Explico

não me explico.

por que deveria dar um motivo
para perder ou não o meu siso?
reservo-me o inexplicável direito
(com o que faço
só eu devo estar satisfeito)
de dizer-me ou não
e se assim desejo
se for pelo dizer mais alto
(ou sonho que me tomou de assalto)
de meu eu eu me desdigo
que nunca falo do meu falo
e não sou meu próprio umbigo

as palavras (já sabem) são as asas
que não tenho e te sustenho
e que voem vaguem veladas
sem ter que ter no meu chão
(só a mim interessa o meu não)
algo de alga sobre o mar
lago de gala cobre o céu
e um lento luto lento
sempre a me ser olhar...

lá vai minha palavra
ao longo longe de  mim
e por outra maior estrada...

se eu tivesse que explicar tudo
melhor seria não dizer nada...

16 junho 2012

Quem Pisou o Meu Chão?

antes de eu pisar o aqui de onde piso
quem o pisou no antes de mim?
quem foi que foi
onde agora sou eu?

quem pisou o chão da minha casa
antes de ser este o chão da minha casa?
aquele que trabalhava na construção civil
que eu nunca vi e que nunca me viu?

e antes dele
quando campo ou mato ou banhado?
qual foi o guerreiro
que aqui tenha morrido
ou tenha matado?

que animal pisou onde durmo?
carneiro cavalo jaguar ou guará?
será que num outro dia não vindo
uma outra pata-pegada aqui ficará?

algum homem pré-histórico
pisou o futuro
do que seria minha casa?
tombou algum raio
um dinossauro
ou o ruflar de uma asa?

que pata acompanhou o  meu passo
sem nunca saber que estaria
em meu mesmo invisível compasso?
e que mistério existido
sem presumido conhecimento
fora da ciência e da consciência
ou do qualquer em todo momento
pode ter um dia pisado o meu piso?

o que é outra era?
era quando o que eu
era outro eu
ou o meu eu era um não?

queimou o meu chão um dragão?

não sei
só sei que tudo passa:
estes antigos versos que escrevo
também um dia serão pisados
por um mamute
ou...
por uma traça

15 junho 2012

Relatório Planeta Vivo 2012 para a Rio+20: 60% da Biodiversidade das Regiões Tropicais Perdida em 40 Anos


(Na imagem, vista aérea de uma região de floresta tropical da Indonésia destruída após queimadas para plantação de dendê. O óleo de dendê é usado, entre outras coisas, para a fabricação de cosméticos, chocolates e biocombustível.)

Estamos em plena Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Muitos nem sabem que ela está acontecendo. E também nem querem saber. Já outros, julgam que depois da Conferência tudo vai mudar para melhor. Será?

A organização não-governamental WWF, de dois em dois anos, publica o relatório "Planeta Vivo", em que aborda o que vem ocorrendo com o ambiente e os recursos naturais do nosso planeta. No relatório de 2012, preparado especialmente para a Rio+20, a WWF, além, é claro, de chamar a atenção para a importância fundamental da Conferência, apresenta alguns dados sobre o que mudou nos últimos 20 anos com relação à preservação do nosso planeta e ao avanço da destruição ambiental.  Por que nos últimos 20 anos? Porque, para quem não se lembra, em 1992 tivemos a Eco92, também no Rio, onde as nações se deram conta (mesmo?) de que algo deveria ser feito para evitar o progresso da destruição dos recursos naturais do planeta. Abaixo, alguns dos principais pontos abordados pelo relatório "Planeta Vivo". Sugiro aos leitores que leiam com muito atenção:

- A Biodiversidade mundial encolheu 30% entre 1970 e 2008; nos trópicos, a redução foi de 60%.

- A demanda por recursos naturais dobrou desde 1966, e hoje estamos consumindo o equivalente a 1,5 planeta Terra para realizar nossas atividades.

- Segundo as projeções tendenciais, vamos precisar do equivalente a 2 planetas Terra até 2030 para atender às nossas demandas atuais.

- Desde a Eco92, a cobertura florestal mundial encolheu 3 milhões de quilomêtros quadrados.

- Se todos vivessem como um morador típico dos EUA, seriam necessários 4 planetas Terra para regenerar a demanda atual da humanidade imposta à natureza.

- A produção de alimentos aumentou 45% nos últimos 20 anos.

2,7 bilhões de pessoas enfrentam problemas de escassez de água aguda.

- As emissões de dióxido de carbono aumentaram 40% desde 1992.

- A quantidade de gelo no ártico diminuiu 35% nos últimos 20 anos.

Quem tiver interesse em saber mais a respeito, leia o relatório "Planeta Vivo" aqui.


13 junho 2012

Então Controlas a Tua Vida?

estás certo
de que tudo o que pensas
pensas porque queres pensar
e sabes o porquê do que pensas?

estás certo
de que tudo o que sentes
sentes porque queres sentir
e sabes o porquê do que sentes?

quando queres parar de pensar
em algo que não queres pensar
porque é que não paras?

e quando não queres sentir
o algo que não queres sentir
por que é que mesmo assim sentes
se não queres sentir?

aquele pensamento do nada
que veio do nada
veio de qual onde?

e aquele sentimento de angústia
que veio ainda que não quiseste
veio de qual possibilidade?

não controlas o que pensas
e não controlas o que sentes...

mas controlas tua vida
e controlas teu destino
com tuas psiques
de inconscientes?

12 junho 2012

Uma Visão de Deus em Fernando Pessoa

Fernando Pessoa, o poeta maior da língua portuguesa, dividiu-se em vários "eus", em vários "outros" para poder expressar com maior liberdade (não só por isso, mas também por isso) o universo infinito de emoções, de ideias, de filosofias, de percepções que conviviam e conflituavam incessantemente em seu ser. Pessoa era tão imenso que não cabia em si próprio. Tinha tantas facetas que não podia se mostrar com um rosto só. Com seis anos de idade, o gênio português, já havia criado um heterônimo: Chevalier de Pas. Com o tempo, criou dezenas de outros. 

Bernardo Soares é um dos seus heterônimos mais conhecidos, e onde Fernando Pessoa melhor realizou a sua prosa poética, no fenomenal Livro do Desassossego. É desse livro que retiro uma visão de como o heterônimo compreende a existência de Deus. Não se pode dizer que seja, necessariamente, a mesma visão de Fernando Pessoa ele mesmo, pois o poeta deu liberdade de pensamento e de expressão aos seus heterônimos, ele se desdobrou em outros que não ele sem deixar de ser ele. Que o próprio leitor tire suas conclusões. O trecho é longo, mas vale a pena:

Livro do Desassossego, trecho 254:

"Bate-me então, sempre que assim sinto, a velha frase de não sei que escolástico: Deus est anima brutorum, Deus é a alma dos brutos. Assim entendeu o autor da frase, que é maravilhosa, explicar a certeza com que o instinto guia os animais inferiores, em que se não divisa inteligência, ou mais que um esboço dela. Mas todos somos animais inferiores — falar e pensar são apenas novos instintos, menos seguros que os outros porque novos. E a frase do escolástico, tão justa em sua beleza, alarga-se, e digo, Deus é a alma de tudo.


Nunca compreendi que quem uma vez considerou este grande fato da relojoaria universal pudesse negar o relojoeiro em que o mesmo Voltaire não descreu. Compreendo que, atendendo a certos fatos aparentemente desviados de um plano (e era preciso saber o plano para saber se são desviados), se atribua a essa inteligência suprema algum elemento de imperfeição. Isso compreendo, se bem que o não aceite. Compreendo ainda que, atendendo ao mal que há no mundo, se não possa aceitar a bondade infinita dessa inteligência criadora. Isso compreendo, se bem que o não aceite também. Mas que se negue a existência dessa inteligência, ou seja, de Deus, é coisa que me parece uma daquelas estupidezes que tantas vezes afligem, num ponto da inteligência, homens que, em todos os outros pontos dela, podem ser superiores; como os que erram sempre as somas, ou, ainda, e pondo já no jogo a inteligência da sensibilidade, os que não sentem a música, ou a pintura, ou a poesia.


Não aceito, disse, nem o critério do relojoeiro imperfeito nem o do relojoeiro sem benevolência. Não aceito o critério do relojoeiro imperfeito porque aqueles pormenores do governo e ajustamento do mundo, que nos parecem lapsos ou sem-razões, não podem, como tal, ser verdadeiramente dados sem que saibamos o plano. Vemos claramente um plano em tudo; vemos certas coisas que nos parecem sem razão, mas é de ponderar que, se há em tudo uma razão, haverá nisso também a mesma razão que há em tudo. Vemos a razão, porém não o plano; como diremos, então, que certas coisas estão fora do plano que não sabemos o que é? Assim como um poeta de ritmos sutis pode intercalar um verso arrítmico para fins rítmicos, isto é, para o próprio fim de que parece afastar-se, e um crítico mais purista do retilíneo que do ritmo chamará errado esse verso, assim o Criador pode intercalar o que nossa estreita [ilógica?] considera arritmias no decurso majestoso do seu ritmo metafísico. 
Nem aceito, disse, o critério do relojoeiro sem benevolência. Concordo que é um argumento de mais difícil resposta, mas é-o só aparentemente. Podemos dizer que não sabemos bem o que é o mal, não podendo por isso afirmar se uma coisa é má ou boa. O certo, porém, é que uma dor, ainda que para nosso bem, é em si mesma um mal, e basta isso para que haja mal no mundo. Basta uma dor de dentes para fazer descrer na bondade do Criador. Ora o erro essencial deste argumento parece residir no nosso completo desconhecimento do plano de Deus, e nosso igual desconhecimento do que possa ser, como pessoa inteligente, o Infinito Intelectual. Uma coisa é a existência do mal, outra a razão dessa existência. A distinção é talvez sutil ao ponto de parecer sofística, mas o certo é que é justa. A existência do mal não pode ser negada, mas a maldade da existência do mal pode não ser aceita. Confesso que o problema subsiste, mas subsiste porque subsiste a nossa imperfeição."
Bernardo Soares, heterônimo de Fernando Pessoa
(Na imagem, a pintura "O Ancião dos Dias", de William Blake.)

10 junho 2012

Teus Olhos Noturnos...

insana
palavra de sombra:
verbo-clarão na verdade...
nada
ilumina o tanto da noite
do que a mais relampejante tempestade

agouro de coruja amiga
que pia
ao que não me iludo...
teus olhos vastos imensos noturnos
que alertantemente
veem tudo...

que segredo que há
entre o que céu
e uma revoada de urubus?...
só a sombra
percebe os mínimos
detalhes da luz...

09 junho 2012

Propaganda é Antes de Tudo Enganação

Geralmente se diz que uma boa propaganda deve ter como principal característica a capacidade de ressaltar as boas qualidades de algo ou de alguém. Discordo. Entendo que uma boa propaganda deve, antes de qualquer coisa, dissimular muito bem as más qualidades de algo ou de alguém. E não me refiro à propaganda enganosa. Na verdade, a propaganda enganosa é aquela que engana escancaradamente. A propaganda legal engana camufladamente. Parece certo, mas não é. Para quê maior show de enganação do que a propaganda nazista?

Tomo como exemplo a propaganda da maionese Hellmanns que está sendo veiculada na TV. A maionese é comparada com o óleo de oliva, demonstrando que tanto a maionese quanto o óleo não contêm colesterol, que ambos possuem ômega 3, substância benéfica à saúde, mas que a maioneses levaria vantagem porque em uma colher da mesma haveria bem menos calorias do que em uma colher de óleo de oliva. Ou seja, o que se deve concluir da propaganda  é que a maionese Hellmanns é melhor e mais saudável que o milenar óleo de oliva.

Porém do que a propaganda não fala é que o óleo de oliva é um produto 100% natural, enquanto a maionese traz junto com seus saborosos ingredientes um sem-número de porcarias, os famosos conservantes, antioxidantes, estabilizantes, espessantes e tantos outros "antes" cujas substâncias não são identificadas, mas das quais se sabe, e não se fala, que algumas são potencialmente cancerígenas. 

Fiquei apenas com a propaganda da Hellmanns, mas poderia comentar sobre qualquer outra. E é claro que essa enganação não é apenas no marketing de produtos à venda, mas em qualquer propaganda. Passemos aos partidos políticos: o PT se diz o partido dos trabalhadores, porém o governador Tarso agora quer aumentar a contribuição do IPE dos servidores do Estado. Ou seja, quem paga a conta são os trabalhadores. O PP enche a boca com o seu slogan "Primeiro as pessoas", porém não esclarece que pessoas são essas: as elites, principalmente os ricaços do agronegócio. O PMDB diz que "tem cara". Qual? Só se for a de uma melancia em cima do muro.

Mas a enganação da propaganda vai além. Nós mesmos enganamos com nossas propagandas. Tomemos como exemplo os nossos perfis em redes sociais. Ali construímos a imagem que queremos, escondendo ou dissimulando o que não nos interessa e exagerando as nossas qualidades, até mesmo inventando algumas. E quanto às fotos? Quanta armação, hein? Alguns conseguem o milagre de passar da categoria de monstruosos para deuses ou deusas. 

Mas essa é a alma do negócio. E negócios geralmente são sujos.

07 junho 2012

Despoética

o deslirismo
a despoética
do desespero
despido
de espada
deposto

descrido
o desmoronamento
desvendo
desvê-lo


dessentido...

o maior feito do homem?
o desfeito

desrota...
destino...
o descer humano
o desser humano

06 junho 2012

Quantos Sábios há no Mundo?

cada humano tem sua própria razão
e cada um tem razão em tudo o que faz
por mais que não tenha razão alguma

ninguém se julga errado
porque mesmo quando se julga em erro
logo transforma o erro em acerto
pelas mil e uma justificativas
e um milhão e meio de motivos
absolutamente justos
(para o seu si mesmo)
ainda que em justiça
não haja justiça alguma
em nenhum dos seus motivos

quem é que pensa que não é certo
aquilo que pensa
por mais que só pense em engano?
quem é que age
julgando errado o que agiu
por mais errado que seja?
quem matou alguém
(por exemplo)
de três, uma:
ou julga justo ter matado
e assim está certo para si
ou diz que se arrepende
mas no fundo não se arrepende
e assim está certo para si
ou se arrepende mesmo
e por se arrepender
se julga correto após o arrependimento
e assim está certo para si

quando dizemos que estamos errados
no fundo apenas dizemos
para que os outros não nos digam
que estamos errados
admitimos o erro
para poder viver tranquilos
no que julgamos acerto

quem é que muda
quando se julga errado?
se não muda
é porque no fundo
se julga correto

cada um de nós
e todos nós
nos julgamos donos de toda a verdade
ainda que em verdade
não saibamos de verdade alguma

cada um de nós
é a razão em pessoa
uma verdade ambulante
uma certeza com pernas

há 7 bilhões de sábios no mundo

04 junho 2012

do Meu Pessimismo

conhecendo-te a ti mesmo
sairás do engano da humanidade:
conhecer o humano
é o estágio
de ser pessimista

otimismo
é  algo como a crença
de que a árvore
que nasceu e cresceu torta
vai se endireitar
depois de velha...

no tudo em que eu te conheço
está o nada em que não te acredito

o meu pessimismo
é como um velho professor antipático
chato e inconveniente
sério e irritante
seco e indiferente
que traz um irônico sorriso no rosto
e chega sempre no meio da festa
trazendo consigo um livro de Não:

ninguém gosta dele
porque todos sabem
(mas não admitem)
que ele tem toda a razão...

03 junho 2012

"Achando graça da própria desgraça e tudo bem."

Abaixo, transcrevo trecho de um texto  de Caco Coelho, publicado em sua coluna "Crônicas da Cena"  no jornal Correio do Povo do dia 2 de junho. 

"Estamos vivendo o limiar de uma nova era. O momento tão propalado do país do futuro chegou. E quem somos? O que restou de nós mesmos? Possuímos a língua mais devastada de todo mundo. Nossos hábitos foram forjados pela cultura imperialista. As coisas mais banais vão deixando claro uma predominância, cada vez mais, subliminar. Isso tudo para que não haja contrastes. Sem distinção, vão se apagando os desejos e, em consequência, sendo subtraída à identidade até a quase completa alienação. Hoje, o que assistimos na televisão, na busca desesperada por audiência, é uma total degradação moral e ética. Debochamos de nós mesmos, rimos de nossas mazelas, sem transpô-las. Estamos chapados diante de uma total falta de distinção. Achando graça da própria desgraça e tudo bem."

Caco Coelho

A propósito do texto, deixo o poema abaixo, que escrevi ainda em 2011, publicando-o aqui no blog, mas que passou por alterações, e agora o republico:

Meu Mundo Humano

eu sempre esperei-me mais de ti
meu mundo humano
(como quem espera o chegar
de alguém especial em um trem
que sempre chega vazio)
eu sempre esperei-te mais de mim
meu mundo humano
que foi tudo menos meu
e que, de tanto não-ser,
já nem mais é humano

para ver a altura suprema
dos teus arranha-céus
olhei para o fundo de um abismo
em que também era eu
e quando voei nas tuas naves
o meu nada não se ergueu do chão
e contemplando o verde
dos teus campos cultivados
murchou o verde último
que ainda alentava a minha esperança amarela
e quando na multidão das tuas grandes cidades...
tornei-me ainda mais sozinho
do que ainda serei
e as descobertas da tua ciência
ocultaram-me eu mesmo de mim
e todos os teus potentes veículos
não me movimentaram da miséria
em que sempre me situei
e tudo o que construíram tuas indústrias
contribuíram com a minha destruição
durante uma noite serena...

só a Arte vale a pena

01 junho 2012

Carta a Cada Um de Vocês

“sim, tu és livre para fazeres

desde que faças aquilo que eu disser
para tu fazeres
porque eu sei o que deve ser feito
e sei os motivos
que pertencem tão somente a mim
e são consequentemente perfeitos e justos
e o certo é o que eu digo
não pode haver uma verdade
que vá contra a minha verdade
(eu sou a verdade)
ou uma opinião que se exista
como sendo correta
se não for aceita por mim
de antemão
e já deixo como determinado
que quem duvidar de minhas palavras
não pode ser levado a sério

sim, tu és livre para pensares e sentires

desde que penses e sintas
da forma como eu julguei
que assim deveria se pensar e se sentir
afinal
a razão é minha
e na razão está a única forma
não só de se pensar
mas também de se sentir
o que é correto
para ser sentido
nada pode ir além das justas barreiras
que construí
para o bem estar de todos
acredite
tudo o que faço
é para o seu próprio bem

há uma medida
eu sou essa medida
o ponto colocado como determinante
que tudo sabe e tudo estabelece
não pode haver vida além de mim
e, havendo
cai em erro imperdoável
e que não será perdoado
pois ninguém tem a permissão
para ir além de mim
de destacar-se fora dos padrões
ou permitir-se o que quer que seja
se eu não disser que assim é
de acordo com os mandamentos
estabelecidos como lei suprema
por aquela que todos adoramos
a sagrada e santa
Deusa Mídia”

Assina:  A Sociedade