04 dezembro 2012

aos Sábios


são sábios
e co-acham
sobre tudo

sobretudo
coaxam
sem sotaque

embaixo
do sovaque
carregam eterna mente
suas descobertas de eureca
e filosofias de araque

coçando o saco
e o cavanhaque
mantém a (im)potência
da sua dita dura
e o próprio umbigo
empinado em destaque
de com
e im
postura
de ataque

lá vão eles
de matraque
badulaque
e fraque

sabem tudo da vida
de almanaque

6 comentários:

Ana Bailune disse...

Desconfio sempre de quem afirma, sobre si mesmo, possuir certa luz que brilha acima dos outros...geralmente, é uma luz que cega e só atrai mariposas.

Dante disse...

Magnífico, brilhante construção, de duplos sentidos e ironias sensacionais. Abraço!

Aline disse...

Instigante... Irônico... Gostei!

Beatriz Martín disse...

Alfa aunque me cueste un poquito leerlo entiendo un poc pero lo fui a traducir muy lindo de verdad, un abrazo desde mi brillo del mar

Cristina disse...

Un estilo único en tus letras... muy grato leerte.
Abrazos miles, buena jornada.

Silegontium disse...

Outro Excelente poema!