24 outubro 2012

Mensagem


seres que vos extinguis
a que oculto
o que mistério
vos leva...?
o que vos leva
em que mistério
é oculto?...

quando vos fordes
ocultai convosco
o que me segredo
quando partirdes
me deixai que parta
o que talvez eu deixe
o que talvez se parta
e este meu perto peito
despejai ao longe

o que pulsou comigo
não deixeis que siga
na desalada vida
no desperado  verso
que perambula e erra
escondei da terra
o que me esperanço
nos confins
a que vos destinais...

que eu me esqueça do existe
em vossos eternos jamais

mas guardai
em vossas almas
a minha arte dos tardes

para quando voltardes...

5 comentários:

Ana Bailune disse...

O que levaremos conosco? Uma pergunta que com certeza dará temas para muitos poemas... bela postagem!

CORAÇÃO QUE PULSA disse...

ESPEREMOS, POIS.

Muito bom.
Um abraço, fica com DEUS...sempre!

Enigma disse...

Olá Al,

Aplausos a tua arte!

Sempre busquei erudição
nos poetas contemporâneos.

Parabéns! Parabéns!

Enigma.

Lu Guedes disse...

Uau, que lindo. Parece uma prece invocando a si mesmo e outros seres aos quais não alcanço mas que apenas sei de sua tímida existência. A poesia flui num ritmo tão agradável. Gostei imensamente.

bacio

Ps. me desculpe, nunca sei como expressar o que gostei num poema. É uma falha minha. Uma das muitas... rs

Enigma disse...

Sim Al,

"Quem se eu gritasse, me ouviria pois entre as ordens
Dos anjos? E dado mesmo que me tomasse
Um deles de repente em seu coração, eu sucumbiria
Ante sua existência mais forte. Pois o belo não é
Senão o início do terrível, que já a custo suportamos,
E o admiramos tanto porque ele tranqüilamente desdenha
Destruir-nos. Cada anjo é terrível.
E assim me contenho pois, e reprimo o apelo."

Rilke